Até terminar a gravação do nono álbum, todos podemos ver PJ Harvey ao vivo em estúdio. Em Londres, de terça a sábado.

Alegadas divergências entre o cineasta e o ex-presidente dos Estados Unidos, que terá exigido aprovar a versão final do documentário, ditaram a suspensão de um filme que poderia chegar à televisão em plena campanha presidencial de Hillary Clinton.

Paul Celan é um poeta que solicita um delicado e infinito esforço de tradução. Tal sorte, não a teve nesta antologia, um passo em falso cometido por uma tradutora de mérito

Fela Kuti imitou-o e criou o Afro-Beat; James Brown ficou de boca aberta ao vê-lo actuar; quando se mudou para os EUA, Marvin Gaye ia espreitar cada ensaio da sua banda; Lamont Dozier pilhou-o e fez uma pipa de massa à sua conta. É Orlando Julius, o grande génio nigeriano, de regresso num disco a meias com os maravilhosos Heliocentrics.

Os canadianos Viet Cong assumem que não se cria a partir do nada mas sim do caos, expondo uma música rock efervescente que não recusa a veia de transmissão do pós-punk, mas que não fica amarrada a ela no álbum homónimo de estreia.

Quatro pinturas mostram Lisboa antes do terramoto de 1755. Provavelmente foram feitas quando a nova Lisboa começava já a edificar-se e são um sinal de nostalgia.