• Alegadas divergências entre o cineasta e o ex-presidente dos Estados Unidos, que terá exigido aprovar a versão final do documentário, ditaram a suspensão de um filme que poderia chegar à televisão em plena campanha presidencial de Hillary Clinton.

  • Um acontecimento, antes da Primavera: a digressão global deThe Clock, vídeo descomunal do artista suíço-americano Christian Marclay, chega ao Museu Berardo, Lisboa, em Março. Têm 24 horas do vosso tempo?

  • Convidado para pianista residente da Cinemateca Portuguesa em 2015, Filipe Raposo será uma constante no acompanhamento de filmes mudos ao longo do ano. A pretexto da primeira sessão, no dia 29, com um filme de D. W. Griffith, estivemos com ele num passeio pela relação entre música e cinema.

  • O filme documentário de Claude Lanzmann faz-nos entrar no cerne da perversão nazi: utilizar as vítimas no processo do seu próprio extermínio. Quem pode julgar homens como Murmelstein, que vivem numa situação limite?

  • O Último dos Injustos é um fascinante jogo de pingue-pongue entre um entrevistador (Lanzmann) e um homem (Murmelstein) perfeitamente consciente das “zonas de sombra” do seu percurso.

  • Depois de Miami Vice e Inimigos Públicos, Michael Mann regressa com um policial clássico que é também um magistral exercício formal.

  • A Noite Cairá, de André Singer e O Homem Decente, de Vanessa Lapa são dois filmes fortíssimos, como é óbvio, pelo que documentam e pela natureza das imagens que mostram.