• Fortemente marcado pela arquitectura ou pelos escritos de Samuel Beckett, Barry Guy é um dos nomes fundamentais da música improvisada europeia a ter surgido nos inquietos anos 70. Actua sábado na Culturgest Porto, a solo, podendo trazer à baila com igual propriedade fragmentos de música barroca ou o experimentalismo mais radical.

  • São uma confluência feliz de pessoas arrebatadas por música nas suas mais diversas expressões. O segundo álbum, II, está aí para o demonstrar, com uma sonoridade expansiva, agora com voz. Na quinta-feira há concerto de apresentação no B.Leza.

  • Basco nascido em Madrid, Patxi Andión mantém laços com Portugal há 45 anos: lança agora o primeiro disco ao vivo da sua carreira, Cuatro Días de Mayo, gravado em palcos portugueses, e está de volta para seis concertos em solo absoluto.

  • Les beaux esprits se rencontrent

  • Ciclo fechado, o ancião pode olhar em frente

  • Se a música dos Dawanggang continua a ser um acto subversivo, a dos Hanggai segue por atalhos