Depois de uma estreia que a elevou a fenómeno do rock independente da Turquia, Gaye Su Akyol gravou Hologram Imparatorlugu, álbum que junta a tradição das grandes vozes do país a guitarras surf. Chega a Portugal para actuar na última noite do FMM Sines e, antes disso, no Lisboa Mistura.

Produziu obras-primas na década de 70 mas era difícil, pouco comercial e o Brasil não quis saber mais dele. Toca hoje em Amarante, dia 25 actua na galeria ZDB, em Lisboa, e por fim, a 27, é a vez da Casa de Música, no Porto. Isto é um acontecimento.

Os cães ladram e a caravana passa: com maior ou menor atenção mediática, os homens das capas negras continua a manter os seus índices de qualidade em alta.