Criando uma língua franca para se relacionar com o texto de Wedekind, o Teatro Praga atira-se a Despertar da Primavera à procura de mais um movimento de libertação. No CCB, o texto do autor alemão não terá a última palavra.

De cada vez que Mohamed El Khatib apresenta Finir en Beauté (Acabar em Beleza) reacende o luto pela morte da sua mãe. Em estreia nacional no Teatro D. Maria II, o autor franco-marroquino apresenta o magnífico primeiro momento da sua fuga do teatro clássico.

É um recital em andamento, chama-lhe Miguel Loureiro, autor e encenador de Paris > Sarah > Lisboa. No São Luiz, entre 2 e 11 de Fevereiro, Beatriz Batarda transforma-se numa Sarah Bernhardt que é a imagem de um desejo de rumar a um tempo que já não existe.