Thomas Ostermeier, um dos nomes maiores do teatro europeu, regressa ao Festival de Almada com duas impressivas produções: um clássico, A Gaivota, em que a luta geracional convoca visões conflituantes do teatro actual, e Susn, que é toda uma declaração de amor a uma actriz.