Oliver Ready, atendendo ao nome e ao apelido dickensianos, traduziu Dostoievsky como se fosse Oliver Twist. O resultado é fulminante: é a primeira tradução de Crime e Castigo que parece escrita anteontem.

  • Oliver Ready, atendendo ao nome e ao apelido dickensianos, traduziu Dostoievsky como se fosse Oliver Twist. O resultado é fulminante: é a primeira tradução de Crime e Castigo que parece escrita anteontem.

  • Não é incompatível dizer que Gonçalo M. Tavares é o melhor escritor português do século XXI e que também faz livros maus. Duas obras simultâneas provam-no

  • Ágil e singular, este é o primeiro volume de um ambicioso projecto romanesco

  • Os modos de leitura têm-se alterado substancialmente ao longo da História. Entre um livro e o seu leitor, há um mundo de relações possíveis, da absorção sem atrito à afronta turbulenta

  • Leiloeira Veritas leva à praça exemplares das edições originais da Crítica da Faculdade do Juízo, do filósofo alemão Immanuel Kant, e dos Poèmes Saturniens de Paul Verlaine.

  • São quase 50 anos de retratos de actores, realizadores e argumentistas. Hollywood é o álbum em que o artista plástico Don Bachardy ostenta uma voz própria. Mesmo se viveu sempre eclipsado pelo génio do companheiro, Christopher Isherwood..

  • Não são histórias inéditas de Harry Potter, como chegou a ser noticiado, mas Rowling prometeu surpresas diárias até ao Natal e está a cumprir. Este fim-de-semana os fãs ficaram a saber que uma personagem secundária da saga, Florean Fortescue, dono de uma gelataria, chegou a ter um papel determinante numa versão inicial de Os Talismãs da Morte, último livro da série.