PS puxa lei laboral para a esquerda mas Rio ameaça romper a corda

Alterações ao Código do Trabalho foram aprovadas na generalidade com a ajuda da direita. Em Setembro abre-se um novo capítulo e PSD ameaça retirar apoio se na especialidade a esquerda alterar o acordo tripartido. Para já, PS aprovou projecto do BE que facilita contestação do despedimento.

Comportamento humano
Foto
Vieira da Silva, ministro do Trabalho, tem de garantir que acordo de aconcertação social não é alterado no Parlamento para garantir apoio do PSD LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO

O primeiro obstáculo está ultrapassado. A proposta de lei do Governo para alterar o Código do Trabalho foi viabilizada na generalidade com o voto favorável do PS e a abstenção do PSD, CDS e PAN, tendo a esquerda votado contra. Segue-se, em Setembro, o debate na especialidade e todos os partidos vão propor alterações ao diploma. Nesta quarta-feira, o PS deu sinal de que está disposto a ir mais longe e entre os projectos que aprovou e que passam à especialidade está um do Bloco de Esquerda (BE) que facilita a contestação dos despedimentos. Contudo, do lado do PSD, Rui Rio já avisou que eventuais alterações têm de respeitar o acordo de concertação social ou, mais à frente, a abstenção pode transformar-se num voto contra.

A proposta do Governo, apresentada quando falta pouco mais de um ano para o final da legislatura, é o resultado de um acordo assinado entre o executivo, a UGT e as quatro confederações patronais. Entre outros aspectos, o diploma restringe a contratação a termo certo, abre os contratos de muito curta duração a todos os sectores, alarga o período experimental de alguns trabalhadores, cria uma taxa de rotatividade e acaba com o banco de horas individual.

Apesar de ter como antecedente o acordo com a maioria dos parceiros sociais, todos os subscritores – com excepção do Governo – já pediram alterações ao diploma. No Parlamento, todos os partidos, incluindo o PS, manifestaram a intenção de alterar a proposta durante o debate na especialidade.

Na maratona de votações desta quarta-feira, e embora se tenham aliado à direita para chumbar algumas das propostas, os deputados do PS quiseram deixar um sinal à esquerda de que o debate na especialidade vai ser inclusivo e de esquerda. Assim, viabilizaram quatro projectos de lei do PCP, do BE e do PEV (que se somam aos três que já tinham sido aprovados a 6 de Julho) relacionados com a contratação a termo, a restrição do outsourcing, a limitação do trabalho temporário e o fim do banco de horas individual – temas que também são tratados na proposta de lei do Governo.

PS surpreende ao aceitar debater despedimentos

Mas há um projecto aprovado pelos socialistas que surpreendeu e entra num terreno totalmente novo. O PS votou a favor da proposta do BE que revoga a norma do Código do Trabalho relacionada com a presunção legal de aceitação do despedimento, quando o empregador disponibiliza a compensação ao trabalhador. Na prática, um trabalhador que quiser levar a empresa a tribunal por considerar o despedimento ilícito tem de colocar a compensação à disposição da empresa e só no final do processo poderá reaver o dinheiro – o que é encarado como um entrave à contestação dos despedimentos.

Ora, se há um ponto em que a proposta que o ministro do Trabalho, Vieira da Vieira, entregou no Parlamento não toca é, precisamente, no regime do despedimento, mantendo as normas introduzidas durante o período da troika

É cedo para dizer se os projectos da esquerda que passam à especialidade, e que serão debatidos em simultâneo com a proposta de lei do executivo, chegarão a ter lugar na proposta final. Mas algum debate político irão suscitar.

Os avisos do PSD

O problema dos socialistas e do próprio Governo é saber como é que o PSD vai reagir. Na bancada social-democrata, seis deputados anunciaram que apresentariam uma declaração de voto relativamente à votação desta quarta-feira. Pedro Roque, numa declaração que assina com as deputadas Maria das Mercês Borges e Carla Barros, retoma o aviso que Rui Rio já tinha deixado ao início da tarde. Eventuais alterações à proposta do executivo, alertam os três deputados, “devem sempre respeitar o acordo firmado” na concertação social e cabe ao Governo garantir que é assim. “Não poderão assim existir dois PS ao jeito de 'polícia bom' – o que assina o acordo –, e 'polícia mau' – o que, numa lógica de negócio político pela sobrevivência, o desvirtua”, avisam os também membros dos Trabalhadores Sociais-Democratas.

No plenário desta quarta-feira ficaram pelo caminho várias propostas dos parceiros parlamentares, tendo o PS votado ao lado do PSD e do CDS – uma "opção triste", nas palavras do líder do PCP Jerónimo de Sousa. Foram rejeitados três projectos do BE relacionados com o fim das cláusulas abusivas da mobilidade geográfica e funcional, com o tratamento mais favorável e com a reversão dos cortes nos dias de férias ou no descanso compensatório. As propostas para recuperar os 25 dias de férias (uma do PEV e duas do PAN) também foram chumbadas, assim como o projecto do PEV para repor os montantes e os critérios de cálculo das compensações pagas aos trabalhadores em caso de despedimento.

E se, por um lado, a esquerda valoriza a atitude do PS ao aprovar algumas das suas propostas, por outro, a posição dos socialistas gera algum incómodo. José Soeiro, do BE, deu conta disso mesmo: "O PS tem agora de assumir se quer, com a esquerda, anular as medidas que acordou com os patrões e que são medidas de precarização do trabalho; ou se quer, pelo contrário, manter essas medidas que vêm do acordo com os patrões e voltar a contar, no final deste processo, com uma maioria feita à direita como hoje aconteceu". com Maria Lopes