Bem-vindos ao Dino Parque: aqui estão os dinossauros que já viveram em Portugal

Abre esta sexta-feira e é um sonho tornado realidade: pela primeira vez, Portugal vai ter um parque de dinossauros ao ar livre. São cerca de 120 modelos à escala real, três quilómetros de percursos e esperam-se 200 mil visitantes por ano.

Fotogaleria
Um dos modelos dentro do Dino Parque Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Os dinossauros estão à solta no pinhal dos Camarnais, na Lourinhã. Sim, são uns dinossauros especiais e estamos em 2018. As dimensões do maior metem respeito até ao lado dos pinheiros: tem cerca de 30 metros de comprimento, um pescoço longo e quatro patas maiores do que nós. Mas até tem um ar simpático. Podemos fazer-lhe festinhas, andar por baixo dele e até tirar umas fotografias. É o Lourinhasaurus alenquerensis e, quando existia em carne e osso, podia atingir as 17 toneladas. Mas, este é um dos 120 modelos das mais de 70 espécies de animais do Dino Parque – Parque dos Dinossauros da Lourinhã, aberto a partir desta sexta-feira.

“Vai ser uma das estrelas do parque! É o maior modelo”, diz-nos Simão Mateus, paleontólogo e o director científico do parque, que anda por baixo dele. “No Jurássico Superior [há cerca de 150 milhões de anos] andava pela Lourinhã.” Portanto, estamos mesmo a viajar pelo Jurássico. “É durante esse período que se formaram os terrenos em que a Lourinhã actualmente está”, conta Simão Mateus. E avisa-nos que no parque tudo será feito com dinossauros. Em frente ao Lourinhasaurus estão mesas, como se estivéssemos num parque de merendas, e é para lá que se dirige. “Podemos até almoçar dinossauros”, diz confiante. “Não só galinha, que é um dinossauro evoluído, como teremos nuggets em forma de dinossauro.”

Continuemos o percurso. Afinal, esta é só uma das 18 espécies de animais do Jurássico (entre há  200 milhões a 145 milhões de anos) no parque. Nem precisamos de andar muito para Simão Mateus avisar: “Está ali o ícone da Lourinhã, o Lourinhanosaurus antunesi.” Apoia-se em duas pernas, é mais pequeno do que o Lourinhasaurus alenquerensis e está tão perto de nós que até nos apetece cumprimentar a sua mão com três dedos. Mas é preciso cuidado, ele usava-as para agarrar presas. E os dentes afiados não são um sorriso inocente, eram usados para cortar carne.

PÚBLICO -
Foto
Simão Mateus, director científico do parque Nuno Ferreira Santos

Baptizado com este nome em 1998 pelo paleontólogo Octávio Mateus, é o “dono” de um dos maiores ninhos de ovos de dinossauros do mundo do Jurássico. Foi em 1993 na praia de Paimogo (Lourinhã) que Isabel e Horácio Mateus, paleontólogos amadores (pais de Simão e Octávio Mateus), descobriram pedaços de cascas de dinossauros. “A minha irmã ficou com vontade de fazer chichi, escolheu um sítio e a minha mãe ajudou-a. É quando se baixa que viu uma casca”, recorda Simão Mateus. A descoberta foi anunciada em 1997. Nesse ninho havia mais de uma centena de ovos, assim como embriões. “Foi considerada uma das descobertas científicas do ano.”

É também nos anos 90 que a ideia do parque nasceu. “A minha mãe começou a pensar no primeiro parque museológico da Lourinhã quando estava no Jardim das Plantas [em Paris] ao lado da galeria dos dinossauros”, conta Simão Mateus. Depois, seguiram-se vários projectos. Um deles chegou a ser apadrinhado por José Mariano Gago, quando era ministro da Ciência e Tecnologia do governo de António Guterres.

Chegou-se então ao Dino Parque, uma empresa com um financiamento inicial de 3,5 milhões de euros oriundos da empresa alemã Dinosaurier-Park International (que gere o Dino Parque de Münchehagen, na Alemanha, por exemplo) e de fundos comunitários. Tem cerca de 30 funcionários. O Museu da Lourinhã é o responsável pela parte científica e o município da Lourinhã concessionou os terrenos.

Fósseis originais no parque

Entretanto, Simão Mateus aponta para outro dinossauro. Tem um ar divertido e parece que nos olha fixamente. “Este é um grandalhão anão de três metros”, diz com mistério. Logo percebemos que há aqui uma história com milhões de anos. Em 1998, o alemão Holger Lüdtke descobriu os ossos numa pedreira na Alemanha. Mais tarde, quando Octávio Mateus foi a um congresso no Dino Parque de Münchehagen viu os ossos e participou na sua descrição. Acabou por baptizá-lo de Europasaurus holgeri. E por que era anão? No Jurássico Superior, toda a Europa era um arquipélago e, devido inexistência de recursos, os europassauros tiveram de se adaptar a tamanhos mais pequenos.

Depois, responsáveis do parque alemão acabaram por vir à Lourinhã e perceberam que este seria um bom sítio para um parque de dinossauros. “Há área, tem a presença de dinossauros e está próximo da capital”, frisa Simão Mateus. Foi onde se criou então o parque inspirado no alemão. Agora, há europassauros em parques da Alemanha e de Portugal.

O parque português entrou agora em acção. E há uma cena até mais “impiedosa”. Ao virar de uma esquina vemos um Allosaurus europaeus, o predador mais comum do Jurássico, e repleto de placas osteodermes (tem partes queratinosas e ósseas) a caçar um corpulento estegossauro, um herbívoro com mais de quatro toneladas. Aqui nem os seus bem visíveis espinhos no final da cauda lhe serviram de defesa. A ver este cenário estão três crias do alossauro. “Chamam-se Rita, João e Pedro, os nomes dos coordenadores de turno de loja”, ri-se Simão Mateus. “É uma brincadeira, porque no dia em que chegaram deixei-os montar os dinossauros.” Olha-os e, divertido, diz: “Espero que não nasçam mais...”

PÚBLICO -
Foto
Nuno Ferreira Santos

Mas o parque não é só sobre o Jurássico. Tem dez hectares e três quilómetros de percursos. Logo no início temos uma linha cronológica com eras e períodos geológicos. A escolha dos percursos é feita pelos visitantes numa rotunda com uma ilha no meio. É daqui que saem os quatro percursos: um da era Paleozóica (há 540 milhões e 250 milhões de anos), que tem os períodos Devónico, Carbónico e Pérmico; o segundo com o Triásico (há 250 milhões e 200 milhões de anos); o terceiro com o Jurássico; e o quarto com o Cretácico (há 145 milhões e 65 milhões de anos).

Depois, é só andar e observar répteis voadores, dinossauros com penas ou até, num cantinho, o Archaeopteryx. E, pode dizer-se, temos uma vista única para a história evolutiva, estamos no Jurássico e já avistamos o Cretácico. Quantas horas são necessárias para ver o parque? “Calculamos que três”, nota Simão Mateus.

Além do espaço para lanches, há sítios para escavar fósseis ou para pintar dinossauros. Há uma loja e restauração. Até aos três anos, a entrada é gratuita; até aos 12 anos o bilhete custa 9,5 euros; e a partir dos 13 anos é 12,5 euros. Depois, há visitas guiadas para escolas e grupos (mais de 25 pessoas) com descontos. “Esperamos cerca de 200 mil visitas por ano. Nesta altura, já temos 16.500 bilhetes [reservados] para alunos”, destaca Simão Mateus.

Depois, fala do espaço museológico do parque, logo depois da entrada. Neste espaço, há ilustrações e dinossauros que não estão à solta mas expostos como nos museus. Olha-se em volta e podemos encontrar algumas das descobertas mais importantes da Lourinhã: uma pegada original de um Torvosaurus; alguns dos famosos ovos do Lourinhanosaurus descobertos na praia de Paimogo; um ovo de crocodilo mais antigo do mundo (o Krokolithes dinophilus) encontrado na mesma praia; o braço direito do Zby atlanticus, um dinossauro herbívoro encontrado na Lourinhã; e réplicas e fósseis do Miragaia longicollum, um dinossauro com placas no dorso e espinhos na cauda. Estas peças vieram do Museu da Lourinhã, agora reestruturado. O parque torna-se assim uma extensão do museu.

PÚBLICO -
Foto
Nuno Ferreira Santos

“Em Portugal, somos dos poucos países com um mestrado em paleontologia”, diz Simão Mateus a olhar para o Laboratório de Paleontologia, mesmo em frente à exposição. Aqui “far-se-á” ciência. Num “placard” em frente ao laboratório estão alguns dos utensílios dos paleontólogos: as botas de biqueira de aço, martelos ou cinzéis. Octávio Mateus conhece-os bem. “Nasci num ninho de dinossauros”, diz a sorrir. “Como os meus pais andavam nisto, desde muito cedo que andava a escavar.” O seu primeiro achado de um dinossauro foi aos nove anos: era um dente de um Torvosaurus. Desde então já descobriu fósseis de vários dinossauros, em Portugal ou fora do país, classificou-os, descreveu-os e tornou-os famosos.

“Do ponto de vista pessoal e familiar, [o Dino Parque] é um sonho”, afirma de forma expressiva. “Também é uma satisfação ver que a ciência serve de motor da economia. E não é uma ciência qualquer, é a ciência portuguesa: expomos os nossos dinossauros. Fazíamos questão que o Dino Parque tivesse dinossauros de Portugal. Assim, contamos a nossa história.”

Uma porta de entrada na vila

O Dino Parque fica na aldeia da Abelheira, a seis quilómetros da vila da Lourinhã. E é fácil encontrá-lo. No cimo da entrada há logo um Supersaurus de pescoço longo, com cerca de 25 metros de comprimento, que mostra logo quem manda ali: os dinossauros.

PÚBLICO -
Foto
Na entrada do parque Nuno Ferreira Santos

Na vila não se deixou de dar as boas-vindas ao parque. Na montra da loja Pereira & Nobre, que vende materiais de construção e ferragens, há a figura de um dinossauro com quase um metro. Por baixo, vê-se um ninho com ovos e canecas, T-shirts e uma ilustração (tudo com dinossauros). “Quisemos também fazer a nossa parte, já que acreditamos no projecto”, diz Manuela Nobre, gestora financeira da casa e se avizinha quando nos vê a observar a montra.

“É parecido com o Lourinhanosaurus antunesi, que foi descoberto cá”, diz sem hesitações. É escuteira e, nos anos 90, quando se começou realmente a falar nos dinossauros da Lourinhã, foi ao museu, que fica ali ao lado no centro da vila, perguntar se não lhe arranjavam um dinossauro. Agora até é irónico: foi no pinhal onde está o Dino Parque que acampou e fez um jogo com os escuteiros nessa altura. Tinham de encontrar as peças deste dinossauro.

“Estamos muito curiosos com o parque. Tinha-se receio porque não ficou no centro da vila e as pessoas podiam não vir aqui. Mas agora acho que está bem enquadrado na vegetação.” E avisa que a Lourinhã não tem só dinossauros. Manuela Nobre conhece bem o concelho em que nasceu: “Há muitas coisas valiosas. Mas os dinossauros são a porta de entrada na Lourinhã.” Por algum motivo os festeja na sua montra.