Um dinossauro (da Lourinhã) chamado Zby

Chama-se Zby atlanticus, em homenagem ao paleontólogo russo Georges Zbyszewski (1909-1999), que fez de Portugal o seu país.

Escavação do dinossauro <i>Zby atlanticus</i>, na praia Vale Pombas, na região da Lourinhã
Escavação do dinossauro Zby atlanticus, na praia Vale Pombas, na região da Lourinhã DR
Outro aspecto da escavação do dinossauro
Outro aspecto da escavação do dinossauro DR
Vista da arriba onde estavam os ossos fossilizados do dinossauro
Vista da arriba onde estavam os ossos fossilizados do dinossauro DR
Ossos de uma pata dianteira com o respectivo desenho
Ossos de uma pata dianteira com o respectivo desenho Octávio Mateus
Os ossos encontrados e a sua respectiva localização no animal
Os ossos encontrados e a sua respectiva localização no animal Simão Mateus
Fotogaleria

Era herbívoro, tinha o pescoço comprido, andava em quatro patas e viveu há cerca de 150 milhões de anos na região actualmente conhecida como Lourinhã. Os primeiros vestígios da sua existência – ossos fossilizados – foram descobertos em 1996 na praia de Vale Pombas, perto da localidade de Paimogo, pelo paleontólogo Octávio Mateus, do Museu da Lourinhã e da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa. Entre 1996 e 2002, escavaram-se vários vestígios do bicho, como ossos de uma pata dianteira, da cauda e um dente. E, agora, esse material foi identificado como sendo de um animal novo para a ciência.

A revelação do dinossauro, de um género e espécie até aqui desconhecidos, está na revista científica Journal of Vertebrate Paleontology, num artigo de Octávio Mateus e dos paleontólogos britânicos Philip Mannion e Paul Upchurch, respectivamente do Imperial College e do University College, em Londres.

Este dinossauro herbívoro quadrúpede (um saurópode) foi classificado dentro do grupo dos turiassauros, inicialmente descobertos em Espanha. Enquanto outros saurópodes portugueses já descritos para o mesmo período geológico (Jurássico Superior) eram próximos do ponto de vista evolutivo dos dinossauros da mesma altura na América do Norte, os turiassauros parecem ter-se restringido à Europa, lê-se no resumo do artigo científico.

“Os turiassauros, originários da Península Ibérica, que na altura era uma ilha, eram dinossauros herbívoros de pescoço longo, mas de dentes mais largos do que a maioria dos outros saurópodes”, refere por sua vez um comunicado, desta terça-feira, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

A princípio, os cientistas pensaram que os ossos eram do mesmo género de um dinossauro encontrado em Teruel, Espanha – o Turiasaurus. Mas a sua análise permitiu concluir que, afinal, estavam na presença de uma espécie e de um género diferentes, segundo as diferenças anatómicas observadas nos ossos da pata.

Por isso, a equipa escolheu um novo nome científico para o dinossauro: Zby atlanticus. O género (Zby) é uma homenagem ao paleontólogo Georges Zbyszewski, que nasceu em 1909 na Rússia e morreu em 1999, aos 89 anos, em Lisboa. Era carinhosamente tratado por todos apenas por Zby. Veio para Portugal em 1935 e foi cá que dedicou a vida ao estudo da geologia e dos fósseis, nos Serviços Geológicos. Em 1957, ele e o abade francês Albert de Lapparent publicaram o livro Os Dinossauros de Portugal, obra de referência no estudo da presença destes animais no território português.

Já o nome que remete para a espécie (atlanticus) está relacionado com o sítio da descoberta dos fósseis: “A localidade de Paimogo tem uma vista cénica para o Atlântico e foi a formação deste oceano que influenciou a existência de tantos dinossauros em Portugal”, lê-se nos comunicados da faculdade e do Museu da Lourinhã.

Olhando para as fotografias das escavações dos ossos, o tamanho do dinossauro era, no mínimo, impressionante. “Era um saurópode de grandes dimensões. Se estivesse completo, estima-se que tivesse 18 a 19 metros de comprimento”, diz um dos comunicados. Enquanto os seus ossos estão no Museu da Lourinhã, cá fora, na parede da rua, os visitantes e os transeuntes são recebidos por uma réplica de uma das suas patas da frente. Os seus quatro metros de comprimento, com que nos podemos comparar, dão bem a ideia da dimensão deste dinossauro chamado Zby.