Os chefs vão às aldeias: Festival Arrebita aposta na gastronomia local e chega a Idanha

Na ementa, há estrelas Michelin como Rui Paula, Avillez ou Óscar Geadas. São 25 chefs de todo o país a caminho de Penha Garcia e da aldeia histórica de Idanha-a-Velha: um festival gastronómico ao ar livre para “arrebitar” a 3 e 4 de Outubro.

festival,idanhaanova,alimentacao,gastronomia,fugas,turismo,
Fotogaleria
O percurso até ao local onde estarão os chefs em Penha Garcia Paulo Barata
festival,idanhaanova,alimentacao,gastronomia,fugas,turismo,
Fotogaleria
José Avillez vai cozinhar a tradicional perdiz de escabeche
,Restaurante
Fotogaleria
Rui Paula Nelson Garrido
Pedro Lima
Fotogaleria
Os irmãos Geadas Nelson Garrido

Depois de terem “arrebitado” Portimão, em Agosto, vários chefs portugueses responderam ao novo desafio da Amuse Bouche e aceitaram “arrebitar” o concelho de Idanha-a-Nova no fim-de-semana de 3 e 4 de Outubro. Dois nomes já anunciados são o de José Avillez, do restaurante Belcanto, no Chiado, em Lisboa, com duas estrelas Michelin, e o de Alexandre Silva, do Loco (uma estrela) e do Fogo. 

A Avillez e Alexandre juntar-se-ão mais 23 cozinheiros que irão trabalhar, em Penha Garcia (dia 3) e Idanha-a-Velha (dia 4), utilizando os melhores produtos biológicos produzidos na região, que tem apostado muito neste modelo de produção. A entrada é gratuita para os dois dias do evento – um em cada uma das aldeias.

Foto
Paulo Barata

Alguns dos chefs participam pela primeira vez num evento da Amuse Bouche (que organiza também o Sangue na Guelra). Do Porto virão Rui Paula (duas estrelas Michelin, com a Casa de Chá da Boa Nova), mas também Rui Martins do Paparico e João Cura, do Almeja. De Lisboa, Marlene Vieira, que inaugurou este Verão o seu Zunzum junto à estação de Santa Apolónia, João Sá, do Sála, e André Fernandes do Attla. De outras zonas do país, chegam José Júlio Vintém (TombaLobos, Portalegre) ou Óscar Geadas (do G, em Bragança, que conquistou uma estrela Michelin). E ainda o carismático padeiro Mário Rolando, que vai fazer pão no forno comunitário de Idanha-a-Velha.

Será numa “paisagem incrível” que os visitantes encontrarão os chefs a cozinhar, diz  o director do festival, Paulo Barata, da Amuse Bouche​. Em Penha Garcia, estarão junto aos restaurados moinhos de água, localizados nas margens do rio Pônsul, onde no passado se produzia a farinha de trigo e de centeio e que hoje integram a Rota dos Fósseis, um dos vários percursos pedestres do Geopark Naturtejo. E em Idanha-a-Velha, uma das doze Aldeias Históricas de Portugal, espalhar-se-ão pelo cenário de ruas estreitas e ruínas romanas.

Cada Arrebita – a ideia é vir a realizar mais noutros pontos do país – é diferente, sublinha o responsável pelo festival. Se em Portimão houve uma “invasão” das lojas, a partir das quais foi servida a comida, em Idanha o desafio é outro: desta vez, a estrela será a natureza, o que permitirá às pessoas espalharem-se por uma grande área, mantendo com facilidade todo o distanciamento social recomendado, e provar a cozinha dos chefs junto a uma cascata ou sentados numa rocha. Todos os participantes, dos cozinheiros à equipa de apoio, foram previamente sujeitos a um teste à covid-19.

Não existe, refere ainda Paulo Barata, risco de aglomeração com a população local porque o parque de Penha Garcia não tem habitantes e em Idanha-a-Velha há 40 residentes. Contudo, o organizador faz questão de envolver sempre nestes eventos os locais, pelo que enquanto num ponto do percurso poderemos encontrar José Avillez a cozinhar a tradicional perdiz de escabeche, noutro será possível ter o sr. Domingos, que ajudou a restaurar os moinhos de água, a preparar uma sopa de grão. Da mesma forma, a “a dona Beatriz vai acender o forno comunitário e o sr. Vítor vai arranjar a esteva e a lenha” para garantir um bom fogo, essencial para que a comida saia sempre a bom ritmo. 

Sugerir correcção