Reportagem em Bragança

Uma estrela dos Geadas para os Geadas

Óscar Gonçalves levou uma estrela Michelin para Bragança. O seu restaurante G é uma história de família que começou numa viela onde praticamente nunca entrava o sol.

Fotogaleria
Óscar e António Gonçalves André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues

Sol Neve, Rua da Corujeira, Vinhais. "Abrimos o snack onde fazíamos os petiscos todos: os rins de vitela, as moelas, a posta, as costeletas e a feijoada. Éramos novinhos os dois", conta Iracema. "Namoriscávamos e montámos um espaço com um balcão e 13 bancos. E a vida começou", acrescenta Adérito. Ela tinha 20 anos, ele 22. "Ficava numa viela em que praticamente nunca entrava o sol. Era muito frio lá dentro. Por isso puseram Geadas ao meu marido. E ficou." Geadas é hoje quase o nome da família Gonçalves, berço de uma estrela Michelin, um título que é quase mais um elemento do clã de Bragança.

Iracema teve o Óscar aos 20 anos. "Aos cinco anos ele virava uma grade de cerveja ao contrário para chegar ao balcão e para tirar cafés." Estiveram no snack da viela meia dúzia de anos. Mudaram-se depois para o verdadeiro Geadas, placa na porta. Primeiro era só a porta de cima. Passado uns anos ampliou para o andar de baixo, transformando-se numa referência da comida tradicional, sempre com peixe fresco grelhado, cozido ou assado no forno, sempre com perdiz, arroz de lebre, cabrito assado ao domingo e posta.

PÚBLICO -
Foto
Iracema e Adérito e o projecto Geadas André Rodrigues

Adérito, natural de Carção, terra ligada ao comércio desde tempos muito antigos — muitos dos seus habitantes são descendentes de judeus que se refugiaram no século XV nas aldeias raianas —, fez a instrução primária e foi trabalhar para a Pousada de Bragança. Trabalhavam lá três de sete irmãos. "O meu pai era almocreve e emigrou para a Alemanha. Um dia disse 'ficam todos com a quarta classe e cada um faz-se à vida'." O primeiro serviço que fez foi carregar malas. "Só não servi o Salazar", lembra. Ficou na Pousada sensivelmente 15 anos. Cumpriu serviço militar e voltou para se dedicar aos negócios de família. "O tempo passa rápido", comenta à Fugas enquanto esperamos pelos irmãos Geadas, a caminho de Bragança e com uma jaleca branca com o símbolo Michelin bordado.

"É para juntar ao babygrow dos meus filhos [a Joana tem oito anos, o João faz um ano no dia 29]", diz Óscar mal chega à sala de estar da Pousada e a caminho da cozinha do G onde há serviço para despachar. Raptamo-lo no fim do trabalho. "Foi como quando uma pessoa é pai, um misto de emoções. Será que vamos ser capazes? Será que vamos criar bem? Uma estrela é como um filho, uma pessoa ganha-a e depois tem que a alimentar e criar", explica, dedicando a distinção aos pais, "que sempre foram pessoas batalhadoras e que toda a vida trabalharam na hotelaria". "Ensinaram-nos tudo o que sabemos. É um agradecimento para eles", sublinhou, emocionado. "Nós vimos de uma família humilde. Crescemos no meio dos pratos. Até aos seis anos fui criado com os meus avós na aldeia, o meu irmão foi criado pelos padrinhos. A nossa casa era o local de trabalho deles. O nosso ambiente era entre pratos, panelas e tigelas. Tudo começou a 400 metros [no Geadas]. E tudo começou nesta casa [Pousada de Bragança] com o meu pai que veio para cá como bagageiro. Quarenta anos depois, os filhos vieram para a casa onde ele aprendeu. É uma estrela da família para a família."

PÚBLICO -
Foto
Óscar chegou de Lisboa e saltou para a cozinha do G André Rodrigues

Óscar, o cozinheiro, António, o todo-o-terreno

"Nasceram os dois nisto", confirma Iracema. Foi um "longo trabalho", sublinha António, o irmão dez anos mais novo (tem 32 anos), formado em Gestão Hoteleira e Turismo e uma espécie de anfíbio dos Geadas. "Queria o máximo de conhecimento para depois fazer acontecer, para treinar as pessoas que trabalham connosco, para dividir ideias e discuti-las com o meu irmão", refere o gestor da Pousada de São Bartolomeu, pertencente ao grupo Pousadas de Portugal, e que curiosamente partilhou alguns mestres (João Rodrigues, chef do Feitoria, e Vincent Farges na Fortaleza do Guincho) com o irmão Óscar. "Há aqui um profundo trabalho de família. Eu e o meu irmão trabalhamos desde muito, muito novos. A minha mãe estava a trabalhar e juntava duas cadeiras onde nós dormíamos." No resto, durante alguns anos António e Óscar chegaram a ser donos de parte da ementa do Geadas antes de assumirem por inteiro e perante os pais a responsabilidade da Pousada. António ficou com a gestão e a operação da sala ("cozinho nas horas vagas"). Óscar ficou com a cozinha — que por razões estratégicas não serve almoços. "Muitas bases de receitas são do compêndio tradicional. Esse é o nosso mote, toda uma intelectualização da cozinha tradicional. Paramos para pensar", explica António Gonçalves, o todo-o-terreno.

A primeira coisa que Óscar se lembra de ter cozinhado foram "umas moelas". Tinha 12 anos. "Os meus avós, primos e tios andavam à carreja [juntar o feno] e eu levava uma panela vermelha embrulhada em papel de alumínio e um 'rodilho' e um saquito da merenda com o pão", recorda o chef, que assume ter sido "um cábula" durante a juventude. "Estive três anos a passear no Porto [em Engenharia Ambiental]", admite. O pai chamou-o à atenção e, depois de mais algumas tentativas frustradas em Vila Real e em Bragança, acabou por vingar em Gestão e Produção de Cozinha em Mirandela, um curso entretanto extinto. 

PÚBLICO -
Foto
André Rodrigues

Para além de João Rodrigues e de Vincent Farges, Óscar Gonçalves, que não quer ser tratado por chef, menciona outros "amigos da casa" como Vítor Matos e Leonel Pereira, sublinha a importância da sua jovem equipa na cozinha ("a dona Isabel, mais experiente, a Raquel, da Escola do Mar dos Açores, o Fábio e o Félix, ambos da Escola de Hotelaria e Turismo do Douro de Lamego, e o André, descendente de transmontanos) e destaca o papel da esposa Goreti nesta equação. "Quem perde é a família. Tenho sorte de ter a mulher que tenho porque eu sou um pai ausente. Ainda hoje cheguei e não os vi. A minha filha queria o carinho do pai, como é normal. Uma pessoa passa os dias a trabalhar. Quando chego a casa estão a dormir, de manhã levantam-se para ir para a escola e uma pessoa está a dormir. Muitas vezes chego a casa cansado e a minha mulher não os deixa ir para o pé de mim para eu poder descansar. Férias é o mínimo... É complicado. Isto não é uma profissão, é um modo de vida."

"Quando lhe perguntei se queria ir para hotelaria", recorda Adérito, "disse-me que não, porque via que era um sacrifício muito grande. Disse-me que eu nem me sentava à mesa com ele, que não fazia uma refeição com a família. Vinha o Natal e eu tinha que ter o restaurante aberto." A estrela Michelin, diz, é "uma carreira de 40 anos". São os produtos de excelência que se repetem nas cozinhas do G e do Geadas. "As cozinhas são diferentes, mas os produtos são os mesmos", aponta Iracema, que experimenta poucas experiências do chef Óscar. "Para nós cozinha pouco. Ele gosta é que eu cozinhe para ele [risos] feijoadas, ranchos... ele gosta muito disso." O pai Adérito, estrelas à parte, também não tem dúvidas. "Gosto, mas gosto mais de comer a comida da mãe [risos]."

PÚBLICO -
Foto
A jovem equipa do restaurante G André Rodrigues

Pela mesa, num dia com ritmos invulgares, vão desfilando alguns dos vinhos da carta de trinta páginas em sintonia com ossobuco e cogumelos, carabineiro, trigo, salpicão de porco bísaro e curgete e arroz doce, limão e pinheiro. O elemento transmontano é essencial. "Conseguirmos fazer algum prato como o da avó de alguém é de um elogio tremendo", diz Óscar, que pretende assinar os pratos com "sabor, registo e identidade". "Cozinha portuguesa", sublinha, justificando. "Porque temos tantos sabores da terra, desde os legumes, as frutas, a hortaliça, a tubérculos, as raças autóctones e o melhor peixe do mundo. Para quê inventar? Tendo bons produtos, basta não estragar, dar o tempo certo de cozedura e servir ao cliente. Temos a carne mirandesa, o cordeiro bragançano, a nossa batata e a nossa castanha que sabe a batata e a castanha."

A estrela Michelin caiu do céu — também para a região. "Para Trás-os-Montes", diz o chef, "é um alento". "O interior está esquecido. No mapa de Espanha há estrelas em aldeias com 30/40 habitantes e em sítios que no período de Inverno só são acessíveis de jipe. Os inspectores abriram um pouco o leque e saíram da A1. Tenho pena de não termos sido dez." Nas palavras do irmão mais velho, em Bragança "há dois tolinhos" que contrariaram a lógica. "Vamos ficar e ver o que isto dá. Acreditamos na nossa terra."

PÚBLICO -
Foto
André Rodrigues
PÚBLICO -
Foto
André Rodrigues