Coronavírus: como ajudar os nossos pequenos negócios a sobreviver? Estas plataformas dão uma mão

Várias iniciativas surgiram nas últimas semanas para mitigar o impacto que a covid-19 e o encerramento dos espaços estão a causar na economia. Dão visibilidade online a pequenos negócios, listam quem faz entregas e disponibilizam plataformas onde oferecer vouchers e outros serviços. Para apoiar as empresas que lutam pela sobrevivência.

Foto
Paulo Pimenta

Na minha comunidade

Nasceu no início de Abril e agrega informação sobre empresas que estejam a fazer entregas ao domicílio, permitindo pesquisar por área de residência. Os serviços disponíveis são já mais de 100 e integram negócios no sector da alimentação e bebidas, mas também ensino, animais, entretenimento, limpeza, ourivesaria, mobiliário, entre outros.

A ideia de criar o projecto surgiu depois de Patrícia Rodrigues notar que existiam “demasiados pedidos, nas redes sociais, de pessoas que não queriam sair de casa” e que queriam “saber quais os serviços que estavam abertos e que poderiam entregar em casa”, conta a mentora da iniciativa à agência Lusa.

Para Patrícia Rodrigues, designer gráfica, esta é também uma forma de ajudar os negócios que se tiveram de reinventar perante o fecho de portas exigido pelo Governo como forma de prevenção contra a covid-19. “Achei que seria muito produtivo ter um portal que pudesse divulgar o maior número possível de comerciantes que estão em funcionamento, porque a economia não pode parar”, realça.

No portal, é possível pesquisar por categoria de serviço e concelho de residência. As empresas inscritas com base na pesquisa surgem de seguida, com indicação de produtos, morada, contactos, prazos de encomenda e outras informações. Para inscrever um negócio na plataforma, basta preencher o formulário no site ou por e-mail.

PÚBLICO -
Foto

Go Small or Stay Home

Mercearias, padarias, garrafeiras, talhos, peixarias, cafés, restaurantes, lojas de animais, lavandarias. Este directório partilha os “pequenos negócios locais onde podes e deves (com os devidos cuidados) procurar alimentos frescos e mantimentos para continuares saudável durante as próximas semanas”, lia-se no site. “Merecem o nosso apoio – agora e daqui em diante.”

A iniciativa Go Small or Stay Home consiste numa base de dados, publicada num formato de listagem simples, semelhante a uma folha de cálculo, onde é possível filtrar a enorme quantidade de entradas por tipo de estabelecimento, morada, cidade, entre outros dados.

Para que a lista continue a crescer, basta que quem conheça o bairro onde mora “como a palma da mão” insira os dados dos pequenos negócios que recomenda. As submissões “são totalmente anónimas e não é necessária qualquer autenticação para contribuir”, sendo garantido que os “dados não serão usados para fins comerciais”.

“Qualquer negócio tem o direito de solicitar a retirada da informação referente ao seu negócio. Serão eliminadas todas as entradas que constituam spam ou que tenham carácter promocional fora do âmbito do projecto”, acrescentam. Site

PÚBLICO -
Foto

Quietinho em Casa

A dificuldade em manter pais e avós em casa a cumprir o isolamento social imposto como forma de prevenção face ao surto de covid-19 levou um grupo de amigos a desenvolver a plataforma Quietinho em Casa.

Por esse motivo, a plataforma não só reúne um catálogo de serviços e empresas com entregas ao domicílio como demonstra como navegar o site de cada negócio e fazer a compra dos serviços desejados com tutoriais publicados nos diferentes canais do projecto.

“O momento que estamos a viver é de grande preocupação para todos e o nosso maior receio prende-se com a dificuldade que os nossos pais e avós têm em cumprir o isolamento social. Foi dessa preocupação que surgiu a ideia de encontrar uma solução que trouxesse a conveniência das compras online para todas as gerações, com a mesma facilidade”, referem em comunicado.

Para além de procurar “ajudar a sociedade a adaptar-se à nova realidade”, a iniciativa, integrada no movimento tech4covid, pretende “dar visibilidade e apoio aos pequenos comerciantes”, uma vez que estes “são mais susceptíveis a serem impactados negativamente com esta crise”.

Neste momento, existe já mais de uma centena de empresas no directório da Quietinho em Casa, incluindo restaurantes, farmácias, supermercados, combustível e iniciativas de voluntariado. Para inscrever novos negócios na plataforma basta preencher o formulário disponível no site ou enviar e-mail. Site

PÚBLICO -
Foto

Hora de Encomendar

Foi criada por iniciativa de um grupo de cidadãos para listar “todos os pequenos e médios fornecedores que estão activamente a entregar encomendas”, dada a ruptura e demora dos principais sites de supermercados. Começou por ser uma lista em formato Google Sheet, mas desde 9 de Abril que se transformou numa plataforma “mais intuitiva”, para tornar “ainda mais fácil” encomendar os produtos desejados, anunciam nas redes sociais.

É uma lista exaustiva, que inclui serviços de entrega de frutas e legumes, artigos de mercearia, padaria, pastelaria ou peixaria, mas também flores, vinhos, carnes ou refeições prontas, entre outros. É possível filtrar a listagem por distrito, tipo de fornecedor e intervalo de preços.

Para registar um negócio na plataforma basta preencher um formulário no site.

PÚBLICO -
Foto

Compre aos Pequenos

São várias as empresas a procurar alternativas para continuar a funcionar, como entrega ao domicílio, masterclasses online ou vouchers. O #CompraAosPequenos pretende ajudar a partilhar e organizar a informação para “apoiar os pequenos negócios e empreendedores portugueses que se debatem pela subsistência durante a crise actual de saúde pública”.

A iniciativa foi criada pela Menos Hub, uma comunidade que trabalha diariamente com “negócios individuais ou familiares de pequena dimensão que trabalham muito, todos os dias, para sobreviver”, contava João Duarte, o fundador da Menos Hub, ao PÚBLICO em meados de Março, quando a plataforma digital ainda estava a ser construída.

Actualmente, a Compra aos Pequenos agrega mais de 250 empresas, localizadas um pouco por todo o país, e que estão neste momento a fazer entregas ao domicílio ou com serviço de take away, a oferecer produtos digitais, serviços remotos (na área do ensino, por exemplo) ou vouchers

“São estes pequenos negócios que estão a sofrer mais com a situação que vivemos hoje e que, a cada dia que passa, ameaça a sua sobrevivência. A pequena economia de amanhã depende de nós hoje”, sublinha, então, o fundador. Site

PÚBLICO -
Foto

Preserve

É o mais recente projecto criado pela comunidade tech4COVID19, lançado a 6 de Abril, e tem como objectivo “ajudar a contrariar as quebras de receita dos negócios locais por todo o país, causadas pelo encerramento de forma a evitar a propagação do Covid-19”, anuncia em comunicado.

A plataforma permite que os mais variados estabelecimentos vendam vouchers online, que poderão ser utilizados pelos clientes quando os negócios voltarem ao seu normal funcionamento. Dessa forma, as empresas passam a dispor de “receitas imediatas”, “ajudando no pagamento de salários, fornecedores e outros encargos, que estão, neste momento, em risco”.

O pagamento dos vouchers é feito através da Instituição de Pagamento euPago que, adiantam, “rescindiu de parte das suas comissões, para que as empresas recebam a totalidade do valor, sem quaisquer taxas adicionais”.

“A pandemia e a situação de emergência que hoje vivemos está a ser particularmente difícil para negócios locais, principalmente nos sectores de hotelaria e restauração.” Por isso, “a Preserve surge com o objectivo de possibilitar a transmissão de energia de uma comunidade pronta a ajudar quem mais precisa”, afirma Ricardo Gonçalves, coordenador do projecto, em comunicado. Site

PÚBLICO -
Foto

Compre Agora, Ganhe depois” [Cascais]

No âmbito das medidas adoptadas para fazer face à pandemia Covid-19, a Câmara Municipal de Cascais apresentou a aplicação móvel “Compre Agora, Ganhe Depois”. O objectivo é “dar liquidez às empresas” e “salvar empregos”, através da promoção da “venda de vouchers que podem ser utilizados quando os estabelecimentos reabrirem ao público.” Faz assim a ligação entre os estabelecimentos comerciais e as pessoas de forma a apoiar o comércio local.

A app foi desenvolvida em parceria com a Agência Municipal DNA Cascais-Comércio e Empreendedorismo, o CEIIA, Pagaqui, AECC – Associação Empresarial do Concelho de Cascais e a Nova SBE e está disponível para Android e Iphone. No que toca às transacções, estas são asseguradas pela empresa Pagaqui, que disponibiliza os seus terminais de pagamento. Os consumidores podem pagar com crédito ou débito.

Os comerciantes que queiram fazer parte do projecto, podem inscrever-se no site e registar o seu negócio.