Torne-se perito

CTT suspendem encerramento de balcões e vão reabrir alguns

João Bento afirma na Assembleia da República que a nova prioridade dos CTT é a aproximação aos clientes.

CTT Correios de Portugal, SA
Foto
Nelson Garrido

O presidente dos CTT, João Bento, afirmou esta quarta-feira no Parlamento que a empresa não vai encerrar mais balcões e que vai reabrir alguns.

“A minha primeira prioridade é a aproximação dos CTT aos nossos clientes e os nossos clientes são o povo português”, começou por referir João Bento, dizendo de seguida que “está decidido que não vai haver mais encerramentos de lojas”.

“Quantas lojas vão ser encerradas? Zero. Nenhuma loja vai ser fechada”, reiterou João Bento em resposta a um conjunto de questões colocadas pelo PS durante uma audição no Parlamento, em Lisboa, sobre o número de concelhos sem estações dos CTT e qual o número de encerramentos previsto para 2019 e 2020.

O presidente dos CTT disse haver apenas um balcão sobre o qual persistem dúvidas pelo facto de haver um município e uma freguesia muito empenhados em ocupar o espaço dos CTT.

“Esta será a única excepção a esta decisão de não fazer mais encerramentos”, referiu João Bento, para assinalar que esse desfecho está dependente de se conseguir chegar a acordo com o município em causa.

O gestor acrescentou que não só está decidido não encerrar mais lojas, como também se vai avançar com o processo de reabertura de algumas lojas fechadas.

João Bento esteve a ser ouvido em comissão parlamentar a propósito de uma petição pública de trabalhadores dos CTT para que o Estado entre no capital daquela empresa privada.

O gestor assumiu a presidência executiva dos CTT a 22 de Maio, 12 dias depois de Francisco de Lacerda ter anunciado a sua renúncia com vários dossiers em mãos, entre os quais os decrescentes indicadores de qualidade da rede.

A 10 de Maio, a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) considerou que os CTT voltaram a falhar indicadores de qualidade em 2018, o que levou a que 6,5 milhões de cartas chegassem ao destino demasiado tarde.

Sugerir correcção