Torne-se perito

Anacom reduz preços dos CTT por incumprimento na qualidade de serviço

Regulador diz que a empresa incumpriu dois indicadores em 2018 e destaca que é o terceiro ano consecutivo em que há falhas nas metas de qualidade de serviço.

Cadete de Matos decidiu cortar os preços dos CTT na véspera da renúncia de Francisco Lacerda
Foto
Cadete de Matos decidiu cortar os preços dos CTT na véspera da renúncia de Francisco Lacerda daniel rocha

A Anacom anunciou esta sexta-feira que os CTT incumpriram em 2018 com dois indicadores de qualidade do serviço postal universal e que, por isso, quer voltar a cortar os preços que a empresa pode cobrar pela prestação dos serviços.

Tendo em conta que as regras de actualização de preços permitiam este ano à empresa uma “variação máxima admissível” de 1,15%, “a variação média ponderada dos preços do cabaz de serviços de correspondências, encomendas e correio editorial não poderá ultrapassar os 1,065%”, revelou a Anacom, num comunicado divulgado minutos depois do anúncio de renúncia de Francisco Lacerda ao cargo de presidente dos CTT. A decisão preliminar da Anacom sobre os preços foi tomada na quinta-feira (ontem, dia 9 de Maio) e a empresa tem 15 dias úteis para pronunciar-se.

A penalização representa uma dedução de 0,085 pontos percentuais e “decorre da aplicação do mecanismo de compensação, que tem lugar quando não são cumpridos os indicadores de qualidade do serviço postal universal”, explicou a Anacom.

Segundo a entidade liderada por João Cadete de Matos, os dois indicadores de qualidade do serviço postal universal que os CTT não cumpriram em 2018 traduziram-se na demora de encaminhamento no correio azul no Continente e demora no encaminhamento no correio transfronteiriço intracomunitário.

No caso do primeiro indicador, está estabelecido que, no mínimo, 93,5% do correio azul permutado entre qualquer ponto do continente deve ser entregue no dia útil seguinte ao do seu depósito num ponto de recepção de correio – embora o objectivo fixado seja o de que isso aconteça em 94,5% dos casos.

Diz a Anacom que os CTT “apenas conseguiram entregar nesse prazo 92,3% do correio (91,4% em 2017), violando quer o mínimo quer o objectivo, ou seja, cerca de 2 milhões de cartas do correio azul demoraram mais de 1 dia útil a ser entregues”.

No caso do correio transfronteiriço intracomunitário, no mínimo, 85% do tráfego de cartas enviadas de e para Portugal na modalidade correio internacional de primeira velocidade deve ser entregue até três dias úteis depois do seu depósito num ponto de recepção. O objectivo é que tal suceda em 88% dos casos.

De acordo com a Anacom, “apenas 80,5% do tráfego deste correio foi entregue nesse prazo (82,6% em 2017), ou seja, cerca de 4,5 milhões de cartas no âmbito do correio transfronteiriço (com origem em Portugal ou com destino em Portugal) foram entregues fora do prazo”.

A Anacom destaca que 2018 foi “o terceiro ano consecutivo” em que os CTT não cumpriram a totalidade dos 11 indicadores de qualidade do serviço postal universal a que estão obrigados. É ainda “o segundo ano consecutivo em que a empresa não consegue cumprir os indicadores relativos ao encaminhamento do correio azul no continente e do correio transfronteiriço intracomunitário”.

Em 2016, a concessionária do serviço postal universal falhou o valor mínimo fixado para o indicador do “Correio normal não entregue até 15 dias úteis”.

Com o novo conjunto de indicadores que entraram em vigor em 2019 (e que estão a ser contestados pelos Correios), deixou de existir um valor mínimo associado aos indicadores de qualidade de serviço, passando a existir apenas o valor objectivo, mais elevado do que o valor mínimo. Assim, se este ano os CTT falharem o valor objectivo de qualquer indicador ficam sujeitos à aplicação do mecanismo de dedução.

A Anacom deu à empresa o prazo de 1 de Julho para serem alterados os procedimentos de medição dos indicadores de qualidade de serviço, depois de ter verificado, numa auditoria ao sistema de medição dos indicadores dos anos 2016 e 2017, a existência de “múltiplas fragilidades”.
 

Sugerir correcção