Vitória tangencial impede PS de pedir legislativas

O PS ganhou mas apenas por um eurodeputado. A surpresa da noite foi Marinho e Pinto, bem como a subida da CDU. O BE elegeu só Marisa Matias, numas eleições em que a abstenção foi recorde.

Fotogaleria
PS, Lisboa Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
Aliança Portugal, Lisboa Daniel Rocha
Fotogaleria
Aliança Portugal, Lisboa Daniel Rocha
Fotogaleria
PS, Lisboa Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
CDU, Lisboa Pedro Nunes
Fotogaleria
Bloco de Esquerda, Lisboa Miguel Manso
Fotogaleria
MPT, Lisboa Miguel Manso
Fotogaleria
CDU, Lisboa Pedro Nunes
Fotogaleria
Aliança Portugal, Lisboa Daniel Rocha
Fotogaleria
PS, Lisboa Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
CDU, Lisboa Pedro Nunes
Fotogaleria
MPT, Lisboa Miguel Manso
Fotogaleria
Bloco de Esquerda, Lisboa Miguel Manso
Fotogaleria
Atenas, Grécia AFP PHOTO / LOUISA GOULIAMAKI
Fotogaleria
Lisboa, Portugal REUTERS / Rafael Marchante
Fotogaleria
Fontenay-sous-Bois, França REUTERS / Charles Platiau
Fotogaleria
Vilnius, Lituânia REUTERS / Ints Kalnins
Fotogaleria
Ajdovscina, Eslovénia AFP PHOTO / JURE MAKOVEC
Fotogaleria
Sófia, Bulgária REUTERS / Stoyan Nenov
Fotogaleria
Berlim, Alemanha AFP PHOTO / DPA / MAJA HITIJ
Fotogaleria
Lyon, França AFP PHOTO / JEFF PACHOUD
Fotogaleria
Bucareste, Roménia AFP PHOTO / DANIEL MIHAILESCU
Fotogaleria
Kalocsa, Hungria AFP PHOTO / ATTILA KISBENEDEK
Fotogaleria
Atenas, Grécia AFP PHOTO / ARIS MESSINIS
Fotogaleria
Solre-sur-Sambre, Bélgica AFP PHOTO / JOHN THYS
Fotogaleria
Roma, Itália AFP PHOTO/ Filippo MONTEFORTE
Fotogaleria
Lisboa, Portugal Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Lisboa, Portugal Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Boicote em Murça Paulo Pimenta
Fotogaleria
Varsóvia, Polónia AFP PHOTO / JANEK SKARZYNSKI
Fotogaleria
Freiburg, Alemanha REUTERS / Ralph Orlowski
Fotogaleria
Copenhaga, Dinamarca AFP PHOTO / SCANPIX DENMARK / HENNING BAGGER
Fotogaleria
Barcelona, Espanha AFP PHOTO / QUIQUE GARCIA
Fotogaleria
Ronda, Espanha REUTERS / Jon Nazca
Fotogaleria
Messe, na Alemanha REUTERS / Michaela Rehle
Fotogaleria
Southampton, Inglaterra REUTERS / Luke MacGregor
Fotogaleria
Roma, Itália AFP PHOTO / Filippo MONTEFORTE
Fotogaleria
Nanterre, França REUTERS / Christian Hartmann
Fotogaleria
Parlamento Europeu, Bruxelas AFP PHOTO / GEORGES GOBET
Fotogaleria
Atenas, Grécia AFP PHOTO / ARIS MESSINIS

O PS venceu as eleições europeias, mas com um resultado tangencial de apenas mais um eurodeputado do que a coligação Aliança Portugal, o que obrigou o líder socialista a travar qualquer exigência da demissão do Governo e de antecipação de eleições legislativas.

Os socialistas elegeram oito eurodeputados, contra os sete de há cinco anos, e a coligação Aliança Portugal, que reúne o PSD e o CDS, desceu de dez para sete parlamentares em Bruxelas. Numa eleição em que a abstenção atingiu percentagens inéditas (66,09%) e que ficou marcada pela surpresa da eleição de Marinho e Pinto e de José Inácio Antunes Faria pelo Movimento Partido da Terra, assim como pelo facto de a CDU ter subido de dois para três eurodeputados (João Ferreira, Inês Zuber, e Miguel Viegas) e o BE eleger apenas Marisa Matias.

Sofrendo o desgaste de estar no Governo há quase três anos e nessa condição serem responsáveis pela política de austeridade que resulta do programa de intervenção acordado entre o Estado português, a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional, o PSD e o CDS viram fugir-lhes os votos e três cadeiras em Estrasburgo. Atingiram os 27,70% de votos expressos, ficando em segundo lugar, com uma diferença percentual escassa de menos de quatro pontos percentuais em relação ao PS.

Coligação perde três
Não se confirmou, assim, a derrota estrondosa da maioria governamental que chegou a ser esperada, mesmo por alguns dirigentes do PSD e do CDS. A perda de três eleitos em relação há cinco anos pode até ser relativizada pelo facto de a representação portuguesa em Estrasburgo ter baixado de 22 para 21 eurodeputados.

O líder da coligação, presidente do PSD e primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, não deixou de assumir a derrota eleitoral, mas foi definitivo na leitura nacional que dela fez. E recusou quaisquer consequências das europeias sobre a política nacional, assegurando mesmo a estabilidade do Governo. A seu lado, o presidente do CDS, Paulo Portas, subscreveu a leitura de que a maioria governamental não era abalada por esta derrota eleitoral.

Desta forma, embora seja um derrotado nesta eleição e não o ganhador da noite, como foi há cinco anos, o cabeça-de-lista Paulo Rangel não sofreu um resultado humilhante, antes teve uma derrota honrosa e contraria assim as piores expectativas.

Os centristas são, por seu lado, as principais vítimas na coligação desta noite eleitoral, elegendo apenas Nuno Melo para o Parlamento Europeu. O segundo nome do CDS, Ana Clara Birrento, a oitava candidata da lista da coligação Aliança Portugal, ficou à porta do hemiciclo de onde se sentam os representantes dos 28 Estados-membros.

PS ganha um
Mas se a derrota da coligação não é estrondosa, a vitória do PS também não é esmagadora. Com uma percentagem de 31,45%, os socialistas elegem oito eurodeputados. Mas não conseguem o nono eleito, que chegou a ser admitido pelas sondagens. O PS não consegue assim fazer regressar ao Parlamento Europeu, o dirigente histórico do guterrismo, Manuel dos Santos, que assim não acompanhará o regresso a Estrasburgo do cabeça-de-lista socialista, Francisco Assis.

A imagem de partido ganhador foi assumido neste domingo pelo líder socialista, António José Seguro, que não hesitou em rentabilizar de imediato o seu resultado eleitoral europeu para o plano da política nacional.

Sem nunca mencionar de forma explícita a ideia da antecipação das legislativas, nem pedir a queda do Governo, Seguro assumiu estar “preparado para Governar Portugal” e garantiu que a legitimidade eleitoral do actual Governo estava posta em causa.

Mas o entusiasmo de vencedor não foi contagiante a todo o PS. Comentando a noite eleitoral na SIC, António Costa mostrou o seu desagrado com os resultados e foi explícito a dizer: “Que a próxima vitória não saiba a pouco”.

Ganhador também é o resultado da CDU, que ao atingir os 12,68% elegeu João Ferreira, Inês Zuber e Miguel Viegas. O entusiasmo ganhador do PCP levou mesmo o cabeça-de-lista João Ferreira a defender cedo na noite eleitoral a ideia de que as próximas legislativas devem ser antecipadas. Uma tese que seria mais tarde reafirmada por Jerónimo de Sousa.

À esquerda o resultado positivo da CDU não se estendeu ao BE. O Bloco tinha eleito três deputados há cinco anos, Miguel Portas, Marisa Matias e Rui Tavares. Agora com apenas 4,56 %, o Bloco apenas consegue reconduzir a Estrasburgo e Bruxelas Marisa Matias, reflectindo assim a erosão eleitoral provocada pela mudança de liderança partidária.

Já Rui Tavares deixará Bruxelas, uma vez que o seu partido, o Livre, não conseguiu eleger nenhum representante, tendo ficado pelos 2,18%.

Surpresa Marinho
A surpresa da noite eleitoral foi o resultado do Movimento Partido da Terra, que atingiu 7,15% e elegeu dois eurodeputados: Marinho e Pinto e José Inácio Antunes Faria. Candidatando-se como independente, encabeçando a lista do MPT para estas europeias, Marinho e Pinto assumiu-se como a principal candidatura anti-sistema partidário tradicional e beneficiou assim com o descontentamento do eleitorado.

O sucesso da estratégia eleitoral de Marinho e Pinto é a versão de sucesso de uma candidatura com um perfil populista de rentabilizar com o desgaste da relação entre os eleitores e o sistema partidário. E tudo indica que tenha capitalizado parte do descontentamento com as políticas de austeridade que têm sido praticadas em Portugal.

A estreia de Marinho e Pinto na política como eurodeputado cria agora a expectativa do que poderá ser o percurso do MPT a nível nacional em eleições legislativas. O que somado à erosão eleitoral sofrida pelo Bloco cria a expectativa sobre uma transformação do perfil da Assembleia da República.

Confirmando as piores expectativas, a abstenção atingiu níveis inéditos em Portugal, ficando nos 66,09%. Foram assim ultrapassados todos os índices de abstenção da história eleitoral portuguesa.

Mesmo sendo expectável que a abstenção seria elevada, já que é sempre em eleições europeias que são atingidos os maiores níveis, o que é facto é que foi ultrapassada de forma expressiva os piores índices de outros anos, como 64,46%, em 1994, e 63,22%, em 2009.