7 dias, 7 fugas: da terra às estrelas, com petiscos e imagens iluminadas

A Aldeia Histórica de Marialva entra em festa, o Alqueva espreita Barrancosmos, o Algarve segue pela Rota do Petisco, Lisboa convida para Passeios no Jardim Iluminado e cinema à portuguesa, Oeiras mostra World Press Photo e Barcelos dedica-se ao bacalhau.

gastronomia,fugas,cinema,algarve,lisboa,astronomia,
Fotogaleria
A festa chega à Aldeia Histórica de Marialva DR
gastronomia,fugas,cinema,algarve,lisboa,astronomia,
Fotogaleria
Barrancosmos no Alqueva DR
Prato
Fotogaleria
A Rota do Petisco anda pelo Algarve DR
gastronomia,fugas,cinema,algarve,lisboa,astronomia,
Fotogaleria
Passeios no Jardim Iluminado do Palácio Fronteira DR
gastronomia,fugas,cinema,algarve,lisboa,astronomia,
Fotogaleria
Oeiras recebe o World Press Photo Mads Nissen
,Documentário
Fotogaleria
Até Que o Porno Nos Separe, de Jorge Pelicano, no Alvalade Cineclube DR
Culinária peruana
Fotogaleria
Fim-de-Semana do Bacalhau em Barcelos DR

Sábado, 11: As Mulheres de Marialva

Marialva, na Guarda, põe-se em festa para prestar tributo às mulheres da aldeia e ao seu papel na herança patrimonial e cultural da terra. O programa tem início às 10h e inclui uma caminhada, vindimas, degustações, showcooking com o chef Álvaro Costa, uma visita guiada e o concerto Tempo Não Parou, com as vozes de Teresa Sarmento e Joana Raquel e o piano de Mário Laginha (às 22h, no Largo da Igreja de São Pedro). O momento está integrado no ciclo 12 em Rede - Aldeias em Festa, que convida à descoberta das aldeias históricas de Portugal por meio de uma dúzia de eventos, dando vida a lendas e tradições à medida de cada lugar e sempre com a participação activa da comunidade. A entrada é livre, mas sujeita a inscrição prévia no Posto de Turismo de Marialva (279 859 288 ou turismomarialva@cm-meda.pt). Quem não conseguir lugar in situ, pode sempre acompanhar a festa em directo, através do Facebook das Aldeias Históricas de Portugal

Domingo, 12: com as estrelas do Alqueva

Deitar os olhos à Via Láctea, falar sobre astronomia e trocar experiências relacionadas com a temática das estrelas e dos planetas. A ordem de trabalhos do Barrancosmos convida amantes e curiosos da matéria para um fim-de-semana sob o céu do Alqueva, aberto a todas as idades. A vila de Barrancos, o Castelo de Noudar e o Parque de Natureza de Noudar concentram as actividades, que contam com a participação de investigadores e astrónomos amadores. Entre elas estão as palestras no cineteatro barranquenho (sábado, a partir das 14h), animação e observações astronómicas no castelo (no mesmo dia, a partir das 18h) e passeios culturais e de observação de aves (domingo, às 10h). A entrada é gratuita, mediante inscrição aqui. O programa completo está alinhado nestas coordenadas

Segunda, 13: passaporte petiscador

Desde 10 de Setembro que anda gente a rondar restaurantes algarvios de passaporte na mão. Estão em viagem pela Rota do Petisco, que durante um mês está a servir, de porta em porta, iguarias a preços convidativos, dando primazia à gastronomia regional. A 11.ª edição da iniciativa, promovida pela associação portimonense Teia D’Impulsos, alcança quase três centenas de estabelecimentos (292, mais precisamente) de 11 municípios: Aljezur, Vila do Bispo, Lagos, Portimão, Monchique, Lagoa, Silves, Albufeira, Loulé, São Brás de Alportel e Tavira. O cardápio estende-se à já habitual Rota dos Môçes Pequenes, reservada a menores de 18 anos, à dos Chefs, onde se pode “petiscar em primeira classe a preço de económica”, e à do Mundo, “uma odisseia de sabores dos quatro cantos do globo”, num momento em que “viajar está complicado”. Estende-se também a uma rota solidária: o valor do passaporte (1,50€) reverte para projectos sociais. É preciso tê-lo à mão para ter acesso à rota, ir registando as garfadas com carimbos e, com eles, ficar habilitado a prémios. Cada menu custa 3€ (petisco e bebida) ou 2€ (sobremesa e bebida).

Terça, 14: num jardim iluminado

Em Lisboa, prosseguem os Passeios no Jardim Iluminado do Palácio Fronteira. A iniciativa da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna – entidade que gere o conjunto patrimonial do palácio e das casas nobiliárquicas a ele ligadas – convida a deambular “por entre as estátuas e fontes iluminadas”, descobrir a história e os segredos do lugar, e passar revista aos azulejos e às construções barrocas ali presentes. Tudo num passeio nocturno, com as luzes a guiar os passos e audioguias, em português, francês e inglês, que dão história e ambiente sonoro ao que os olhos vêem (estão também disponíveis videoguias em língua gestual portuguesa). Em Setembro, há visitas nos dias 10, 14, 16, 17, 21, 24 e 30. Para Outubro, estão agendados passeios nos dias 4 e 8. Todos à mesma hora, das 20h30 às 22h30, e com bilhetes a 7€ (mais 3€ com áudio e videoguias). Mais informações em fcfa-cultura@fronteira-alorna.pt e 217 782 023. 

Quarta, 15: um parque com o mundo lá dentro

Quarenta e cinco fotógrafos de 28 países compõem o catálogo da edição 2021 do World Press Photo, comissariada por Marika Cukrowski. Entre eles está Mads Nissen, que arrecadou o prémio de Fotografia do Ano com The First Embrace, e Antonio Faccilongo, distinguido com Habibi no segmento História do Ano. A exposição apresenta-se este ano no Parque dos Poetas de Oeiras – uma estreia nos espaços ao ar livre – e mostra fotografias e histórias marcadas pela pandemia, pela justiça social, pela crise climática, pelos direitos dos transgénero e pelos conflitos territoriais. À 64.ª edição do maior prémio de fotojornalismo do mundo concorreram mais de quatro mil fotógrafos, num total de mais de 74 mil imagens inscritas. As vencedoras podem ser vistas até 15 de Outubro, todos os dias das 9h às 23h (a partir de 1 de Outubro, 10h às 20h). A entrada é livre. Além da visita, o público pode ainda participar em rallies de fotografia, orientados por fotógrafos de renome (sábados, das 15h30 às 17h30, com inscrições no Templo da Poesia). 

Quinta, 16: Ai, Portugal, Portugal…

De que é que tu estás à espera para... ir ao cinema? O desafio vem do Alvalade Cineclube, que rouba o título à canção de Jorge Palma para levar à tela um “ciclo dedicado ao país que somos”. Arrancou em Janeiro, foi interrompido pela pandemia e regressa agora, na rentrée, com documentários que “apresentam faces de um prisma lusitano, históricas, emocionais, discutíveis”. É nesta quinta-feira que começam as sessões, que se sucedem a um ritmo semanal, até 21 de Outubro. As honras de inauguração cabem a Até Que o Porno Nos Separe, de Jorge Pelicano, sobre a jornada emocional de uma mulher católica de 65 anos, a morar nos arredores do Porto, que inicia um processo de reaproximação ao filho, depois de descobrir que ele, emigrado na Alemanha, é homossexual e actor de filmes pornográficos. Seguem-se Aquele Querido Mês de Agosto, de Miguel Gomes, Vadio - I Am Not a Poet, de Stefan Lechner (a 23 e 30 de Setembro, respectivamente), Amor Fati, de Cláudia Varejão, Porque Não Sou o Giacometti do Século XXI, de Tiago Pereira, e Batida de Lisboa, de Vasco Viana e Rita Maia (a 7, 14 e 21 de Outubro, respectivamente). Todas as sessões começam às 21h, têm entrada livre e são dirigidas a maiores de 12 anos.

Sexta, 17: bacalhau à minhota (e não só)

Entre 17 e 19 de Setembro, Barcelos dedica-se a um dos produtos-emblema da gastronomia portuguesa. Dos pratos mais tradicionais às versões temperadas com criatividade e inovação, diz o povo que há mil e uma formas de cozinhar a iguaria. Algumas delas estão à prova no 14.º Fim-de-Semana do Bacalhau, que passa pelas ementas de 43 restaurantes do concelho e leva à mesa o ingrediente na brasa, gratinado, lascado, de cebolada, com broa, na caçarola, na telha, com crosta de alheira, à Zé do Pipo ou com queijo da serra. Organizada pelo município, a iniciativa integra o programa 7 Prazeres da Gastronomia, que promove a cozinha barcelense e inclui, além do bacalhau, cardápios dedicados à lampreia, ao galo assado, aos petiscos, ao arroz Pica no Chão, aos rojões e papas de sarrabulho, e à pastelaria.