A estreia de Alexander Zeldin e o regresso de Anne Teresa De Keersmaeker na nova temporada da Culturgest

A temporada 2021/2022, anunciada esta quinta-feira, programa ainda o artista malawiano Samson Kambalu, novas criações de Vera Mantero, Marco Martins ou da Primeiros Sintomas e um concerto de homenagem a Bernardo Sassetti.

Foto
Love, do britânico Alexander Zeldin, será apresentado dias 23 e 24 de Setembro Sarah Lee

A estreia em Portugal de Alexander Zeldin, o dramaturgo britânico do National Theatre, duas coreografias de Anne Teresa De Keersmaeker, a primeira exposição portuguesa do artista malawiano Samson Kambalu, recém-distinguido com o Quatro Plimto em Londres, o concerto de apresentação de 20.000 Éguas Submarinas, de Rui Reininho. Eis alguns dos destaques da programação da temporada 2021/2022 da Culturgest, anunciada esta manhã.

Alexander Zeldin traz à instituição lisboeta, nos dias 23 e 24 de Setembro, a peça Love, estreada em 2016 no Reino Unido, onde esta história de amor familiar marcada pelos temas e pelas tensões do presente, “focada no destino das pessoas mais vulneráveis da sociedade”, lê-se na apresentação, se tornou um sucesso tanto junto ao público como da crítica. Já a belga Anne Teresa De Keersmaeker vem com a sua companhia Rosas para apresentar o ciclo Rosas/Bach, uma parceria entre a Culturgest e a Gulbenkian de que resultará a interpretação a solo de The Goldberg Variations, BWV 988 (3 e 4 de Março) e Mitten wir im Leben sind/Bach6Cellosuiten (9 e 10 de Janeiro).

Ainda na dança, a programação inclui duas criações de Vera Mantero, O Susto é um Mundo, no âmbito do Alkantara Festival (25 a 27 de Novembro), e O Limpo e o Sujo, programado para 14 de Abril, bem como Wow, de Sónia Baptista (13 a 15 de Janeiro), e uma nova peça do coreógrafo e bailarino brasileiro Bruno Beltrão, que regressará a Portugal para subir a palco nos dias 2, 3 e 4 de Junho.

Para além do Love de Alexander Zeldin, a temporada inclui, no que ao teatro diz respeito, Histoire(s) du Théâtre II, de Faustin Linyekula (13 e 14 de Novembro), Monologue of a Dancer, de Martim Pedroso (13, 14 e 18 a 21 de Maio), Moving Earths, de Bruno Latour e Frédérique Aït-Touati, em parceria com a BoCA – Bienal de Arte Contemporânea (13 Outubro), e as estreias de Fantasmas da Ópera, pela Primeiros Sintomas (1 a 3 e 7 a 9 de Outubro), Amores de Leste, pela Hotel Europa (10 a 12 de Fevereiro), Wild Heart, de Marco Martins (24 a 26 de Março) e a Orgia, de Pasolini, encenada por Nuno M. Cardoso (7 a 9 de Abril).

Quanto a concertos, está marcada a presença do supracitado Rui Reininho (10 de Setembro), ouviremos o Omniae Large Ensemble do baterista e compositor Pedro Melo Alves (15 de Outubro) e Joana Gama e Margaret Leng Tan (6 de Novembro), sendo que Joana Gama se apresentará novamente, a 20 de Janeiro de 2022, aí com Luís Fernandes. Assinale-se ainda a estreia de Tremor, de Nuno Côrte-Real, com a soprano Bárbara Barradas, a poesia de Pedro Mexia e o Ensemble Darcos (18 de Novembro), Norberto Lobo (30 de Novembro) e uma homenagem a Bernardo Sassetti protagonizada por João Paulo Esteves da Silva, Carlos Barretto e Alexandre Frazão.

A programação das artes visuais inclui, além da estreia de Samson Kambalu, com Freetown (2 de Outubro a 6 de Fevereiro), outra primeira apresentação em Portugal, neste caso, a da dupla Daniel Dewar & Grégory Gicquel (29 de Janeiro a 22 de Maio). São ainda contempladas duas retrospectivas, a de Tony Conrad, falecido em 2016, nome fulcral da vanguarda nova-iorquina desde a década de 1950 (12 de Março a 3 de Julho), e do artista francês radicado em Lisboa Mattia Denisse (18 de Junho a 30 de Outubro). A Culturgest Porto inaugura o final do projecto Reacção em Cadeia, com Rodrigo Hernández (Moon Foulard, de 9 de Outubro a 5 de Dezembro), Silvia Bächli (Side Facing the Wind, de 18 de Dezembro a 6 de Março) e uma retrospectiva de Ângelo de Sousa (26 de Março a 15 de Maio de 2022). Também ali veremos uma exposição do colectivo Berru, formado por vários artistas portuenses e vencedor do Prémio Sonae Media Art em 2019.