Está na hora de criar uma rotina diária para cuidar de si

Que o autocuidado é importante, todos sabemos. O problema está em conseguir trazê-lo para o dia-a-dia e convertê-lo numa rotina.

Foto
alan ko/Unsplash

O Verão está quase à porta, tendemos a acordar mais cedo e cheios de energia e, por isso, é a altura certa para criarmos novas rotinas. Passamos a vida a dizer que precisamos de mais tempo para nós, mas a verdade é que ele não surge por milagre. É preciso algum esforço – ou pelo menos intenção – para criarmos uma rotina de autocuidado (o tão falado “self-care”, na versão inglesa).

Cuidar de nós vai além de uma massagem ou de comer de forma saudável. Embora estes possam ser bons exemplos disso, uma prática de autocuidado é, no fundo, tudo o que nos nutre e dá energia a um nível mais profundo. Para algumas pessoas, pode ser tomar um bom pequeno-almoço todas as manhãs, para outras fazer exercício físico ou meditação, ter um diário, ler um livro ou simplesmente ter tempo para um ritual de beleza.

Foto
carlos martinez/Unsplash

Que o autocuidado é importante, todos sabemos. O problema está em conseguir trazê-lo para o dia-a-dia e convertê-lo numa rotina. É fácil acreditar que não temos tempo para isso ou não entender como é que adicionar mais alguma “coisa” à nossa extensa lista de afazeres vai melhorar o que quer que seja.

Mas quando estabelecemos uma prática regular de self-care na nossa vida, isso vai, na realidade, dar-nos mais tempo: ficamos mais centrados e alinhamos melhor as nossas decisões com a nossa intuição e com aquilo que realmente queremos e nos faz bem. Isso ajuda a que nos libertemos de muitas daquelas pequenas decisões que nos sufocam e nos roubam energia. Sentimo-nos melhor connosco, com os outros e somos até mais criativos e produtivos.

Paralelamente, ter uma prática regular de conexão connosco dá-nos uma sensação de “porto seguro”, de algo com que podemos sempre contar, no meio de todo o caos do quotidiano e das situações que fogem ao nosso controlo. Quer seja cinco minutos, quer seja uma hora, ter uma parte fixa do dia alocada a nós ajuda a sentirmo-nos mais equilibrados e em controlo sobre algo.

Como podemos criar esta rotina diária para cuidarmos de nós? É isso que vamos ver, passo a passo.

Descubra as actividades que o nutrem

Uma prática de autocuidado é diferente de pessoa para pessoa e não faz sentido forçarmo-nos a replicar o que os outros fazem se tal não se encaixar na nossa vida ou não nos trouxer prazer. Temos de retirar gratificação da prática que escolhermos. Por exemplo, correr ou meditar pode ser uma forma de self-care para muitas pessoas mas, se não gostarmos de o fazer, não deve estar na lista. Se não sabe o que pode fazer parte da sua rotina de autocuidado, comece por identificar as actividades que lhe trazem alegria, bem-estar e sensação de relaxamento ou de energia (dependendo do que estiver a precisar). Mais à frente, deixo algumas sugestões.

Comece devagar

Não caia no erro de querer fazer tudo de uma vez e criar logo uma rotina super elaborada. Se está a começar do zero, escolha um prática de autocuidado para implementar por semana e vá adicionando mais tempo ou actividades a partir daí. Isto vai permitir também que experimente várias opções e se aperceba quais fazem mais sentido para si e se encaixam melhor na sua vida.

Foto
jonas jacobsson/Unsplash

Identifique a altura do dia mais adequada

Para muitos, a melhor altura para uma rotina de self-care é logo de manhã, ao acordar, porque é a altura em que estamos mais abertos, receptivos e criativos. A nossa mente está mais limpa, o que é ideal para nos ligarmos à nossa intuição, sem sermos apanhados pelas energias e intenções alheias. Uma rotina matinal também ajuda a começar o dia com a atitude e a energia certas e a ganhar “momentum” para o resto do dia.

Se até gostava de arrancar logo de manhã com uma prática de autocuidado, mas sente que não tem tempo para isso, aqui ficam algumas dicas simples para ajudar a acordar mais cedo e criar esse tal “tempo”:

  • Vá para a cama meia hora mais cedo, caso queira acordar meia hora mais cedo. Roubar horas ao sono é que não interessa (afinal, dormir bem também é uma forma de autocuidado).
  • Coloque o despertador dez minutos mais cedo todos os dias até perfazer o tempo de que precisa. Mal irá sentir a diferença.
  • Não faça snooze (silenciar o despertador para ele voltar a tocar passado cinco ou dez minutos). Nem que para isso tenha de colocá-lo longe da cama, o que o vai obrigar a levantar-se para o desligar.
  • Crie incentivos que o façam querer saltar da cama (para mim, por exemplo, é um pequeno-almoço delicioso à espera).

Dito isto, a sua rotina de autocuidado não tem de ser de manhã, tem de ser na altura que lhe der mais jeito a si.

Defina quanto tempo precisa

Seja realista. Pode decidir ter 20 minutos logo de manhã ou quatro pequenas práticas ao longo do dia (uma ao acordar, outra na hora de almoço, outra no fim do trabalho e outra antes de dormir). Pode experimentar diferentes opções para perceber qual funciona melhor para si. Mas, depois de descobrir, comprometa-se o mais possível com o que escolheu.

Estruture a sua rotina

Faço-o em função do tempo que tem disponível. Por exemplo, se só tem três minutos, pode escolher ouvir a sua música preferida, sem interrupções. Se tem uma hora disponível, todas as manhãs (que maravilha!), pode optar por fazer alguns alongamentos durante dez minutos, gastar mais dez a tomar banho, meditar durante 20 minutos e ler um livro nos outros 20.

Seja qual for a sua escolha, estabeleça quanto tempo precisa para cada actividade. Assegure-se, também, que essa podem ser feitas em qualquer sítio, e não apenas em sua casa, para quando estiver de férias, a viajar em trabalho ou simplesmente fora do seu contexto habitual.

Ponha na agenda

É aqui que muitas das nossas melhores intenções falham: se não está na agenda, é muito provável que acabe por ficar para segundo plano. A sua rotina de autocuidado tem de estar no calendário, como se fosse uma reunião de trabalho, uma ida ao supermercado, uma consulta ou a hora a quem de ir levar e buscar os filhos à escola. Se for preciso, coloque um alarme para se lembrar.

Partilhe com quem o rodeia

É importante que as pessoas que fazem parte da sua vida estejam a par da sua nova rotina e contribuam para esse processo. Deve mostrar que isso é uma prioridade para si.

Criar toda esta estrutura é importante para conseguirmos manter a nossa rotina de self-care, mas claro que tem de haver uma boa dose de abertura e flexibilidade. As nossas necessidades de autocuidado vão certamente mudar ao longo do tempo e a nossa rotina vai ter de ser ajustada. Além disso, é normal que surjam obstáculos, que falhemos um dia ou outro. Aqui, temos duas opções: ou retomamos logo que possível ou fazemos algumas alterações à nossa prática, porque talvez haja algo (horário, duração, actividades escolhidas) que já não esteja a funcionar para nós.

Uma rotina de autocuidado é um compromisso, sim, mas um compromisso connosco. Não deve ser uma fonte adicional de pressão ou stress. Para isso, já temos as outras rotinas do nosso dia-a-dia.

Foto
bruce mars/Unsplash

Health coach, autora do projecto About Real Food