Um em cada dez jovens adultos americanos diz que os judeus foram responsáveis pelo Holocausto

Mais de 63% dos jovens adultos não sabiam que seis milhões de judeus foram exterminados e cerca de metade não foi capaz de nomear um campo de concentração. “Os resultados são chocantes e tristes”, diz Conferência para Reivindicações.

auschwitz,holocausto,eua,historia,mundo,europa,
Foto
Mais de metade dos jovens adultos não conseguiram identificar o campo de Auschwitz-Birkenau ANDRZEJ GRYGIEL/EPA

Quase dois terços dos jovens adultos norte-americanos não sabem que seis milhões de judeus foram exterminados durante o Holocausto, e um em cada dez acredita que os judeus foram responsáveis pelo Holocausto. Além disso, cerca de metade não consegue nomear um campo de concentração ou um gueto criado durante a II Guerra Mundial.

Estes são alguns dos resultados de um inquérito apresentado nesta quarta-feira, solicitado pela Conferência para Reivindicações Materiais Judaicas contra a Alemanha (mais conhecida como a Conferência para Reivindicações), uma organização judaica que negoceia indemnizações para as vítimas do Holocausto e defende a preservação da memória histórica das vítimas.

O inquérito incidiu sobre os jovens adultos entre os 18 e os 39 anos, pertencentes à geração “millenial” (nascidos entre 1981 e 1994) ou à Geração Z (nascidos depois de 1995).

De acordo com os resultados, 63% dos inquiridos não sabiam que seis milhões de judeus foram assassinados durante o Holocausto e mais de um em cada três (36%) acreditavam que o número de mortos seria dois milhões ou menos.

Quase um quarto dos inquiridos (23%) disse que o Holocausto é um mito ou que a forma como é apresentado é exagerada, enquanto um em cada oito (12%) disse que nunca ouviu falar do Holocausto.

“Os resultados [do inquérito] são chocantes e tristes e demonstram que devemos agir agora, enquanto os sobreviventes do Holocausto ainda estão connosco para partilharem as suas histórias”, disse Gideon Taylor, presidente da Conferência para Reivindicações, citado pelo The Guardian.

“Precisamos de compreender porque é que não estamos a proporcionar uma melhor educação sobre o Holocausto e as lições do passado às gerações mais jovens. Isto deve servir como alerta para todos nós”, acrescentou.

A nível nacional, 11% (mais de um em cada dez) dos inquiridos acreditam que os judeus foram responsáveis pelo Holocausto, um número que aumenta entre os jovens adultos nova-iorquinos (19%). Nos estados de Louisiana, Tennesse e Montana a percentagem passa para os 16% e no Arizona, Connecticut, Georgia, Nevada e Novo México é de 15%.

Quase metade (48%) dos jovens adultos norte-americanos não conseguiu nomear um campo de concentração, centro de morte nazi ou um gueto para onde eram enviados judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

Os números assumem proporções mais preocupantes no Texas (60%), Nova Iorque (58%) e na Carolina do Sul (57%). A nível nacional, 56% não foram capazes de identificar o campo de Auschwitz-Birkenau e apenas 6% conheciam o campo de Dachau, enquanto Bergen-Belsen foi identificado por 3% e os campos de Treblinka e Buchenwald por apenas 1%.

Além da “falta de conhecimento preocupante sobre o Holocausto” denunciada pela Conferência para Reivindicações, o inquérito revelou também que mais de metade (56%) dos jovens adultos já foi exposta a símbolos nazis nas suas redes sociais ou nas comunidades, e 49% referiram que já viram publicações online que negam ou distorcem o Holocausto.

“Devemos lutar contra essa distorção da história e fazer tudo o que pudermos para garantir que os gigantes das redes sociais deixem de permitir esses conteúdos prejudiciais nas suas plataformas”, disse o vice-presidente executivo da Claims Conference, Greg Schneider, citado pelo The Jerusalem Post. “Os sobreviventes perderam as suas famílias, amigos, casas e comunidades. Não podemos negar a sua história”, reiterou.

O inquérito consistiu em mil entrevistas a nível nacional nos Estados Unidos, e 200 entrevistas em cada um dos estados, com os jovens adultos (18-39) a serem seleccionados aleatoriamente.

Sugerir correcção