Quem me dera que a praia de Odeceixe fosse um segredo

Fica no Algarve mas ainda sabe a Alentejo. A praia de Odeceixe é de uma beleza de encher o olho. E, entre mar e ribeira, não lhe faltam encantos.

Fotogaleria
Praia de Odeceixe Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Praia de Odeceixe Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Praia de Odeceixe Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Praia de Odeceixe Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Adegas Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Adegas Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Ribeira de Seixe Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Ribeira de Seixe Rui Gaudêncio

Quem não gostaria de ter uma praia assim só para si? Guardá-la, como um segredo de poucos, uma praia só para os amigos do peito? Um paraíso, quase para o ano todo, onde se possa passear entre as memórias das férias grandes de outros tempos e as novas memórias criadas em cenário de beleza visceral? Mas, se bem que todos temos direito aos nossos grandes sonhos e pequenos egoísmos, o certo é que esta nossa praia já não é segredo nenhum, nem é só para alguns felizardos.

É para todos e é, já há uns bons anos, uma das estrelas da costa portuguesa, entre declarações de amor na imprensa internacional, presença nas listas das melhores praias da Europa (no outro dia chamaram-lhe um dos “tesouros escondidos” europeus), visitantes ilustres (como os Kruder & Dorfmeister a apoiarem os bombeiros locais)​ e a principesca confirmação de ser uma das 7 Maravilhas - Praias de Portugal. Felizmente, não faltam espaço nem atracções paralelas ao maravilhoso areal da praia de Odeceixe, ali posta em sossego em localização mais que perfeita, a unir o Alentejo e o Algarve. E, como se não bastasse, com mais (pelo menos) duas jóias: uma mais pequena e resguardada praia ao lado, com atributos muito próprios, e uma praia fluvial, criada pela ribeira do Seixe, cujas águas vêm fresquinhas da Serra de Monchique e que aqui desagua.

PÚBLICO -
Foto
Rui Gaudêncio

Posicionada oficialmente no concelho de Aljezur, mas com o de Odemira logo ali, a beleza desta praia da Costa Vicentina sob protecção do parque natural, começa logo quando só a adivinhamos na lonjura: começa nos caminhos que ladeiam o vale da ribeira e que nos conduzem à praia desde a estrada e da vila, ainda a uns bons 3 km. O caminho vai serpenteando até à praia e dá-nos a ver os campos agrícolas que a ribeira alimenta.

PÚBLICO -
Foto
Rui Gaudêncio

É num instante que desaguamos na praia oceânica, ainda a piscar o olho à praia fluvial que a foz da ribeira cria, à “piscina” que enche, às lagoas que desenha. Este encontro de águas doces e salgadas é um dos prazeres de Odeceixe. Depois, é um grande areal até às ondas do mar, encaixado entre “altaneiras arribas de xisto e grauvaques, característicos desta região”, como resume o Turismo de Aljezur. Uma praia de encher o olho, que se vai reinventando conforme as marés e o caudal da ribeira – e que na maré vazia parece infinita. Do lado sul, fica a pequena área urbanizada, aldeola de veraneio com os serviços de apoio ao visitante, incluindo bons restaurantes de peixe fresco, bares e esplanadas para ir ficando para o espectáculo do pôr-do-sol. 

E fica aqui também outra maravilha, a praia das Adegas, que vive despida de preconceitos: é uma das nove praias naturistas oficiais do país. É acessível pelo areal quando a maré está baixa e sempre por uma escadaria. Protegida na enseada, é praia de belas e grandes poças (umas simpáticas “piscinas”) e há aqui um outro mundo: grutas que se abrem nas formações rochosas. Tem uma gruta profunda, longa até escuridão, garante de sombra, frescor e intimidade.

PÚBLICO -
Foto
Rui Gaudêncio

Seja a partir das funduras de uma gruta, seja vindo da ribeira, seja de uma altaneira esplanada, a praia de Odeceixe é sempre um contínuo de imagens admiráveis, por mais que hoje em dia seja muito concorrida nas épocas de férias. Mas, embora possa custar um pouco elevar-se da preguiça do areal e das ondas, fica o conselho: não há vista mais bonita da praia do que lá de cima da imensa arriba do lado direito. Faça o esforço, suba até à Ponta Branca (coroada precisamente por sedimentos branquinhos), tenha cuidado com o precipício e beba a paisagem de olhos bem abertos. Entre o mar e o areal, os campos férteis e o casario, além do serpentear da ribeira, até nos ficam a faltar adjectivos. O banhista declara-se encantado e torna-se incapaz de guardar o segredo.

Segredos da costa alentejana: Alentejo à borda d’água

PÚBLICO -
Foto
Rui Gaudêncio

BI

Praia de Odeceixe
Odeceixe, concelho de Aljezur
GPS: 37°26'28.69"N  8°47'53.62
Praia com Bandeira Azul (Odeceixe-Mar) e vigilância durante a época balnear. Acesso por escadas e rampa.
Como chegar: de Norte, pela EN120 (Odemira-Aljezur) até passar a ponte sobre a ribeira do Seixe, virar à direita, seguir pela estrada municipal até à praia (3 km). Há comboio turístico no Verão entre a vila e a praia (1,50€ adultos; grátis crianças -6 anos) 
Serviços de apoio: Parque de estacionamento, instalações sanitárias, bares, informações, zona concessionada na praia
Temperatura média da água (Verão): 18/22ºC
Temperatura média do ar (Verão): 26/28ºC

À volta da praia

A ver o mar
Antes, durante ou depois, não faltam boas opções para sentar-se numa esplanada e admirar o postal ilustrado em movimento da praia. Informal e bem posicionado está o bar do Agapito (na verdade, Kiosk), incontornável para os visitantes e com um chamativo burro a olhar para o mar. As grandes tostas são o ideal para matar o bicho. Aproveite para ver o pôr-do-sol com um gin tónico na mão (já agora, o Sul, o gin luso-alemão que sabe à Costa Vicentina – a culpa é da esteva). Outra boa opção para relaxar (e comer e beber), enquanto dura o Verão: siga para o Bar da Praia.

PÚBLICO -
Foto
Kiosk Agapito Rui Gaudêncio

Um mundo de caminhadas
Odeceixe é ponto de cruzamento de muitas caminhadas. A Rota Vicentina tem aqui passagens pelos seus dois grandes trilhos de interior e costa: pode escolher entre um percurso circular (15 km) que inclui a praia e fazer uma caminhada Odeceixe-Rogil pelas várzeas e caminhos agrícolas (14,5km); ou pode aventurar-se até à vila alentejana de S. Teotónio (caminho interior e fácil mas longo, 19 km), Aljezur (entre o planalto litoral e os campos de batata-doce, milho e amendoim, 19,5 km). Um pouco mais difícil, mas repleto de maravilhas é o passeio pela costa até à Zambujeira do Mar: 18 km (com muitas praias para descobrir, entre Amália, Carvalhal ou Zambujeira). Infos: rotavicentina.com

PÚBLICO -
Foto
Rui Gaudêncio

Na vila de Odeceixe
Odeceixe desenha-se pela colina até à ribeira. Fica a 3 km da praia e tem o tamanho certo para garantir um Verão familiar, embora nas épocas altas tenha as suas enchentes. Vale a pena serpentear pelas ruas estreitas (as principais repletas de espaços comerciais e alojamentos para turistas) de casas brancas. Sempre a subir, vai dar ao Moinho de Vento, que foi recuperado para funcionamento e é habitualmente visitável no Verão – por estes dias estava encerrado para manutenção, mas deverá voltar a abrir; seja como for, as boas vistas desde o serro são garantidas.

PÚBLICO -
Foto
Rui Gaudêncio

Artes do bem comer
Na vila não faltam boas propostas de peixe e marisco (e pratos mais serranos) mas pode encaminhar-se para pôr à prova a Taberna do Gabão, um porto seguro e já um clássico da vila criado pelo casal Sílvia e Fernando. Num espaço entre “monte” com quintal e casa de pasto, conta com bons petiscos e pratos bem apurados (da feijoada rica de choco e polvo ao arroz de tamboril e perna de borrego estufada). Outra sugestão mais recente (dois aninhos) é o Altinho – Tapas & Petiscos, um bistrô ligado ao alojamento local das Casas do Moinho (junta altinho e moinho e depressa descobre a localização). Lá em cima, no Altinho há, por exemplo, açorda de cogumelos e folhados de alheira, ou atum braseado em sementes de sésamo com batata-doce de Aljezur e filetes de polvo no seu arroz. Fora de Odeceixe (uns 8 km, no lado alentejano), a morada obrigatória é a Azenha do Mar, restaurante de culto da aldeia piscatória (agora sob nova gerência, mas que garante a continuidade). Detalhes: fecha à 4ª, não aceita reservas, podem ser horas de espera em época alta. Por outro lado, peixe e marisco do melhor, feijoada de choco, caldeirada ou arroz de tamboril para deliciar-se.

PÚBLICO -
Rui Gaudêncio
PÚBLICO -
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio

As delícias do Rogil
Dar um salto ao Rogil (10km) é muito boa ideia, especialmente por duas saborosas razões. A primeira é que aqui fica o Pão do Rogil, que se tornou paragem obrigatória na N120. Com mais de meio século (e até uma loja-museu), guarda a tradição nos pães e bolos, mas estão sempre a sair novas ideias do forno a lenha; há pão de alfarroba ou batata-doce, bolos e bolachas artesanais e muito mais – incluindo uma preferência pessoal, a empada de cozido algarvio. Outra substancial razão rogilense: o Museu da Batata Doce, que na verdade é um restaurante onde vale tudo com a batata-doce (mas não só). O menu é variado mas pode ir pela salada de polvo com batata-doce assada, ensopado de borrego com batata-doce frita (mas também feijoada de búzios ou javali estufado), peixe fresco e o bolo de batata-doce e amêndoa. E ainda oferece um surpreendente jardim.

PÚBLICO -
Foto
Rui Gaudêncio

Massagem ou canoagem?
No areal da praia, a Water Element ocupa a área concessionada, o que significa que não só garante os nadadores salvadores, como propõe preguiça ou movimento, ao gosto do banhista. Há bar na praia, palhotas e espreguiçadeiras, mas também aulas de surf, stand up paddle, bodyboard, aluguer de canoas e caiaques. Até Outubro. (T: 917348441)