Miguel Honrado entra para a administração do Centro Cultural de Belém

O ex-secretário de Estado da Cultura substitui Luísa Taveira, que sai a seu pedido. Elísio Summavielle e Isabel Cordeiro mantêm-se na administração.

Miguel Honrado foi secretário de Estado da Cultura até Outubro do ano passado
Foto
Miguel Honrado foi secretário de Estado da Cultura até Outubro do ano passado Rui Gaudencio

Miguel Honrado, que até Outubro foi secretário de Estado da Cultura, é o novo vogal da administração do Centro Cultural de Belém (CCB), confirmou o PÚBLICO junto da tutela. O despacho de nomeação datado desta sexta-feira oficializa a entrada do gestor cultural para aquele órgão, que continuará a ser presidido por Elísio Summavielle, nomeado em Fevereiro de 2016 pelo então ministro da Cultura João Soares, e agora reconduzido no cargo, tal como a vogal Isabel Cordeiro.

“É entendimento do Ministério da Cultura [MC] que a escolha de Miguel Honrado, pelo seu percurso e experiência profissional, constitui uma mais-valia para o CCB”, indica o gabinete da ministra Graça Fonseca em nota enviada ao PÚBLICO. O novo administrador entra para o CCB em substituição de Luísa Taveira (que cessa funções “a seu pedido”, sublinha o MC) e deverá ter a seu cargo a área da programação, ainda que a definição das “suas funções específicas enquanto vogal” caiba ao reconduzido presidente do conselho de administração. Ao PÚBLICO, Miguel Honrado diz que entra para a equipa com a expectativa de que o CCB consiga retomar o lugar central que já foi seu no tecido cultural de Lisboa: “O CCB passou por algumas vicissitudes em termos daquilo que devia ser a definição e a objectivação da sua missão. Nos últimos três anos, com o novo conselho de administração e com Luísa Taveira, fez-se um trabalho de repor o CCB na rota dos grandes pólos culturais da cidade.”

O antigo secretário de Estado e programador cultural fala de uma década perdida no CCB, visando particularmente o período presidido por António Lamas, gestor cultural que chegou a Belém vindo da Parques de Sintra-Monte da Lua, a empresa pública responsável pela Paisagem Cultural de Sintra. “Nessa altura, houve uma derivação total do que era a missão inicial do CCB, que sempre foi considerado um centro cultural. António Lamas tentou que o CCB fosse uma espécie de centro de gestão de uma rede de equipamentos da zona de Belém-Ajuda que iria estar sob a sua orientação.”

Lamas foi nomeado para a presidência do CCB em 2014, na sequência da morte de Vasco Graça Moura. Acabou demitido em 2016 pelo então ministro João Soares, no meio de uma polémica à volta da criação de um plano estratégico para o eixo Belém-Ajuda, que tinha como objectivo gerir conjuntamente vários museus e outros equipamentos desta zona monumental de Lisboa.

Nessa altura, João Soares pôs Elísio Summavielle a chefiar o CCB, presidindo a uma equipa que já contava com a historiadora Isabel Cordeiro e a que viria a juntar-se meses depois Luísa Taveira; os três compuseram até esta sexta-feira o conselho de administração.

A expectativa de Miguel Honrado “é reconduzir o CCB, enquanto centro cultural, a um lugar de referência”. “O último conselho de administração fez o tal trabalho invisível da retoma da missão do CCB e agora estão reunidas as condições para se começar a consolidar um trabalho que faça novamente do CCB uma referência a nível da cidade, do país e também internacional.”

Da gestão cultural ao Governo (e ao desgaste)

Honrado chega ao CCB praticamente um ano depois do pico de contestação que caracterizou a fase final do seu mandato enquanto secretário de Estado do ministro Luís Filipe Castro Mendes. O polémico modelo de apoio às artes em que se empenhou pessoalmente, e com que quis refundar a relação do Estado com o tecido artístico, foi generalizadamente criticado pelos sucessivos atrasos com que chegou ao terreno. Assim que os primeiros concursos começaram a produzir resultados, afastando do financiamento público criadores e companhias com carreiras consolidadas, a crispação subiu de tom, com protestos na rua e críticas à esquerda e à direita na Assembleia da República. Perante as insistentes exigências de demissão de Miguel Honrado, António Costa foi obrigado a chamar a si a gestão do processo e a reforçar mais do que uma vez a dotação orçamental dos concursos.

Embora tenha saído muito desgastado do processo, Honrado manteve-se no cargo até à remodelação governamental de Outubro do ano passado. As funções que agora assumirá permitir-lhe-ão retomar, agora fora do Palácio da Ajuda, um percurso de gestor cultural iniciado em 1989 e que inclui passagens pelas equipas de programação do Festival Europália (1991), da representação portuguesa na Exposição Universal de Sevilha (1992) e de Lisboa 94 – Capital Europeia da Cultura. Miguel Honrado viria depois a coordenar o Departamento de Dança do antigo Instituto Português das Artes do Espectáculo, onde esteve até 2002, e, anos mais tarde, a presidir à EGEAC – Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural de Lisboa desde 2007, já com António Costa na Câmara de Lisboa. Dali saiu, em 2014, para a presidência do conselho de administração do Teatro Nacional D. Maria II, lugar que ocupava quando foi chamado ao Governo. Pelo meio, ainda rumou a Viseu, onde assumiu a direcção artística do Teatro Viriato, considerado um caso pioneiro de descentralização cultural, entre 2003 e 2006.

É justamente a boa memória desse período à frente de um teatro à partida periférico, mas que conseguiu inscrever-se no mapa cultural do país, que o encenador Jorge Silva Melo agora evoca, aplaudindo a nomeação de Miguel Honrado: “Parece uma excelente escolha para um lugar que tem perdido importância. E é o tipo de trabalho que o Miguel fez muito bem em Viseu. Que Talma [a arte do teatro], os deuses e [Mário] Centeno lhe obedeçam!”, disse ao PÚBLICO o director da companhia de teatro Artistas Unidos. Satisfeito com a escolha está também o programador António Pinto Ribeiro: “Acho bem. Tem o perfil ideal para o cargo”, comentou ao PÚBLICO mesmo antes de embarcar num avião. 

Já Cíntia Gil, directora do festival DocLisboa, fica na expectativa e recomenda a Miguel Honrado “coragem e sentido estratégico”. Lembra o embate que teve com o então secretário de Estado enquanto membro da Plataforma do Cinema, que reúne programadores, produtores e realizadores, a propósito das regras para o financiamento público daquela actividade, outra das polémicas do mandato de Honrado. “Acredito que terá coisas a fazer, mas saiu com mácula depois da sua experiência como secretário de Estado.”

Também Bruno Bravo, que há um ano, no auge da contestação, integrou a delegação de artistas recebida pelo primeiro-ministro no Palácio de São Bento, admite que a conturbada passagem de Miguel Honrado pela Secretaria de Estado da Cultura não o impede de “poder fazer um trabalho muito competente e muito sério no CCB”, e de contribuir para que este possa recuperar a “programação mais aberta e mais plural” que noutros tempos já teve. “São funções completamente diferentes”, ressalva o director dos Primeiros Sintomas, uma das companhias excluídas nos polémicos concursos de 2018. Ainda assim, Bruno Bravo recorda que “Miguel Honrado deu a cara por uma política cultural que não se cumpriu” e que, “nesse processo, perdeu a confiança política de uma parte do tecido artístico"; esta nomeação, diz, “é sinal de que, apesar de tudo o que aconteceu, o Governo a mantém”.