“É necessário levar para Belém alguma movida

Novo plano para a zona patrimonial de Belém-Ajuda ainda está a ser preparado, mas vai acautelar a autonomia de todos os equipamentos culturais, garante o presidente do CCB, Elísio Summavielle.

Foto
Elísio Summavielle defende que deve ser a câmara de Lisboa a coordenar qualquer plano para a zona Belém-Ajuda Nuno Ferreira Santos

Quando António Lamas saiu da presidência do Centro Cultural de Belém, ficou na gaveta o seu plano para a gestão do eixo Belém-Ajuda, uma encomenda do executivo de coligação PSD-CDS que não chegou a ser apresentada publicamente (o documento ficou disponível no Portal do Governo), mas que suscitara críticas.

Elísio Summavielle nunca concordou com a sua estratégia para Belém e diz que deve ser a Câmara Municipal de Lisboa a coordenar qualquer programa para a dinamização da zona, sem hipotecar a autonomia das instituições. Mas, até agora, passado quase um ano, do plano da autarquia liderada por Fernando Medina pouco ou nada se sabe.

Afastou a ideia da criação daquilo a que chamou um “parque temático” para o eixo Belém-Ajuda que o seu antecessor, António Lamas, lançou, mas também disse que não iria deitar fora todo o projecto. O que é que vai aproveitar? Esse projecto tinha ou não algum mérito?
Eu sempre divergi em relação à filosofia de criação desse parque. É uma fórmula que, do meu ponto de vista, não beneficia o património mais importante que existe que são as pessoas. É óbvio que o eixo Belém-Ajuda ou a zona Belém-Ajuda — não é propriamente um eixo, porque há uma vertente de colina — é muito rica do ponto de vista patrimonial e de equipamentos culturais como museus, palácios, etc. É óbvio que a soma das receitas de todos os equipamentos — se falarmos nos Jerónimos, só aí é um milhão de visitantes/ano — é o suficiente para criar uma empresa altamente lucrativa. Mas não é essa a nossa intenção. Tenho trabalhado com a Câmara de Lisboa. Há, no entanto, que fazer algum trabalho de coordenação com as restantes instituições, mas no que diz respeito à programação, à divulgação, à sinalética… Sabermos o que cada um quer fazer a cada mês para que não haja duas inaugurações à mesma hora em sítios diferentes. Tem de haver também uma ligação à vertente comercial, [é isso que me diz] a minha experiência da Lisboa 94, com a Sétima Colina. É importante envolver as forças vivas, a junta de freguesia, criar ali um bairro cultural, sim senhor, mas em que cada uma das instituições mantenha a sua total autonomia. É para isso que devemos trabalhar.

Lisboa necessita de diversificar o seu centro turístico — o Chiado já está esgotado — e temos a ocidente uma zona fantástica, mas que, infelizmente, às cinco da tarde está vazia, deserta. É necessário levar para lá alguma movida, criar pólos, e é fundamental que o município seja cúmplice nesse mapeamento da cidade. 

Quando António Lamas saiu do CCB, no meio de toda aquela polémica, ficou-se com a ideia de que se tinha trocado o plano do anterior presidente por outro, liderado pela autarquia, em que o CCB teria um  papel fundamental. Mas até agora não se conhece a nova dinâmica para Belém. Já viu esse plano? O que é que podemos esperar?
O CCB tem um papel exactamente igual ao dos outros equipamentos culturais. Pode dizer-se que o presidente do CCB tem alguma experiência nessa forma de coser várias sinergias. E estou sempre disponível para colaborar sem esquecer a prioridade e a especificidade do próprio CCB, que é aquilo que ocupa 95% do meu trabalho. Participei em algumas reuniões e sei que [está previsto] criar sinalética, mapeamento, circuitos, formas de divulgação…

Tudo isso já estava previsto no projecto de António Lamas.
Exactamente. Mas isso dispensa a criação de uma estrutura societária de gestão autónoma relativamente àquele território...

... portanto, quem coordena é a câmara...
... o último presidente da câmara de Belém foi o Alexandre Herculano e, portanto, não se vai restaurar nenhum concelho em Belém-Ajuda, mas sim criar condições para que todos possam trabalhar em conjunto. Se em 2018 avançar a construção de um hotel com 160 quartos, de prestígio, faz-se ali cidade. 

Insistimos na pergunta: esse papel de pivô caberá à câmara?
Penso que sim. É política de cidade e eu sou sensível às autarquias. É a Câmara Municipal de Lisboa que deverá conduzir esse processo.

Essa nova dinâmica estará em curso ao longo de 2017?
Penso que sim.