Pedro Barateiro e Gabriel Ferrandini vão aonde nunca foram na segunda edição da BoCA

O artista plástico e o músico vão estrear-se na encenação a convite da bienal dirigida por John Romão. Que em 2019 terá em Braga um terceiro polo, a juntar aos de Lisboa e Porto, e trará de novo a Portugal Angélica Liddell e Jonathas de Andrade.

Foto
O artista plástico Pedro Barateiro vai estrear uma criação de palco na próxima edição da bienal MIGUEL MANSO

Uma nova criação, com estreia absoluta em Portugal, da encenadora de culto espanhola Angélica Liddell, as primeiras aventuras na encenação, território nunca antes pisado, do artista plástico Pedro Barateiro e do baterista de jazz Gabriel Ferrandini, uma exposição saída da cabeça da coreógrafa Marlene Monteiro Freitas, e um projecto para Lisboa do cineasta brasileiro Jonathas de Andrade: a segunda edição da BoCA – Biennial of Contemporary Arts, que decorrerá de 15 de Março a 30 de Abril do próximo ano, ainda não tem programa completo, mas já tem várias encomendas em andamento. Tal como há dois anos, a bienal dirigida por John Romão volta a propor aos artistas que saiam das suas zonas de conforto e explorem outros campos de trabalho – e vai ela própria estender-se a uma terceira cidade, Braga, que em 2019 se juntará às bases fixas de Lisboa e Porto.

Depois de uma primeira edição que pôs, por exemplo, a cineasta Salomé Lamas a estrear uma criação de palco, Fatamorgana, e a dupla de artistas João Pedro Vale/Nuno Alexandre Ferreira a dirigir um espectáculo de circo, Palhaço Rico Fode Palhaço Pobre, a segunda BoCA volta a insistir no livre-trânsito entre as artes visuais e as artes de palco, defendendo uma abordagem menos sectária para que os dois lados da barricada possam deixar de viver vidas paralelas e abrir-se a todo o tipo de contaminações, perante todos os tipos de público. A experiência de 2017, diz John Romão, “foi muito importante para confirmar a necessidade que as próprias instituições, mas também os artistas e os espectadores, têm de encontrar um espaço de pensamento comum”.

A proposta da próxima BoCA é aprofundar o potencial desse espírito transdisciplinar e testar a experiência de alargar a bienal a uma terceira cidade – que deverá mudar a cada nova edição – para “contrariar a circulação viciosa entre Lisboa e Porto”. Braga é a primeira a entrar em cena porque John Romão encontrou uma câmara e uma comunidade interessadas e porque “a proximidade com o Porto e a existência prévia de uma circulação de públicos entre as duas cidades” são vantagens logísticas. “Queremos expandir o modelo que encontrámos a novos espaços, a novos parceiros, e trabalhar com eles outras dinâmicas de programação – estamos com muita vontade de experimentar as possibilidades da Casa dos Crivos e do Mosteiro de Tibães, por exemplo”, adianta o director da BoCA. A programação completa a apresentar a 18 de Fevereiro no Teatro Nacional D. Maria II – que, como o Museu Nacional de Arte Antiga ou o Teatro Nacional de São João, volta a ser um parceiro estratégico – reflecte aliás essa vontade de descentralizar. A nova criação de Angélica Liddell, por exemplo, estreia-se em Braga e não terá apresentações em Lisboa ou no Porto.

Desse programa ainda em construção, e de novo sem um tema vinculativo que não seja o próprio presente dos artistas (a ideia é justamente "articular vários temas, sem instrumentalizar as preocupações dos artistas em função de interesses curatoriais"), John Romão destaca ainda aquela que será, após a exposição que em 2013 o levou à Kunsthalle Lissabon, Cartazes para o museu do homem do nordeste, a segunda apresentação em Lisboa do trabalho do cineasta e artista brasileiro Jonathas de Andrade – que foi este ano um dos finalistas do Prémio Paulo Cunha e Silva e no ano passado o vencedor do prémio de melhor documentário no Curtas Vila do Conde, com O Peixe – e as encomendas a Pedro Barateiro, Gabriel Ferrandini e Marlene Monteiro Freitas. Os dois primeiros estrearão na bienal as suas primeiras criações para palco; a coreógrafa, Leão de Prata da Bienal de Veneza em 2018, instalará uma exposição no Mosteiro de São Bento da Vitória.

John Romão espera que, tal como aconteceu com alguns dos projectos da primeira edição (o espectáculo Endgame, primeira encenação da artista e activista cubana Tania Bruguera, e o “monumento” Casa-Animal, da dupla Musa Paradisiaca, agora a caminho do centro cultural Conde Duque, em Madrid), estas encomendas possam ter uma vida depois da BoCA. “A bienal não é só um evento pontual, tem uma actividade contínua que inclui também um programa educativo e a difusão nacional e internacional das obras que nascem por sua iniciativa e cujo acompanhamento consideramos ser uma das obrigações da BoCA”, sublinha o director.

Notícia corrigida às 10h07 de 6 de Novembro, rectificando as datas de início e fim do evento e acrescentando informação sobre a anterior passagem de Jonathas de Andrade por Lisboa.