Crianças afectadas por incêndios de Pedrógão recebem bolsa de 500 euros

Um total de 500 mil euros será atribuído a crianças e jovens afectados pelos incêndios de Junho no distrito de Leiria.

Os destinatários das cartas enviadas pela Segurança Social deverão responder até ao final do mês para receber o apoio de 500 euros
Foto
Os destinatários das cartas enviadas pela Segurança Social deverão responder até ao final do mês para receber o apoio de 500 euros Paulo Pimenta

A Segurança Social anunciou nesta quinta-feira que vai atribuir apoios às crianças e jovens afectados pelos incêndios de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, num total de 500 mil euros, “com vista a atenuar os prejuízos sofridos pelas populações” dos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos. Todas as bolsas atribuídas, num protocolo em parceria com a delegação Imamat Ismaili, são de montante único para cada criança ou jovem: 500 euros, pagos directamente pela delegação.

O apoio surge de um protocolo assinado pela delegação Imamat Ismaili (ligada à comunidade muçulmana ismaelita que pertence ao ramo minoritário xiita) com o Instituto da Segurança Social, que permitirá a atribuição de bolsas de estudo no início do ano lectivo que agora começa. Estas bolsas serão atribuídas às “crianças e jovens mais carenciados” dos concelhos referidos e também aos “que se encontravam a cargo das vítimas mortais dos incêndios” de Junho, que causaram a morte a 64 pessoas e fizeram mais de 200 feridos.

Para beneficiarem deste apoio, há uma série de requisitos que devem ser cumpridos: além de serem moradores nas zonas mencionadas (ou estarem a cargo de alguém residente na zona), devem ter idades entre os seis e os 24 anos, serem beneficiários de abono no ano lectivo de 2017/2018 e encontrarem-se "matriculados em estabelecimento escolar ou equiparado".

A Segurança Social enviou cartas nesta quinta-feira para as famílias das crianças que cumprem estes critérios. Para terem direito ao subsídio, os destinatários das cartas deverão responder até ao final do mês de Setembro e os resultados serão divulgados pela Imamat Ismaili posteriormente.

O incêndio que deflagrou a 17 de Junho deste ano em Pedrógão Grande foi um dos mais devastadores de Portugal, tendo resultado na morte de mais de 60 pessoas, 200 feridos, além de ter destruído habitações e terrenos. Mais de 53 mil hectares de floresta foram consumidos pelas chamas, extintas uma semana depois, que afectaram ainda outros distritos vizinhos.

Desde o rescaldo dos fogos no distrito de Leiria que tem havido algumas dúvidas sobre o destino dado aos donativos às vítimas do incêndio de Pedrógão Grande, com o Governo a esclarecer que só tem responsabilidade por um fundo de 1,9 milhões de euros, gerido conjuntamente com as autarquias e com a sociedade civil. Isto quando era noticiado, no início de Julho, que haveria mais de 13 milhões de euros reunidos, no total, para ajudar as vítimas dos incêndios.

Esta não é a primeira vez que a delegação Imamat Ismaili, que funciona na área da cultura e do desenvolvimento social e tem sede global da comunidade em Portugal, apoia causas nacionais. No ano passado, foi anunciado que haveria um financiamento de dez milhões de euros da delegação em cooperação científica (mais concretamente na dinamização da agenda Ciência Global com países africanos de expressão portuguesa), depois de em 2015 ter sido anunciado que a delegação investiria em projectos na área da saúde e em serviços de protecção civil portugueses.