Cinco dúvidas e uma história sobre o novo aeroporto de Lisboa

Marcelo vai fazer o mesmo que fez Cavaco no passado, dando impulso a uma mudança de localização do novo aeroporto, acrescentando mais um capítulo à longa história que se desenrola há mais de 50 anos?

A saga sobre a construção do novo aeroporto de Lisboa tem mais de 50 anos mas não é preciso recuar tanto na história. Por ora, basta recuarmos um pouco a 2007. Nessa altura, era primeiro-ministro José Sócrates e Presidente da República Aníbal Cavaco Silva. A localização para a construção do novo aeroporto estava decidida, era a Ota (escolha feita em 1999 por um Governo PS e relançada pelo governo de Sócrates). Mas, nessa altura, começa a esboçar-se um movimento de contestação a essa localização na zona norte de Lisboa que levou o próprio Presidente a apelar a um “debate aprofundado”, a receber em Belém a um conjunto de personalidade (entre as quais a CIP) que defendiam a localização daquela infra-estrutura na margem sul do rio Tejo. O governo de Sócrates resiste. O então ministro das Obras Públicas, Mário Lino, chega a dizer que a margem sul era “um deserto” e ficou célebre o seu “jamais, jamais” que tal como o “irrevogável” de Paulo Portas tornaram-se palavras levadas pelo vento sem o mínimo significado. Em Maio de 2008, o Conselho de Ministros haveria de aprovar a localização do novo aeroporto no Campo de Tiro de Alcochete (local que se manteve até ao Governo de Passos Coelho optar pela base aérea do Montijo, ali perto de Alcochete).

Sugerir correcção
Ler 7 comentários