A chic&basic de Barcelona estreia-se em Portugal com o hotel Gravity Porto

Tem seis hotéis em Barcelona, um em Amesterdão e desde 1 de Julho um no Porto: chic&basic abriu o Gravity, um hotel que vira tudo do avesso. Há espelhos que reflectem “até ao infinito”, uma “piscina dobrada” e até os quartos têm sapatilhas Sanjo pregadas ao tecto.

restaurantes,hoteis,barcelona,fugas,porto,turismo,
Fotogaleria
Gravity Porto DR
,Hotel
Fotogaleria
Gravity Porto dr
restaurantes,hoteis,barcelona,fugas,porto,turismo,
Fotogaleria
A "piscina dobrada" do hotel Gravity, no Porto. DR
restaurantes,hoteis,barcelona,fugas,porto,turismo,
Fotogaleria
Gravity Porto dr
,Chique
Fotogaleria
dr
,Hotel
Fotogaleria
Gravity Porto dr
restaurantes,hoteis,barcelona,fugas,porto,turismo,
Fotogaleria
Gravity Porto DR
restaurantes,hoteis,barcelona,fugas,porto,turismo,
Fotogaleria
Gravity Porto dr
restaurantes,hoteis,barcelona,fugas,porto,turismo,
Fotogaleria
Gravity Porto dr
,Hotel
Fotogaleria
Gravity Porto dr
,Hotel
Fotogaleria
Gravity Porto dr
,Hotel
Fotogaleria
Gravity Porto dr

Todos os hotéis da chic&basic têm algo de especial: “cada um tem a sua própria personalidade”, garante Jorge Oliveira, director do Gravity, o novo hotel do grupo, inaugurado esta quinta-feira no Porto. Ao entrar nesta unidade hoteleira, situada na rua das Oliveiras, o cliente tem à sua espera um mundo pensado para surpreender: de plantas viradas do avesso, a espelhos que reflectem até ao infinito e letras que parecem suspensas no ar. A ideia é “brincar um bocadinho com alguns elementos”, proporcionando uma experiência imersiva ao cliente, adianta ainda o director, que fala à Fugas durante a azáfama do dia inaugural.

O princípio do grupo, que tem seis hotéis em Barcelona e inicia agora a sua internacionalização por Portugal, é romper com o que Jorge Oliveira designa de hotel “chapa 5”, normalmente revestido de cores neutras e com uma previsibilidade que chega a ser entediante. “Os nossos hotéis têm uma identidade própria e queremos que as pessoas se sintam marcadas depois de passarem algum tempo connosco”, sublinha o responsável pelo Gravity Porto. Com esse pressuposto, o hotel associou-se à marca de calçado portuguesa Sanjo para criar em cada alojamento um efeito surpresa: “cada quarto vai ter um par de sapatilhas pregadas ao tecto, como se tivessem sido lá deixadas por acaso”, explica, divertido, o director.

O dedo do artista catalão Luís Vidal, consultor criativo do grupo, está presente em cada detalhe e de forma particular no pátio do hotel. Aí vai ficar exposta a instalação de uma piscina dobrada de sua autoria, onde as leis de Newton e de Einstein parecem ter sido repelidas por algum efeito electromagnético. Esta zona vai ser um chamariz e a ideia é que no futuro acolha também eventos sociais baseados em conceitos alternativos às iniciativas corporate mais comuns. Nos hotéis de Barcelona, por exemplo, as unidades do grupo já encerraram a actividade hoteleira aos fins-de-semana para organizar exposições nos quartos e outros acontecimentos “fora da caixa”, como a apresentação de marcas e a realização de concertos.

Foto
Hotel Gravity, no Porto. DR

A ideia, contudo, ressalva Jorge Oliveira, é que os clientes “flutuem um bocadinho no espaço”, mas com os pés assentes no chão. Ou seja, sendo chic o Gravity não deixa de ser basic e quer proporcionar tudo aquilo é expectável num hotel quatro estrelas: 70 quartos com máximo conforto e design funcional, um serviço de qualidade, que inclui o bar, um lounge e o restaurante Valentina's, que deverá abrir para clientes e passantes durante os próximos quinze dias. Resulta de uma joint-venture com o grupo Isabella’s e vai apostar essencialmente nos sabores mediterrânicos, com destaque para a cozinha italiana.

A evolução da pandemia (que adiou a abertura do hotel por um ano) é mesmo a variável que subjuga a ciência hoteleira do Gravity às leis do indeterminismo: “Estamos a abrir numa época terrível”, sublinha Jorge Oliveira, apesar de destacar as perspectivas de crescimento do Porto para os próximos anos: há 20 hotéis para abrir até final de 2022, que acrescentarão mais 3 mil camas à capacidade hoteleira existente, segundo as contas do director do Gravity. O grupo chic&basic mantém assim o optimismo: em 2022, o mais tardar em 2023, está prevista a abertura de uma nova unidade em Lisboa e, algures no mesmo ano, de outro empreendimento na Comporta.