Abertura do hotel na antiga sede do FC Porto prevista para 2020

O projecto de reabilitação do edifício ficará ao encargo da Lucios, empresa que irá fazer um investimento de 2,8 milhões de euros. O novo "hotel de charme" da Avenida dos Aliados terá 54 quartos, um restaurante e um bar.

Foto
NELSON GARRIDO

A antiga sede do Futebol Clube do Porto, na Avenida dos Aliados, no Porto, deverá abrir portas como “um hotel de charme” no primeiro trimestre de 2020. O anúncio foi feito por Filipe Azevedo, presidente executivo da Lucios Engenharia, a empresa de construção responsável pela reabilitação do imóvel, esta segunda-feira, na cerimónia de inauguração do início das obras, onde marcou presença Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, e Pinto da Costa, presidente do clube proprietário do edifício, que disse ser “um dia de muita emoção”.

A concessão do imóvel junto ao edifício da Câmara Municipal do Porto, na Praça General Humberto Delgado, foi entregue por um período de 20 anos à Lucios, empresa que irá investir 2,8 milhões de euros na requalificação e renovação do edifício. Pinto da Costa fez questão de sublinhar que “não se está a tratar de uma venda” e que, no fim dos 20 anos, o imóvel “ficará na posse do FC Porto”. O presidente do clube afirmou, ainda, que a escolha do projecto da Lucios para a reabilitação da antiga sede do clube “foi consciente”, “por concurso” e com base nas “garantias [incluindo as financeiras] para o projecto”. “Queríamos fazer uma coisa que realmente marcasse a cidade”, afirmou.

“Vai continuar a ser um edifício do FC Porto, mas agora adequado às necessidades da cidade e não às necessidades do clube”, disse Rui Moreira, felicitando a decisão do clube em “valorizar este edifício histórico” e “não aliená-lo”. O presidente da câmara realçou a importância da "cidade se adequar aos usos e aos costumes", afirmando que o Porto "tem de ser capaz de gerar emprego, riqueza e, acima de tudo, uma reabilitação patrimonial que, neste caso, não custa nada ao Estado, à Câmara Municipal, nem ao contribuinte". De acordo com Rui Moreira, a requalificação de “edifícios emblemáticos” é sinónimo de que a “cidade é capaz e sabe interpretar o que os cidadãos querem”. E o FC Porto “soube encontrar os parceiros certos”, disse. 

A unidade hoteleira, cuja exploração ficará ao encargo da ECS Capital, terá 54 quartos, um restaurante e bar. A fachada exterior, a caixilharia de madeira original do alçado principal e a caixa de escadas central e das lajes serão "totalmente preservadas". Com um "turismo cada vez mais exigente" - como diz Fernando Esmeraldo, presidente executivo da ECS Capital -, o objectivo desta obra é "capitalizar este enorme património histórico e cultural e aliá-lo a um serviço de excelência e qualidade", refere o FC Porto na nota de imprensa.

Desde 2015 que o FC Porto anunciava o futuro da antiga sede do clube na Avenida dos Aliados. Na altura, Fernando Gomes, administrador da SAD portista, afirmou à Lusa que o prédio estava "devoluto" e que "o melhor uso a dar àquele espaço seria um hotel concessionado durante uns anos". A 3 de Março de 2017 o clube iniciou um concurso público para reabilitar as instalações do edifício que acabou por ser ganho pela Lucios. 

Texto editado por Ana Fernandes