Rafael Tonon: “Só quero comer e ser feliz. Eu estou cansado de comer conceito, sabe?”

O jornalista gastronómico brasileiro acaba de lançar um livro sobre as revoluções da comida, desde o nascimento dos restaurantes à eventual futura “roupa de nutrientes”, passando pelas cadeias de hambúrgueres, pelo culto da comida local, e pela nossa responsabilidade na tragédia dos anfíbios.

Foto
José Sarmento de Matos

Há no livro de Rafael Tonon, As Revoluções da Comida, uma história particularmente perturbadora, sobretudo para leitores que, como é o caso de todos nós neste momento, estão a viver uma pandemia. Conta o jornalista brasileiro especializado em gastronomia, actualmente a viver no Porto (e colaborador da Fugas), que “o maior extermínio do século XX não aconteceu na Europa das duas grandes guerras”.