As fronteiras tomam conta a partir desta quinta-feira de mais um Festival Política

O evento de entrada gratuita ocupa o Cinema São Jorge (e da Internet) até domingo. Há debates, filmes, espectáculos, performances, concertos, conversas, entrevistas e comédia.

Foto
O cómico Carlos Pereira faz parte do programa desta quinta edição do Festival Política, falando no sábado de manhã sobre humor, discriminação e direitos humanos Rui Gaudencio

O Festival Política, que se realiza no Cinema São Jorge, em Lisboa, é este ano dedicado às fronteiras. A entrada para as sessões da quinta edição deste evento, que arranca esta quinta-feira e acaba no domingo, é sempre gratuita, mediante levantamento prévio de bilhete. Há também alguma programação online, sem fronteiras que obriguem as pessoas a estar em Lisboa para poderem usufruir do programa.

Tudo se inicia esta tarde, pelas 16h30, com uma entrevista na Sala Manoel de Oliveira conduzida pelo Fumaçaórgão de comunicação social que começou como podcast, ao sociólogo fundador da Númena – Centro de Investigação em Ciências Sociais e Humanas, Tiago Santos, sobre a população prisional estrangeira e os seus problemas. Meia hora depois começa uma sessão de cinema em que serão exibidas uma curta e uma média-metragem em torno da violência de género, o britânico The Rape Clause, de Jared Watmuff, e o espanhol Encara hi ha algo al bosc, de Teresa Turiera-Puigbò.

Para as 18h e para as 19h45 estão marcadas duas apresentações de Fronteiras, um espectáculo a solo do dramaturgo, argumentista, actor e encenador André Murraças, que parte de histórias de migrações, baseadas em episódios reais, que atravessam o mundo. Há ainda espaço para Colectiv, de Alexander Nanau, documentário de 2019 sobre um grupo de jornalistas de investigação que cobriu o incêndio da discoteca Colectiv, em Bucareste, em 2015.

Já na sexta-feira haverá um debate sobre o desporto e o seu lugar nas lutas contra a discriminação, inserido na programação da Lisboa Capital do Desporto 2021, uma sessão com várias curtas (vindas de Chile, Qatar, Espanha e Roménia, com filmes como The Black Veil, de A.J. Al-Thani, ou Ekaii, de Arantza Ibarra), bem como outra sob o mote Os Nossos Bairros, em que serão exibidos Quien Eres, de Alberto Molina Jiménez, e Chelas Nha Kau, de Bataclan 1950 e Bagabaga Studios.

Do programa do segundo dia constam ainda o lançamento, limitado a 16 pessoas, de um teledisco de Puta da Silva, artista brasileira radicada em Lisboa, e o espectáculo Homens que são como fronteiras invadidas, de e com José Anjos e Valério Romão. E um encontro online, às 17h, com deputados de vários partidos, em que quem se inscrever previamente terá a oportunidade de falar com os participantes sobre os temas focados pelo festival.

As limitações de horário do fim-de-semana ditaram que a programação de sábado e domingo seja híbrida: de manhã é presencial, de tarde online. Sábado arranca às 11h, com o cómico Carlos Pereira, que faz stand-up, um programa na RDP África e sketches no 5 para a Meia-noite, a falar sobre humor, discriminação e direitos humanos. Meia hora depois, uma sessão de curtas sobre fronteiras, com filmes do Irão, Uruguai, Alemanha, França e Espanha e Itália, entre os quais Go On, de Magia Asghari, ou The Angel of History, de Eric Esser. Às 17h, haverá um debate online sobre arte, activismo e acção, e um workshop, uma hora e meia depois, sobre a participação na democracia. Sem horário, mas ainda nos suportes digitais do festival, mostrar-se-ão filmes como a curta Maria Cobra Preta, de Erika Nieva da Cunha.

O Festival Política encerra no domingo. Tudo começa às 11h, com uma curta polaca e uma média-metragem russa, em torno dos temas “nacionalismos e repressão”. São elas My Country So Beautiful, de Grzegorz Paprzycki, e We are Russia, de Alexandra Dalsbaek. Segue-se uma performance, Foguete de Emergência, a partir da obra Enciclopédia dos Migrantes, com Paloma Fernández Sobrino e direcção artística de Aldara Bizarro. O encerramento da parte física do festival começa às 12h15, com um concerto de degelo, nome sob o qual Pedro Ruela Berga faz música.

Na Internet, haverá nesse último dia um workshop de escrita criativa à volta da já mencionada Enciclopédia dos Migrantes, e mais filmes: The Recess, de Navid Nikkhad Azad, e Aufbruch In Belarus.