Miguel Manso
Foto
Miguel Manso

Alunos brasileiros com dificuldades em obter visto para estudar na Universidade do Porto

A pandemia obrigou consulados a encerrar e gerou problemas na obtenção de vistos. Universidade do Porto está a tentar “sensibilizar” as autoridades brasileiras para a resolução do problema. No ano lectivo de 2019/2020, a instituição acolheu 2866 alunos brasileiros.

Estudantes internacionais brasileiros com intenção de ingressar na Universidade do Porto no próximo ano lectivo estão com problemas na obtenção de visto, devido à covid-19 que obrigou consulados a encerrar, disse hoje fonte oficial.

“No Brasil, quase todos os consulados passaram para atendimento digital e não estão a conseguir dar vazão aos pedidos de vistos [para estudar], principalmente nas áreas menos povoadas, sem ser [as cidades] de São Paulo e Rio de Janeiro”, avançou à agência Lusa fonte da Reitoria da Universidade do Porto (U.Porto).

A U.Porto desencadeou diligências junto das autoridades brasileiras no sentido de “sensibilizar” para a resolução da dificuldade na obtenção de vistos em tempo útil, para conseguirem iniciar o ano lectivo 2020/2021, acrescentou fonte da Reitoria.

Com o fecho dos atendimentos presenciais nos consulados no Brasil, está a ser “muito difícil” os estudantes internacionais brasileiros conseguirem o visto para virem para Portugal “em tempo útil” e esse problema burocrático pode impedir que os alunos consigam chegar ao Porto a tempo do início do ano lectivo e, como consequência, baixar o número das matrículas.

Dados sobre os estudantes que a U.Porto recebeu do Brasil para completar um grau completo (licenciatura, mestrado integrado, mestrado ou doutoramento), indicam que o ano lectivo de 2019/2020 foi o que acolheu mais alunos oriundos daquele país (2866) dos últimos cinco anos.

As indicações que vão chegando à Universidade do Porto, via email ou outras, referem que a grande “maioria dos estudantes internacionais têm vontade de vir estudar para o Porto”, mas estão a enfrentar dificuldades burocráticas, designadamente na obtenção de vistos.

“Aquilo que nos parece que vai ser a grande dificuldade é a questão burocrática da própria viagem e nisso inclui-se as restrições que haverá, ou não, para certas nacionalidades virem para Portugal ou para a União Europeia, nomeadamente o Brasil”.

O número de estudantes brasileiros inscritos na Universidade do Porto em 2019/2020 cresceu quase 30% face a 2018/2019, uma subida explicada pela U.Porto pelo vontade de estudar numa universidade europeia que reconhece o exame nacional brasileiro. A evolução de crescimento do número de estudantes brasileiros, entre outros factores, deveu-se também às “alterações processuais nas candidaturas de estudantes brasileiros”, explicou à Lusa fonte oficial da U.Porto.

Desde o ano lectivo 2016/2017 que a U.Porto permite a utilização do Exame Nacional do Ensino Médio, feito no Brasil equivalente ao ensino secundário português, na candidatura feita através do Concurso Especial para Estudantes Internacionais e que se destina apenas aos cursos de licenciatura e mestrado integrado.

Uma análise à evolução anual de estudantes que a U.Porto recebeu do Brasil indica que houve uma “evidente evolução” entre 2015/2016, ano em que chegaram ao Porto 736 brasileiros, e o corrente ano lectivo, em que se matricularam 2866 estudantes.

O Brasil é o país lusófono mais afectado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de infectados e de mortos (mais de 2,4 milhões de casos e 88.539 óbitos), depois dos Estados Unidos.

Sugerir correcção