Juiz Orlando Nascimento demite-se da presidência da Relação de Lisboa

Pressão de presidente do Supremo terá sido determinante para saída do juiz envolvido em irregularidades detectadas na distribuição de processos naquele tribunal superior.

,Juiz
Foto
Rui Gaudencio

O juiz Orlando Nascimento demitiu-se esta segunda-feira da presidência do Tribunal da Relação de Lisboa, após o PÚBLICO ter noticiado o seu envolvimento em irregularidades detectadas por uma auditoria aberta pelo Conselho Superior da Magistratura (CSM) para avaliar eventuais fraudes na distribuição de processos naquele tribunal.

A investigação foi aberta após a constituição como arguido do seu antecessor, Luís Vaz das Neves, na Operação Lex, por suspeitas de viciar a distribuição de determinados processos no âmbito de um esquema de corrupção que seria liderado por outro juiz da Relação de Lisboa, Rui Rangel, que está no centro daquele inquérito-crime. No processo também é arguida a ainda mulher de Rangel, Fátima Galante, de quem este está separado há vários anos, que é igualmente desembargadora naquele tribunal. 

Isso mesmo é anunciado numa nota divulgada pelo presidente do CSM, Joaquim Piçarra, simultaneamente presidente do Supremo Tribunal de Justiça. “O presidente do Conselho Superior da Magistratura dá conhecimento público de que o presidente do Tribunal da Relação de Lisboa apresentou hoje [segunda-feira] carta de renúncia a este cargo, acto que não depende de qualquer aceitação e se tornou imediatamente eficaz”, lê-se no comunicado assinado por Joaquim Piçarra. 

A presidência da Relação de Lisboa vai ser assumida pela juíza desembargadora Maria Guilhermina Freitas, que era até agora vice-presidente do tribunal. Deverá ser organizado brevemente um novo processo eleitoral para os juízes da Relação de Lisboa escolherem um presidente e um vice-presidente. 

A demissão de Orlando Nascimento acontece na véspera do plenário do CSM que vai avaliar os resultados preliminares da auditoria que está a ser conduzida por um juiz do Supremo Tribunal de Justiça, com o apoio de uma equipa que inclui um técnico do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça. Face aos factos que têm sido conhecidos nos últimos dias, é previsível que Orlando Nascimento venha a ser alvo de um processo disciplinar, o que deverá acontecer igualmente com Vaz das Neves, que, apesar de se encontrar jubilado, mantém-se obrigado a cumprir os deveres profissionais.

Segundo o PÚBLICO apurou, a renúncia de Orlando Nascimento ocorreu na sequência de pressões de Joaquim Piçarra que preside ao CSM, o órgão de gestão e tutela disciplinar dos juízes. Uma notícia do PÚBLICO na semana passada dava conta que o então presidente da Relação de Lisboa tinha autorizado o seu antecessor, de quem foi vice-presidente, a utilizar o salão nobre daquele tribunal para uma arbitragem presidida por Vaz das Neves, um julgamento privado que rendeu a este juiz aposentado 280 mil euros.

Sugerir correcção