Índia já prepara uma nova missão à Lua

Em Setembro, a Índia não conseguiu pousar no pólo Sul da Lua. Esta semana, anunciou os planos para uma nova missão ao nosso satélite natural.

,Índia
Foto
Kailasavadivoo Sivan, presidente da Organização de Investigação Espacial da Índia JAGADEESH NV/EPA

Poucos meses depois de ter falhado uma alunagem, a Índia aprovou a sua terceira missão à Lua, anunciou a agência espacial indiana esta quarta-feira. Possivelmente, a missão será lançada ainda este ano. Esta é assim mais uma tentativa para se tornar uma potência espacial de baixo custo. 

A Chandrayaan-3 – o nome da nova missão – terá um módulo de aterragem e um rover. Contudo, não será composta por um veículo orbital como a Chandrayaan-2, afirmou aos jornalistas Kailasavadivoo Sivan, presidente da Organização de Investigação Espacial da Índia (ISRO), em Bengalore (Índia), onde fica o centro de controlo da ISRO.

Em Setembro, a missão Chandrayaan-2 conseguiu que uma sonda orbitasse a Lua e que enviasse dados científicos de volta para a Terra. Contudo, já não foi capaz que o rover aterrasse com sucesso na superfície da Lua.

Nessa segunda missão, o objectivo era que esse veículo de exploração espacial alunasse no pólo Sul da Lua, o que nunca tinha sido feito até então. Pensa-se que essa região tenha água, pois as crateras nesse local não são muito afectadas pelas elevadas temperaturas provocadas pelo Sol. A ISRO esperava confirmar a presença de água em forma de gelo, que já tinha sido detectada numa missão de 2008.

A Chandrayaan-3 terá “uma configuração semelhante” à da missão anterior, disse Kailasavadivoo Sivan.

Até agora, apenas os Estados Unidos, a Rússia e a China aterraram na Lua. No início de Janeiro de 2019, o módulo chinês Chang’e-4 conseguiu pousar no lado oculto da Lua. Já em Abril do ano passado, Israel tentou também aterrar na Lua, mas não conseguiu.

Provavelmente, a terceira missão lunar da Índia será lançada em 2020 e irá custar menos do que a Chandrayaan-2, informou a agência indiana PTI na terça-feira, citando Jitendra Singh, ministro indiano para o departamento do espaço.

Por sua vez, Kailasavadivoo Sivan referiu ainda que a ISRO está a fazer “bons progressos” para a sua missão tripulada ao espaço prevista para o final de 2021. Adiantou também que quatro astronautas foram escolhidos para treinos que estão planeados para o final deste mês. Designado “Gaganyaan”, este projecto custará menos de 100 mil milhões de rupias (1,25 mil milhões de euros), anunciou o governo indiano em 2018.

A Índia tem vindo a desenvolver lançamentos e missões espaciais de baixo custo. Por exemplo, a sua missão a Marte em 2014 custou apenas cerca de 66 milhões de euros, menos do que o orçamento do filme Gravidade, que aborda o espaço. 

Kailasavadivoo Sivan também anunciou que a ISRO iniciou o processo de aquisição de terrenos para uma segunda base espacial na cidade portuária de Thoothukudi, no estado de Tamil Nadu, no Sul da Índia.

Sugerir correcção