Sonda israelita falhou aterragem na Lua

Não correu bem: Israel queria tornar-se o quarto país a fazer uma alunagem, mas a missão falhou a poucos metros da superfície lunar.

Fotogaleria
SpaceIL
Fotogaleria
Imagem tirada pela sonda,Imagem tirada pela sonda SpaceIL
Israel
Fotogaleria
Selfie tirada pela sonda SpaceIL
,Beresheet
Fotogaleria
Centro de controlo da missão em Israel Israel Aerospace Industries
Beresheet
Fotogaleria
Centro de controlo da missão em Israel Israel Aerospace Industries
,Israel
Fotogaleria
Pessoas que assistiram à transmissão da descida da sonda à superfície da Lua fora do centro de controlo,Pessoas que assistiram à transmissão da descida da sonda à superfície da Lua fora do centro de controlo Amir Cohen/Reuters
Fotogaleria
Fora do centro de controlo Amir Cohen/Reuters
Beresheet
Fotogaleria
Pessoas que assistiram à transmissão da descida da sonda à superfície da Lua fora do centro de controlo,Pessoas que assistiram à transmissão da descida da sonda à superfície da Lua fora do centro de controlo Amir Cohen/Reuters
Israel
Fotogaleria
Imagem artística da sonda israelita SPACEIL

Esteve perto, muito perto, mas a sonda israelita Beresheet não conseguiu aterrar com sucesso na Lua. Não foi desta que Israel se tornou o quarto país a aterrar no nosso satélite natural. Contudo, já faz parte dos países que orbitaram o nosso planeta. Esta é a primeira missão à Lua financiada por fundos privados.

“Não conseguimos, mas já é um grande feito. Escolhemos sonhar e não temos medo. A próxima [missão] será melhor. Aprendemos com esta e iremos conseguir”, disse Morris Kahn, presidente da organização SpaceIL, que, juntamente com a empresa Israel Aerospace Industries, construiu esta sonda. “Não conseguimos, mas tentaremos outra vez. Uma sonda aterrará na Lua, mas completa,” afirmou o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, que acabou de ser reeleito.

Tanto o presidente da SpaceIL como o primeiro-ministro israelita acompanharam no centro de controlo em Yehud, em Israel, o processo de aterragem. Segundo a equipa desta missão, a sonda teve uma série de problemas técnicos durante a descida até à superfície da Lua. 

Durante a transmissão em directo (apenas com algumas frases em inglês), parecia estar tudo a correr bem e até foi apresentada uma selfie tirada pela sonda a 22 quilómetros da Lua. “Um pequeno país, sonhos enormes”, assim se lia nessa fotografia mesmo por baixo da bandeira de Israel com a Lua em pano de fundo.

Ao longo da travagem, ainda houve um aviso de um problema técnico, mas tudo parecia estar a encaminhar-se para a alunagem. Aliás, as milhares de pessoas que acompanharam a transmissão em directo podiam ir contando os metros que faltavam para a sonda alcançar a superfície da Lua.

Foi a poucos metros que se percebeu que o veículo espacial iria falhar a alunagem. “Perdemos a comunicação​ com a sonda”, avisou alguém. Ainda houve momentos de esperança (e nervosismo). Mas, momentos depois, percebeu-se que já não havia mesmo nada a fazer: a Beresheet não alunou com sucesso e despenhou-se na superfície da Lua. 

PÚBLICO -
Foto
Localização do sítio onde a sonda iria alunar Spaceil

Durante a sequência de alunagem (que durou cerca de 21 minutos), a sonda sofreu falhas periódicas de engenharia e comunicação, segundo a agência Reuters. “Parece que a uma falha na nossa unidade de medição inercial causou uma cadeia de incidentes nos sistemas electrónicos da sonda, o que interrompeu [a actividade] dos motores e fez com que falhássemos a missão”, disse à Reuters Opher Doron, director-geral da divisão de espaço da IAI. “Mas foi de longe a mais pequena e mais barata sonda a ir à Lua. Fez um percurso incrível e espero que tenhamos outra oportunidade.”

Ainda segundo o jornal espanhol El País, a equipa pensa que terá falhado algum dos dispositivos de desaceleração que permitiriam ao motor principal fazer uma descida controlada até à superfície do satélite. “Iremos investigar para compreender melhor o que aconteceu”, referiu ao El País Ido Anteby, director-geral da SpaceIL.

“A aterragem será extremamente desafiante”, tinha dito antes à BBC Morris Kahn. “Mas temos bons engenheiros e a sonda respondeu bem às nossas instruções nos últimos dois meses… Estou bastante confiante, mas um pouco nervoso.”

A Beresheet palavra hebraica para “génese” – tentou alunar no Mar da Serenidade, localizado no hemisfério Norte da Lua. “Este sítio tem anomalias magnéticas, o que permitirá que um magnetómetro [aparelho que mede o campo magnético] faça medições para experiências científicas”, refere-se no site da missão israelita.

“Irá observar-se de muito perto o sítio da aterragem, o que ajudará a perceber como as medições magnéticas da Lua se encaixam na sua geologia e geografia, sendo isto muito importante para se compreender como a Lua se formou”, explicava ainda antes da alunagem à BBC Monica Grady, professora de ciências espaciais e planetárias da Universidade Aberta do Reino Unido.

A Beresheet partiu em direcção à Lua a 22 de Fevereiro a bordo de um foguetão Falcon 9 da empresa SpaceX (do multimilionário Elon Musk). Durante as últimas sete semanas, a sonda moveu-se em órbitas elípticas à volta da Terra até ser capturada pela gravidade da Lua e ter entrado em órbita do satélite natural da Terra na última semana (a 4 de Abril). 

Com isso, Israel passou a integrar o grupo de países que conseguiram entrar em órbita da Lua. Antes, o nosso satélite natural já tinha sido orbitado por sondas de diferentes países: desde os Estados Unidos à China, passando ainda pela Europa (através da Agência Espacial Europeia, constituída por vários países, incluindo Portugal), até ao Japão e Índia.

Parece uma máquina de lavar

Com cerca de um metro e meio de altura, esta sonda tem 585 quilos. Tem as dimensões de uma máquina e lavar. A bordo da sonda vai uma “cápsula do tempo” com ficheiros digitais do tamanho de moedas, desenhos de crianças ou memórias dos sobreviventes do Holocausto.

Esta é a primeira missão à Lua financiada por fundos privados e custou 100 milhões de dólares (cerca de 88 milhões de euros). Só o multimilionário israelita Morris Kahn investiu 44 milhões de dólares (cerca de 38,8 milhões de euros) neste projecto e o casal multimilionário Miriam e Sheldon Adelson contribuiu com 24 milhões de dólares (21 milhões de euros).

Até agora, a Beresheet percorreu uma viagem de 6,5 milhões de quilómetros. Como não conseguiu cumprir o seu principal objectivo com sucesso, ainda não foi desta vez que Israel se tornou o quarto país a fazer uma alunagem. Este feito só foi concretizado até agora pelos Estados Unidos, pela antiga União Soviética e a China, que conseguiu que um veículo espacial aterrasse pela primeira vez no lado oculto do nosso satélite natural no início deste ano.

Agora, segundo frisa o jornal norte-americano The New York Times, também a NASA espera enviar equipamentos científicos em módulos espaciais comerciais para a Lua ainda este ano. A Administração de Donald Trump diz que também planeia enviar astronautas para a Lua em 2024. “A NASA ainda não estimou o custo de levar pessoas [à Lua] em tão pouco tempo e alguns membros do Congresso já questionaram o porquê desta correria”, lê-se no The New York Times.

Para este ano, ainda poderemos assistir ao lançamento e à alunagem do veículo espacial indiano Chandrayaan-2. A China também pretende lançar a sonda Chang’e-5 antes do fim do ano.