O carro de Bernardino ganhou à camioneta e ao comboio de Costa

Primeiro-ministro admite um “período de ajustamento” por causa do aumento da procura e lamenta “artificialismos e mentiras” da oposição.

Ericeira
Fotogaleria
António Costa com o Navegante que lhe permitiu ir da Ericeira a Setúbal,António Costa com o Navegante que lhe permitiu ir da Ericeira a Setúbal Rui Gaudêncio,Rui Gaudêncio
Fotogaleria
O primeiro-ministro entrou no comboio da Fertagus em Entrecampos Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Fernando Medina, Matos Fernandes e Pedro Nuno Santos acomapnharam a viagem Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Todos mostram o seu Navegante,Todos mostram o seu Navegante Rui Gaudêncio,Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Pormenor do novo passe intermodal Rui Gaudêncio
Fotogaleria
À chegada a Setúbal, onde já estava Bernardino Soares Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Medina é um dos pais da medida Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Os autarcas e os governantes em Setúbal Rui Gaudêncio

“Havia um acidente na calçada de Carriche e perdi o comboio por dois minutos. Não tinha burro nem Ferrari. Comprova-se que o metro para Loures está atrasado.” O desabafo é de Bernardino Soares, presidente da Câmara de Loures, à chegada a Setúbal. A corrida de 1 de Abril de 2019 é diferente daquela protagonizada por António Costa em 1993, quando o então candidato à Câmara de Loures promoveu uma disputa entre um burro e um Ferrari, Calçada de Carriche acima, para mostrar como tinha de haver uma solução para a mobilidade entre os dois municípios. Agora, Costa quis mostrar que a nova medida do passe único de valor reduzido é boa, mas o carro de Bernardino foi mais rápido que o autocarro, o metro e o comboio de António Costa, que demorou três horas da Ericeira a Setúbal, com paragens pelo caminho.

“Não fiz de propósito” para mostrar que de carro se chega mais rápido, garante Bernardino Soares. É o dia-a-dia. Há dias de sorte nas viagens de carro, outros com acidentes ou engarrafamentos. A verdade é que os problemas de deslocação do autarca comunista mostraram que, além da redução dos passes, há outras questões ainda por resolver nos transportes, e a sua dificuldade acabou por borrar a pintura perfeita deste dia “histórico”, “de festa”, “único” para os transportes públicos, como lhe chamaram os autarcas Fernando Medina, de Lisboa (PS), Maria das Dores Meira, de Setúbal (CDU), e Hélder Silva, de Mafra (PSD), ou que “foi a maior revolução no transporte público nas últimas décadas”, como disse António Costa. Todos os autarcas das várias cores quiseram entrar na fotografia ao lado do primeiro-ministro.

“Muitos consideraram uma utopia, mas está finalmente concretizada: não só há uma redução do passe, como há um passe único para toda a área metropolitana”, disse António Costa quando já ia a meio da sua jornada pelos transportes públicos. No dia em que a maior parte dos utentes começaram a usar os novos passes Navegante, o primeiro-ministro começou o dia “às 7h30 a apanhar a camioneta da Mafrense na Ericeira” com o autarca social-democrata Hélder Silva. À hora de ponta estava no Campo Grande, em Lisboa, a apanhar o metro para Entrecampos, onde deu boleia ao socialista Fernando Medina, e de onde seguiria no comboio da ponte até Setúbal, onde o esperava a autarca comunista Maria das Dores Meira.

As voltas e a espera pelos transportes fariam com que a viagem do início ao destino durasse cerca de três horas, o triplo de uma viagem de carro, mas Costa realçava que a fez sempre com o mesmo passe e sem que tivesse de esperar muito pelos transbordos. Aliás, a mensagem era clara, era dia de celebrar não só a redução do preço dos transportes, mas também o facto de o passe ser único. Para que não se esqueça da dificuldade, a presidente da Câmara de Setúbal ofereceu-lhe emoldurados os três antigos títulos necessários para ir de Setúbal a Lisboa, que antes tinham um custo de 130 euros e agora de 40. Costa sorriu.

Todos quiseram aparecer dentro da moldura da nova medida dos passes. Ou nas palavras dos próprios, há vários pais e mães da medida. Teste de paternidade 1: “Resulta de um trabalho conjunto de todos os autarcas da AML. Seria esta medida possível se não tivéssemos um Governo apoiado à esquerda?”, perguntou a autarca setubalense. Teste de paternidade 2: “Tenho algo a dizer sobre o pai da criança. Nasceu mesmo no mandato destes autarcas, deste Governo e desta maioria. Não teria nascido se não tivesse sido o apoio do Governo, ministro do ambiente e do nosso primeiro-ministro que já tinha este sonho”, disse Medina. Resultado do teste de paternidade: “Há muito tempo que não tínhamos uma medida com tantas mães e pais colectivos”, ri-se Costa.

Foi essa a vantagem que usou para responder aos críticos. “Quem chamou a medida de eleitoralista foi quem há um ano estava distraído e votou contra”, disse nas cinco vezes que os jornalistas lhe perguntaram se não andava a fazer campanha eleitoral. “É uma boa medida”, foi afirmando. “Não podemos parar o país porque há eleições senão não fazíamos nada este ano”. Ou “o que era pior era não fazer”. Ou ainda, “os autarcas sabem o que os políticos nacionais não sabem”. E por fim, a versão mais agressiva: “Mas, a melhor forma de compreender como muitas vezes infelizmente a política nacional se perde em imenso artificialismo e muita mentira é a forma como a política ao nível local e os autarcas de todos os partidos compreenderam bem esta medida, participam nesta medida e são co-autores da mesma”.

Esta segunda-feira houve notícias que um dos comboios da ponte nem pôde parar no Pragal porque ia cheio, mais do que o habitual. A pressão por haver mais utentes não preocupa nem o primeiro-ministro, nem o novo ministro das Infra-estruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, que diz estar “preparado para as queixas”. Mas Costa admite que estes primeiros tempos são de adaptação: “É provável que haja um período de ajustamento” pelo aumento dos passageiros.

Os primeiros indicadores mostram que só na Área Metropolitana de Lisboa houve 70 mil novos pedidos do novo passe. Disse o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, que uma parte significativa destes novos pedidos partiu de pessoas com mais de 65 anos. “Estas pessoas tinham abdicado da possibilidade de se mover na Área Metropolitana de Lisboa, estavam a ser tratadas como cidadãos de segunda”, referiu.

Para fazer face a esse aumento da procura, Costa falou dos vários concursos públicos para aquisição de barcos para a Transtejo, de carruagens para o metro ou ainda de autocarros. Medina acabou por anunciar o lançamento do concurso para a aquisição de 15 novos eléctricos articulados, na quarta-feira, por 45 milhões euros.

Contas feitas, disse Matos Fernandes, há “750 milhões de euros de investimento em simultâneo apenas em cinco concursos” a que se juntam mais 100 milhões de euros com a compra de autocarros de elevada performance ambiental”. E mesmo que o número de novos utentes dos transportes colectivos ultrapasse o previsto, o Governo não irá dar mais dinheiro para os passes sociais este ano. “O valor está fechado, mas ninguém vai ficar de fora”, garantiu ao PÚBLICO o ministro do Ambiente e da Transição Energética, Matos Fernandes.

Cada um à sua maneira

Em alguns municípios vai passar a haver transporte a pedido ou, por exemplo, no caso de Penafiel, há um reforço da oferta de transporte para o hospital da cidade. Há decisões diferentes para cada câmara, sendo certo que as autarquias puderam optar por alocar até 40% da verba desta medida que lhe era destinada para aumentar a oferta de transportes. “Por exemplo, houve municípios que decidiram reduzir em 50% nas cadernetas de viagens ocasionais para adaptar a medida à realidade de cada concelho”, respondeu o primeiro-ministro ao PÚBLICO. Nestes casos, não há tantos passes mensais, mas mais deslocações pontuais.

A solução desta nova medida não é igual para todo o território, mas quem não sabe que se aplica em todo o país é porque está mal informado “e não percebeu nada do que aconteceu”, atirou Costa em resposta a PSD e CDS. Repetiu por várias vezes que a ideia partiu dos autarcas, em Março de 2018, e que o Governo acompanhou.

Após o almoço, António Costa regressaria a Lisboa de autocarro da TST. Os seus ministros abandonaram a ideia dos transportes públicos e voltariam de carro.