Pelo Porto, de tasca em tasca, a coleccionar petiscos

Aproveitamos a Rota das Tascas, realizada no âmbito da primeira Porto Food Week, para desvendar ou revisitar, sem faca e garfo, alguns espaços emblemáticos da cidade e outros novos. Conclusão: temos de voltar para mais (e aceitamos sugestões).

Fotogaleria
Casa Guedes Nelson Garrido
Fotogaleria
Casa Guedes Stefano Aguiar

Sem necessidade de desfazer enigmas, correr contra o tempo ou lutar por um prémio final, nesta Rota das Tascas todos ganham. Vencem os que já conheciam os espaços porque lá voltam, vencem os que desvendam pela primeira vez os sabores de alguns dos pontos de paragem e vencem também os que participaram para, com os pés debaixo da mesa, usarem os petiscos servidos em cinco casas do Porto, três delas mais tradicionais, duas mais modernas, como desculpa para o convívio.

O percurso da iniciativa realizada no sábado passado, no âmbito da primeira Porto Food Week, é feito por algumas das casas mais emblemáticas da cidade e ajudam a contar a sua história. Nos últimos anos, são também parte do roteiros dos turistas do Porto, que o visitam precisamente para conhecer alguns dos seus tesouros mais escondidos. Paradoxalmente, foi também esta procura incessante motivo para o fecho de algumas destas casas, que não se aguentaram por não poderem entrar no jogo do mercado imobiliário, que fez disparar os preços das rendas.

Na verdade, hoje, muitos destes sítios já não são segredos bem guardados. Alguns deles, dos que sobreviveram, conseguiram até crescer. Exemplo disso é o Gazela, que no ano passado se expandiu da Travessa de Cimo de Vila, onde nasceu em 1962, para a Rua de Entreparedes.

PÚBLICO - Gazela
Gazela Nelson Garrido
PÚBLICO - Gazela
Gazela Nelson Garrido
PÚBLICO - Gazela
Gazela Nelson Garrido
PÚBLICO - Gazela
Gazela Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido

Comer sem faca e garfo

É precisamente na casa-mãe que, ao início da tarde, se dá o tiro de partida para uma jornada de cerca de quatro horas de uma experiência gastronómica sem ajuda de faca e garfo, no registo informal que caracteriza esta forma de comer e beber.

Sai um dos já famosos cachorrinhos fatiados, que Anthony Bourdain (1956-2018), no episódio de Parts Unknown gravado no Porto, teve oportunidade de provar, acompanhado com um príncipe gelado. É um dos cerca de 800 que, em média, são preparados diariamente nos dois estabelecimentos. No interior da sala do Gazela original não cabe mais um cliente. O grupo de aproximadamente 15 pessoas que participa na rota aproveita a tarde soalheira encostado ao balcão exterior, no passeio de onde se consegue mirar a Praça de Batalha, onde está o Teatro Nacional de São João e o Cinema Batalha, à espera que as obras terminem para reabrir.

Comenta-se a iguaria – que ainda há pouco foi nomeada para um prémio internacional de gastronomia –, debate-se a receita e já se questiona se terá sido boa ideia almoçar antes de embarcar nesta aventura. Ainda faltam mais quatro tascas. São quinze minutos a pé de viagem até à próxima paragem. Tempo suficiente para ganhar espaço para a célebre sande de pernil da Casa Guedes, na Praça dos Poveiros.

PÚBLICO - Casa Guedes
Casa Guedes Nelson Garrido
PÚBLICO - Casa Guedes
Casa Guedes Nelson Garrido
PÚBLICO - Casa Guedes
Casa Guedes Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido

Nem sempre houve fila no Guedes

Foi há pouco mais de 30 anos que os irmãos Manuel e César Correia compraram este estabelecimento ao anterior dono que emprestou o nome de família à casa. Já se vendiam antes sandes de pernil, mas só depois de alterarem a receita é que passaram a dar que falar. A fila que se estende para fora e desce o passeio da rua confirma-o.

O molho ainda a pingar para o pão bijou, para os mais gulosos com queijo da serra, trata de lembrar que o cachorro do Gazela afinal serviu apenas para forrar o estômago. Não é o dia ideal para adeptos de dietas loucas.

Volta ao Porto em oito tascas imperdíveis

Um dos participantes, Vasco Vital, conhece a casa há “uns 25 anos”. O local de trabalho do primeiro emprego que teve, na Associação dos Industriais de Ourivesaria, ficava a dois passos. Ia lá frequentemente almoçar e recorda-se de nem sempre existirem filas: “Dantes era um espaço banal frequentado por quem morava ou trabalhava perto.” As sandes, na altura, já justificavam a deslocação. “Não havia era tanta gente que as conhecia”, conta.

Dali caminha-se para a Nortada, um espaço amplo, mais recente, mas que tenta através da decoração conservar o ambiente de fábrica. É desta casa da Nortada que saem os litros de cerveja que são distribuídos, actualmente, para outros bares da cidade e do país. Ao som de uma banda de versões que passa pela discografia de Bob Dylan ou Jimi Hendrix, provam-se cinco tipos de cerveja da marca – Lager, Dark Lager, Weisse Beer, produzida a partir do trigo, IPA e Imperial Stout. Para comer, serve-se uma tosta de atum, antes de se voltar à carne na próxima tasca.

PÚBLICO - Nortada
Nortada Stefano Aguiar
PÚBLICO - Conga
Conga Nelson Garrido
PÚBLICO - Xico Queijo
Xico Queijo Paulo Pimenta
Fotogaleria
Stefano Aguiar

Todos os anos à mesma hora no Conga

É na montra do Conga, onde se servem cerca de mil bifanas por dia, que se desvenda o que ali será servido. Mergulhadas no molho estão as bifanas que saltarão para o pão e serão entregues numas das mesas de um dos pisos superiores. Quem precisa de fazer uma pausa no pão, pode optar pela codorniz.

Para João Reis, que ali já não ia há “muito tempo”, durante muitos anos, desde a década de 1980, era tradição passar pelo Conga a data e hora sagrada. “Vinha cá sempre almoçar na véspera de Natal com o meu pai”, recorda.

Naquela altura, a casa era muito diferente. “Ainda não havia pisos de cima e só havia uma sala no piso de baixo.” Apesar de nesta rota ter optado pela bifana, era outro o motivo que o levava lá. “Vinha aqui comer codorniz. Nem sequer sabia que havia bifanas, na altura”, conta. Guardados na sua memória estão as “mesas bambas” e o molho que “ficava a borbulhar a tarde toda e escorria na montra”. Depois das obras realizadas entre 2012 e 2013, “pouco ficou” do original.

Ao final da tarde, em ambiente de princípio de uma noite potencialmente longa, o Xico Queijo, nas Galerias de Paris, aguarda o grupo com uma tábua de queijos e com um Porto – Ruby ou Tawny. Espaço mais recente, aberto há cinco anos, é feito para petiscar e para o convívio. No final da experiência, Paulo Ferreira, de Guimarães, mas que vem ao Porto regularmente, diz à Fugas que todos os espaços por onde passou foram uma surpresa. “Não conhecia nenhum.” Dos que ficou a conhecer, elege o Gazela e o cachorrinho como o vencedor do dia.

É sobretudo para que se conheçam estas casas que Pedro Ornelas, da Wow Hint, que organiza a iniciativa, planeia a Rota das Tascas. “Há muita gente da cidade que já ouviu falar de grande parte das tascas, mas nunca as visitou”, sublinha, acrescentando que a ideia é também “proporcionar o convívio”. A experiência será para repetir: “Há muitas tascas que ficaram de fora, quem sabe se numa próxima edição não serão incluídas outras.”

Sugerir correcção