EUA anunciam suspensão de tratado nuclear com a Rússia

Saída provisória dos norte-americanos do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio, de 1987, era desejada por Trump e foi anunciada por Pompeo. Retirada total agendada para daqui a seis meses.

Foto
Anúncio foi feito pelo secretário de Estado Mike Pompeo EPA/JIM LO SCALZO

O secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo anunciou esta sexta-feira que os Estados Unidos vão suspender a aplicação do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio (INF, na sigla em inglês) a partir de sábado. O abandono dos EUA do pacto histórico, assinado em 1987 com a antiga União Soviética para limitar o armamento nuclear de ambos os países, já tinha sido prometido por Donald Trump e, segundo Pompeo, será formalizado daqui a seis meses, se Moscovo não mudar de rumo.

Citado pela CNN, o chefe da diplomacia norte-americana, justificou a decisão com as “constantes violações” de Moscovo ao tratado, já denunciadas pelo vice-presidente Mike Pence numa cimeira recente da NATO.

“Durante anos a Rússia violou os termos do INF, sem apresentar quaisquer remorsos. As violações russas colocam milhões de europeus e americanos em grande risco e é nosso dever responder adequadamente”, afirmou o secretário de Estado.

No seguimento do ultimato lançado por Pence em Dezembro, Washington dá seis meses a Moscovo para demonstrar o seu compromisso com o INF. Caso se continuem a verificar as violações ao tratado – que a Rússia nega – os EUA avançam para a saída definitiva.

Através de um comunicado divulgado pela Casa Branca, Trump criticou a actuação russa e defendeu que os EUA “não podem ser o único país no mundo unilateralmente vinculado a este ou a qualquer outro tratado”.

“Vamos avançar para o desenvolvimento das nossas próprias opções militares de resposta e trabalhar com a NATO e com outros aliados e parceiros para negar qualquer vantagem militar à Rússia, obtida através da sua conduta ilícita”, prometeu o Presidente dos EUA.

A NATO também reagiu em comunicado, corroborando as acusações norte-americanas aos russos, lamentando a “violação material das suas obrigações” e a indisponibilidade de Moscovo para o diálogo. Deixou uma mensagem de apoio a Washington: “Os aliados apoiam totalmente esta acção”.

Assinado na última fase da Guerra Fria por Ronald Reagan e Mikhail Gorbatchov em 1987, o INF impôs a redução do número de mísseis de alcance intermédio, disparados a partir do solo, e o compromisso de não se fabricarem novas versões desse tipo de armamento, capaz de transportar ogivas nucleares. O tratado levou ambos os Estados a destruírem 2692 mísseis de curto e médio alcance.

Mas os Estados Unidos e a NATO asseguram que a Federação Russa desenvolveu recentemente o sistema de mísseis 9M729, violando claramente as disposições do tratado. Moscovo insiste, no entanto, que não cometeu qualquer ilicitude. Citado pela RT, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros Sergei Riabkov disse mesmo que as provas que os EUA têm vindo a apresentar são “fabricadas”.