Entrevista

Pedro Sobrado: “O Teatro Nacional São João não deve ter medo de parecer careta”

Na sua primeira entrevista como presidente do conselho de administração, Pedro Sobrado sublinha que o Teatro Nacional São João precisa de se reposicionar no Porto e no país. "Ricardopaisiano" assumido, evita pronunciar-se sobre a continuidade de Nuno Carinhas na direcção artística e garante o centenário do teatro, que se comemora em 2020, será mais do que um ego boost.

Fotogaleria
Pedro Sobrado,Pedro Sobrado Nelson Garrido,Nelson Garrido
Fotogaleria
Pedro Sobrado Nelson Garrido
Fotogaleria
Pedro Sobrado Nelson Garrido
Fotogaleria
Pedro Sobrado Nelson Garrido

Pedro Sobrado tomou posse como presidente do conselho de administração do Teatro Nacional São João (TNSJ) a 10 de Março, ao fim de 18 anos de casa – o longínquo anúncio de jornal de Fevereiro de 2000 que recrutava um assessor de imprensa para o São João, então dirigido por Ricardo Pais, é aliás um dos poucos objectos pessoais que trouxe para o seu novo gabinete da Praça da Batalha. Na primeira entrevista desde que assumiu o cargo, mantém o suspense sobre a recondução de Nuno Carinhas, cujo mandato termina ainda este ano (o seu programa para a temporada Setembro-Dezembro, que será anunciado esta sexta-feira, pode ser o da despedida), e agenda para 2020, ano em que o Teatro São João comemorará o seu centenário, a conclusão do processo de reposicionamento artístico e programático da casa agora em curso.

A 10 de Março, quando tomou posse, disse que a sua tarefa não seria a de começar coisa nenhuma, mas a de continuar o TNSJ. Continuar é suficiente quando os pares directos deste teatro, o D. Maria II, em Lisboa, e o Rivoli, no Porto, se tornaram tão afirmativos?

Continuar pode também significar regressar à matriz e fazer uma clarificação estratégica da nossa missão – reconhecendo a importância do que foi realizado pelos que nos precederam. É perverso que uma nova administração aja como se a história começasse com ela. Continuar é tão ou mais importante do que começar, num país marcado por descontinuidades sistemáticas nos seus projectos culturais. Um teatro nacional, e o São João em particular, não pode ter medo de parecer careta ou bota-de-elástico; se acusar esse medo, vai parecer um velhinho a fazer jogging com uma fita na testa. Devemos ousadamente afirmar a nossa identidade sem entrar em qualquer espécie de competição. Quando digo que o TNSJ não tem de ter medo de parecer careta, quero dizer, por exemplo, que no tempo do chamado teatro pós-dramático não devemos deixar de abordar os grandes repertórios, de Gil Vicente a Beckett; que no tempo em que os espectáculos tendem a reduzir-se à apresentação única, receando taxas médias de ocupação de sala baixas, nós devemos continuar a ousar carreiras longas; que no tempo das apps não devemos hesitar em continuar a investir no papel, infundindo um novo fôlego no programa editorial; que no tempo do imperativo categórico da aceleração nós devemos insistir na maturação orgânica dos projectos e dos espectáculos. Não temos de ser modernos a todo o custo – o que não quer dizer que a produção do São João não deva estar atenta à actualidade das linguagens de cena ou que a programação vire as costas às novas formas. Queremos cultivar a agilidade e informalizar a comunicação e a relação com os públicos. No fundo, diria que o São João tem de confundir as categorias do careta e do “prafrentex”, e de baralhar quem queira usá-las para nos classificar.

Mas não é importante que o São João reaja ao facto de os seus pares se terem reinventado?

Sim. No que diz respeito ao Rivoli, a sua devolução à cidade do Porto e a competência e a vitalidade com que a Câmara do Porto e o Tiago Guedes realizaram essa devolução vieram libertar o TNSJ para a sua missão. O São João, após a extemporânea extinção da Culturporto, teve de ser pai e mãe em simultâneo. Estamos ainda a tirar consequências da reconfiguração da vida cultural da cidade, e para mim é evidente que a celebração do centenário do São João, em 2020, deve servir sobretudo o desígnio de um reposicionamento estratégico deste teatro. Na cidade e no país.

Tendo em conta o reposicionamento do D. Maria II, ou são reflexões independentes?

O São João e o D. Maria II não precisam forçosamente de ter a mesma matriz – basta lembrar que o TNSJ tem vários edifícios. E, evidentemente, a direcção artística é crucial para determinar a personalidade de um teatro nacional.

Justamente: o TNSJ apresenta esta sexta-feira a última programação da era Nuno Carinhas, ou o mandato do director artístico, que expira no final do ano, vai ser renovado?

Esse assunto é da inteira responsabilidade da Secretaria de Estado da Cultura (SEC). Qualquer coisa que eu possa dizer iria alimentar uma especulação ociosa e improdutiva. Esse esclarecimento caberá à SEC.

E virá ainda antes do fim deste mandato do director artístico?

Estou certo de que sim. Mas mesmo a definição do timing cabe à SEC.

O secretário de Estado terá certamente em conta a opinião do presidente do conselho de administração, que, aliás, enquanto dramaturgista, tem uma continuada relação artística com Nuno Carinhas.

A relação de proximidade e de confiança mútua que se estabeleceu entre a administração do teatro e a SEC não exclui a possibilidade de um diálogo, bem pelo contrário.

Temos de insistir: preferiria prolongar a relação do Nuno Carinhas com a casa ou entende como mais saudável, ao fim de quase dez anos, que o São João experimente outra visão?

Respondo nos mesmos termos que há pouco: qualquer coisa que eu diga neste momento sobre o assunto vai alimentar uma especulação improdutiva. A minha opinião obviamente já foi devidamente dada em sede própria. Devo dizer que os quase dez anos do Nuno Carinhas à frente do São João enquanto director artístico coincidiram, em grande medida, com um período altamente recessivo, na economia como na cultura, no país e na cidade. Foram anos marcados por cortes orçamentais no São João, pelo desinvestimento público no sector das artes cénicas, e pela retracção do apoio municipal. E o Nuno Carinhas, sem grandes tiradas programáticas, sem fazer alarde disso, privilegiou o investimento na sobrevivência do tecido teatral da cidade, e não só, através da implementação de uma política de co-produções alargada. Esse reconhecimento é-lhe devido. Ele teve um papel importantíssimo nesses anos de chumbo. De resto, a identidade artística do São João é indissociável do seu trabalho artístico enquanto criador, encenador, cenógrafo e figurinista.

A questão da direcção artística terá sido, imaginamos, das que mais o ocuparam nestes primeiros seis meses. Para que serviu este tempo?

Quando fui de férias, há umas semanas, levava a sensação frustrante de que tinha sido um tempo de dispersão: sucessão de reuniões, proliferação de documentos, de planos, de relatórios. Só ao regressar de férias percebi que os seis meses de mandato desta administração foram um tempo curto para aquilo que realizámos. Começámos, depois de uma aturada discussão e avaliação conjunta, que envolveu a direcção artística, por proceder a uma cirúrgica restruturação orgânica da casa, formalizando as nossas acções formativas num Centro Educativo e criando uma direcção de edifícios (o São João tem quatro edifícios, incluindo o atelier da Rua Alexandre Herculano, e dois deles são monumentos nacionais) e um departamento de recursos humanos. Afeiçoámos e apurámos equipas, redistribuímo-las pelos edifícios – procurámos pôr-nos em ordem. Ao mesmo tempo, instituímos uma nova tabela de carreiras e remunerações e aplicámos as valorizações remuneratórias que foram autorizadas pela Lei do Orçamento de Estado (OE) deste ano e que foram muito oportunamente previstas pela administração anterior. E começámos a colocar as questões importantes acerca do nosso novo horizonte estratégico.

Actualmente o TNSJ são três palcos: o edifício-mãe da Praça da Batalha, o Teatro Carlos Alberto (TeCA) e o Mosteiro de São Bento da Vitória. Já disse que quer redefinir esta rede, mas qual é a ideia: dar a cada um dos espaços uma personalidade artística mais vincada?

O S. João conheceu várias mutações genéticas ao longo do tempo. Uma delas tem que ver com a dimensão física que adquiriu: o TNSJ tem hoje os tais quatro edifícios, dois dos quais são monumentos nacionais e requerem reabilitação (no caso do São João, a envolvente exterior implica aliás intervenção anual, porque temos uma fachada doente). Precisamos muito de fazer uma clarificação estratégica destes três espaços: que propósitos serve cada um deles, como é que participam da caracterização multiforme do São João, que lógica de complementaridade pode ser gerada entre eles?

Já foi possível chegar a conclusões?

Há uma conversa em curso que envolve não apenas a administração mas também a direcção artística, as equipas. Um caso muito interessante é o do Mosteiro de São Bento da Vitória, que foi acumulando funções de forma natural: serviu para instalarmos parte da nossa equipa, é espaço de trabalho e de apresentação de espectáculos, tornou-se uma fonte de receitas próprias importante, na medida em que é alugado para eventos externos… Temos discutido a possibilidade de ser um espaço onde acedemos ao teatro não pela via do espectáculo, mas pela via da memória e da documentação, que está a montante e a jusante do espectáculo, antes e depois da cena – temos já uma exposição permanente de cenografia e de figurinos do TNSJ –, e evidentemente também espaço de trabalho, de ensaio, laboratorial. Isso não significa que não continue a servir como espaço de apresentação, em especial de espectáculos pensados de raiz para o claustro, mas essa clarificação é importante. Gostaríamos também de retomar o projecto de reabilitação – o mosteiro nunca foi verdadeiramente reabilitado, à excepção do claustro – e de o aproveitar para apurar o conceito do mosteiro. A minha colega da administração Susana Marques iniciou já um diálogo sobre o assunto com a Direcção Regional de Cultura do Norte, que conhecesse muitíssimo bem este edifício. A mesma coisa em relação ao São João e ao TeCA. O TeCA acolheu o novo Centro Educativo e pode passar a ser o espaço da juventude, da infância, dos projectos educativos, para além de ser um espaço privilegiado de colaboração com as companhias da cidade e um ponto fundamental de circulação da criação contemporânea portuguesa.

Até que ponto o contrato-programa prometido pelo Governo – para cada um dos três teatros nacionais, de resto – é fundamental para organizar a vida do TNSJ? Esse instrumento foi anunciado pelo secretário de Estado já há mais de dois anos e a sua assinatura tem vindo a ser sucessivamente adiada. Mantém a esperança de o assinar até ao fim do mandato?

Certamente. É importante dizer que este contrato-programa foi negociado muito laboriosamente pela anterior administração. Os contratos-programa são ferramentas fantásticas de regulação da relação do Estado com os teatros nacionais; introduzem previsibilidade, nomeadamente previsibilidade orçamental, e isso é fundamental para deixarmos de fazer navegação à vista e trabalharmos o longo termo. É certo que alguns dos critérios não deixam de inspirar cuidado; refiro-me em particular a indicadores que têm a ver com receitas próprias e número de espectadores. Uma progressão linear destes indicadores parece pressupor que os teatros nacionais são máquinas de sucesso. Estou convencido de que devem ser máquinas de eficácia e de risco, porque um teatro nacional não pode deixar de promover e estimular o trabalho artístico de companhias ou criadores que não estão em condições de garantir à partida taxas médias de ocupação de sala da ordem dos 80, 90 ou 95%. Mas estou também absolutamente convencido de que os dirigentes dos teatros nacionais e os actuais responsáveis políticos têm consciência destes aspectos.

Essas métricas são vinculativas?

Os teatros nacionais comprometem-se a alcançá-las, e isso tem consequências – quando alcançam, ou superam, e quando não alcançam. Mas há um princípio muito salutar nestes contratos-programa: toda a organização que depende do erário público deve necessariamente comprometer-se com metas e deve esforçar-se por superá-las.

Não há perspectiva de uma data para a assinatura do contrato-programa?

Será certamente a curto prazo, a questão está presa por detalhes.

Em breve se discutirá o OE para 2019. Que expectativas tem?

O orçamento do São João para 2019 será em tudo idêntico ao de 2018 – estou a falar da indemnização compensatória, ou seja, da dotação que vem do Orçamento de Estado. São 4,9 milhões, com uma novidade: a este valor acrescem 13% de IVA, porque o São João passou a ser sujeito passivo de IVA desde 1 de Junho. Esses 13% de IVA podem constituir uma espécie de reforço indirecto.

O primeiro-ministro já prometeu que aumentará substancialmente a dotação da Cultura. O São João não beneficiará desse aumento?

Pode parecer paradoxal, mas é uma boa notícia estarmos no patamar de financiamento em que nos encontrávamos em 2010. Não significa que o aumento da dotação orçamental de equipamentos como o São João, mesmo que modesto, não pudesse ter um surpreendente efeito multiplicador – tê-lo-ia certamente.

O São João perdeu o seu mecenas, a REN, em 2010, e desde então não conquistou outro. É uma prioridade para o seu mandato?

Sim, é muito importante que isso aconteça. É claro que vai exigir o envolvimento do Ministério da Cultura e da SEC. Mas estou convencido, mais uma vez, de que o quadro do centenário nos pode ser favorável.

E, para esse ano, o TNSJ gostaria de ver aumentada a sua dotação orçamental?

Não temos a expectativa de que o orçamento do São João por via do OE venha a crescer exponencialmente, mas estamos a trabalhar na captação de financiamento extraordinário – refiro-me a financiamento comunitário. Gostaríamos que ele servisse vários propósitos: a renovação de todo o parque técnico do São João, que está no limiar da obsolescência; a substituição do palco e algumas obras de reabilitação do edifício; o reforço da programação artística, nomeadamente no que diz respeito a espectáculos internacionais e a digressões nacionais, sobretudo na região Norte; e também um programa editorial e formativo de grande fôlego.

O TNSJ tem grandes ambições para o centenário?

O centenário tem de servir para algo mais do que um programa auto-celebratório. A ideia de uma festa permanente é, em si mesma, muito pouco estimulante. A celebração do centenário tem de fornecer o quadro favorável para um reposicionamento estratégico do São João como teatro nacional. Ambicionamos recobrar prestígio e notoriedade? Certamente. Queremos ocupar espaço mediático? Sem dúvida. Mas queremos sobretudo redefinir-nos como teatro nacional e o centenário tem de ser o quadro favorável para esse reposicionamento na cidade e no país, num horizonte de dez anos. A celebração do bicentenário da Revolução Francesa, por exemplo, propiciou a que instituições como o Centro Georges Pompidou ou a Biblioteca Nacional se reinventassem e redefinissem. É muito importante que o centenário sirva para algo mais do que um ego boost, que sirva para uma clarificação estratégica da nossa missão e da nossa actividade.

É demasiado cedo para nos dar exemplos do que poderá acontecer aqui em 2020?

Do ponto de vista da programação artística é, até porque essa discussão envolve a direcção artística, portanto, do ponto de vista programático, não posso adiantar rigorosamente nada. Posso adiantar, sim, no que diz respeito ao que é a missão do S. João: a afirmação da produção própria, do São João como produtor – produzir é ser autor e o São João é autor de espectáculos –, e portanto como um teatro com personalidade artística própria; a necessidade de reconstituir o tal elenco quase residente de que vimos a falar; o fortalecimento de uma política editorial própria; a reactivação do projecto internacional. Isto está no nosso espírito quando falamos do centenário.

Isso significa que o regresso ao caminho da internacionalização vai ter de esperar por 2020?

Sim. É um caminho longo e árduo. O que aconteceu foi que o S. João teve uma projecção internacional notável entre 2004 e 2010. E é notável tendo em conta a escala dos nossos espectáculos, alguns dos quais têm exigências técnicas e logísticas muito consideráveis. Sob o influxo da crise, com os cortes orçamentais e a retracção da produção própria, com a desagregação do elenco, o nosso projecto internacional perdeu fôlego. É muito importante, agora, reactivarmos esse projecto, mas não necessariamente nos mesmos moldes e nos mesmos termos. A própria União dos Teatros da Europa [que o TNSJ integra] está numa fase de reconfiguração. A eleição do Gábor Tompa para a presidência da UTE é uma boa notícia, e o programa que ele está a esboçar parece vir ao encontro das expectativas de um teatro como o S. João, mas a UTE é uma rede que mudou consideravelmente, já não é a rede que nós conhecemos em 2004 quando realizámos aqui aquele festival da UTE. Boa parte dos teatros membros de então deixou a UTE, muitos outros se associaram nos últimos anos. Nós temos de ver que caminho podemos fazer agora.

Dentro da UTE?

Dentro da UTE. Temos de ver que relações bilaterais podem ser activadas. E gostaríamos muito também de recuperar esse romance inacabado que temos com o Brasil, embora talvez devamos ampliar o escopo desse desígnio e incluir aqui outros países de língua oficial portuguesa, que possui uma herança transbordante e de que o palco pode servir como uma espécie de reserva ecológica. É um caminho árduo, que toma tempo, mas esperemos que seja recompensador.

O São João tem saudades do PoNTI? O modelo de um festival internacional interessa ao TNSJ nesta fase?

Enquanto espectador, tenho muitas saudades, mas a recuperação do PoNTI, ou de um festival com essa natureza, não está a ser discutida neste momento. Mas é muito importante que o projecto internacional do TNSJ não se resuma à digressão dos nossos espectáculos e passe também pelo robustecimento qualificado da programação internacional no Porto.

Para o programa que ambiciona pôr em prática no centenário, o que é que haverá do legado, do “fantasma”, de Ricardo Pais?

O Ricardo Pais não é certamente um fantasma. O Nietzsche dizia: “Não nos livraremos de Deus enquanto não nos livrarmos da gramática.” Pela minha parte, não faço planos de me livrar da gramática, e a minha é “ricardopaisiana” – assumo-o desassombradamente. Não gosto sequer de me referir ao Ricardo com um mestre ou uma referência, que são coisas tremendamente aborrecidas para alguém tão vitalista quanto ele, que está sistematicamente em fuga para a frente em relação às suas certezas e que é capaz de fazer a irrisão de si próprio. Mas sou herdeiro da ideologia que presidiu à fundação do TNSJ, e assimilei do Ricardo coisas tão diversas quanto a noção de que não há nada mais delirantemente cénico do que a palavra, ou a percepção de que na frivolidade se pode ocultar um capital de inquietação que escapa a muito boas consciências. O Ricardo Pais não é apenas um gestor cultural importantíssimo na história do Portugal democrático; é um instigante criador, em cuja loucura há método, rigor. Seria interessante assistir ao seu comeback no quadro de 2020. Mas aqui já estou no território do wishful thinking.

O recentramento do TNSJ na produção própria passará pela recomposição do “elenco quase residente”, como lhe chamou na tomada de posse? Tem garantias de que seja possível avançar para esse modelo?

Ao contrário de outros teatros públicos europeus – os designados teatros de arte –, o São João nunca teve um elenco fixo de actores residentes. É uma solução onerosa, financeiramente, e é uma solução artisticamente cristalizadora. No entanto, estamos persuadidos da necessidade de termos um elenco quase residente, ou um núcleo de actores contratados à temporada, ou anualmente. Porque isso permite várias coisas. Antes de mais, permite um raciocínio mais consequente sobre a política dos reportórios e a produção própria; favorece também as digressões nacionais e internacionais. E esse “elenco quase residente” – como gostamos de lhe chamar – pode ser altamente rentabilizado noutras acções dentro do São João, e que também qualificam o teatro. Estou-me a referir a oficinas, leituras, seminários… É paradoxal um teatro desta natureza não ter actores que o habitem e que trabalhem connosco permanentemente.

Quantos actores seriam precisos, no imediato, para dar corpo a esse programa?

Provavelmente teremos de assumir um princípio evolutivo. Começar com um núcleo muito restrito, de cinco, seis actores, e progredir para 10, 12… Sem que isso exclua a possibilidade de contratarmos actores para projectos específicos.

Quando acredita que isso poderá acontecer?

Gostaria muito que em 2020 tivéssemos um primeiro núcleo de actores residentes. E não acho que seja inviável.

O recentramento nas produções próprias irá fazer-se, necessariamente, à custa de um afunilamento substancial das co-produções…

O conceito de co-produção tem de ser reabilitado, porque nos últimos anos foi objecto de um generalizado abastardamento. Co-produzir não é substancialmente diferente de acolher, para a generalidade dos equipamentos. Frequentemente, a única diferença consiste no timing do financiamento, no momento em que o cheque é passado. Mas co-produzir tem de significar mais do que isso. Tem de passar, para além de condições financeiras dignas, pelo acompanhamento técnico e documental, pela cedência de espaços de trabalho, de tempo de palco... No fundo, uma co-produção deveria ser o eixo técnico-logístico e financeiro essencial à viabilização de um projecto artístico. E, provavelmente, nesta acepção, isso pode significar co-produzir menos. Mas o conceito de co-produção tem de ser reabilitado, nobilitado. E o teatro nacional é o lugar onde essa reabilitação deve ser feita. O TNSJ tem de ser um co-produtor de referência.

O São João é um edifício do arquitecto José Marques da Silva. Está na agenda do centenário estabelecer relações programáticas com o Instituto Marques da Silva e com a Universidade, de que ele faz parte?

Com certeza. Mas estamos ainda numa fase muito embrionária da discussão sobre a celebração do centenário. O São João tem uma relação forte com a cidade, e o centenário devia propiciar a renovação desse vínculo afectivo, a renovação do sentido de pertença. Seria muito interessante que este hierático, solene e muito pomposo edifício fosse invadido pelas memórias das pessoas que o conheceram e habitaram, mesmo daquelas que não o frequentaram nos últimos 25 anos: desde a Maria Amélia Canossa, que gravou aqui o hino do FC Porto numa madrugada de 1952, até Giorgio Barberio Corsetti, que nos ensinou a delirar com o nosso património dramatúrgico, quando encenou aqui As Barcas [de Gil Vicente].

O São João não teve a “fortuna” de ser cobiçado por uma qualquer Igreja Universal, como aconteceu com o Coliseu, ou de ser cantado, como o Rivoli, além de que se encontra num sítio um bocado ingrato, a Praça da Batalha – “a praça do lumpemproletariado”, como dizia o Ricardo Pais. Estando anunciada a reabilitação do Cinema Batalha, isso poderá abrir uma nova oportunidade para uma intervenção urbanística na praça?

A reabilitação do Cinema Batalha seria uma boa notícia para o São João, porque há momentos em que nos sentimos já um bocadinho na periferia, num lugar de fronteira…

A turistificação da cidade não alterou grandemente o destino desta zona, embora os turistas não andem muito distantes... Vêm ao São João?

No âmbito das visitas guiadas, a presença de turistas é muito relevante; no que diz respeito aos espectáculos, é pouco mais do que residual.

Mas vale o esforço da legendagem?

Vale. Dou um exemplo: na passada semana, quando realizámos uma série de entrevistas para a equipa de bilheteira, conhecemos uma espectadora assídua que tem um namorado iraniano que não fala português, embora viva no Porto. A legendagem não se destina apenas a turistas, mas também a residentes e estudantes estrangeiros. E integra-se num raciocínio mais amplo sobre a acessibilidade. Um teatro nacional é, por definição, um teatro para todos – gosto de dizer que o São João tem de ser um teatro de elite para todos –, e daí a nossa insistência, por exemplo, em legendar os espectáculos em língua gestual, e também na áudio-descrição, nas “sessões descontraídas”... O raciocínio é este: um teatro nacional, mesmo sabendo que vai perder dinheiro, tem de investir na acessibilidade para todos os públicos. É uma questão de princípio.

Mas os turistas são uma parte importante na equação dos públicos do São João, ou ainda não?

Ainda não. Têm uma presença significativa nas visitas guiadas no São João e em São Bento da Vitória. E no caso do mosteiro isso tornar-se-á ainda mais evidente, porque vamos incluir na visita também a Igreja de São Bento da Vitória, que será visitável pela primeira vez, de forma regular, fora das celebrações litúrgicas. Nos espectáculos a presença é pouco mais do que residual. Mas não podemos ser erráticos e desistir tão prontamente da aposta de legendar os espectáculos. Estamos na expectativa de que sobretudo as produções próprias possam captar franjas deste público.

Na temporada que agora começa, o TNSJ associa-se a três estruturas que ficaram excluídas dos apoios da DGArtes e de que é parceiro regular: Ensemble, Teatro Experimental do Porto e Festival Internacional de Marionetas do Porto. Como viu todo esse processo?

Não conheço o regulamento dos concursos, ou não me detive suficientemente sobre eles, ignoro a forma como as candidaturas foram instruídas e não li com a devida atenção as actas dos júris. Além disso, não me devo pronunciar, porque a DGArtes é um organismo tutelado pela SEC, como o é o TNSJ. É evidente que lamento que uma companhia como, por exemplo, o Ensemble, cujo trabalho é manifestamente consistente, não tenha obtido financiamento.

É claramente a resposta de um presidente de um conselho de administração... Para além da capacidade de fugir assim às questões, em que é que os últimos seis meses mudaram a sua vida?

O Manuel António Pina, quando recebeu o Prémio Camões – e salvaguardadas as devidas distâncias –, disse: “Foi a coisa mais inesperada que eu poderia esperar.” Eu poderia dizer a mesma coisa. Foi a coisa mais inesperada porque, até o convite ser formulado, parecia-me inverosímil que viesse a suceder. E, no entanto, era uma coisa que eu poderia esperar, porque reconheço que a Francisca Carneiro Fernandes [antecessora de Pedro Sobrado no cargo] me preparava para um dia exercer estas funções, o que é tanto mais surpreendente quanto temos formações, percursos e até personalidades muito diversos. Vou fazer uma comparação tola, e pretensiosa: tal como a personagem Hamlet está escrita, o papel de presidente do conselho de administração está escrito – e muito bem fixado na lei orgânica do São João –, mas admite uma considerável amplitude de interpretação. Que é de resto um trabalho de equipa exercido com as minhas colegas Susana Marques e Sandra Martins, não é um one man show. Talvez possa levar esta analogia um pouco mais longe: tal como Hamlet, o presidente do conselho de administração do São João tem de possuir um fascínio contínuo pelo teatro e gostar de actores. Não pode é demorar cinco actos para agir.

Estas suas funções são compatíveis com as de dramaturgista “quase residente” que vinha desempenhando até aqui?

Talvez não sejam compatíveis por falta de disponibilidade, mas, a meu ver, não são indissociáveis. Eu não sou o presidente do conselho de administração apesar de ser dramaturgista; eu tornei-me o presidente do conselho de administração também porque sou dramaturgista. No fundo, é como se este cargo exigisse alguém do teatro. Esta nomeação não é tanto o reconhecimento de méritos individuais, é o reconhecimento da maioridade do teatro para se pensar e governar.

A continuidade do seu trabalho como dramaturgista é uma possibilidade, do ponto de vista legal?

Não há nenhum impedimento. A lei orgânica prevê que o presidente do conselho de administração faça também trabalho artístico.