Europeias: Resultados oficiais publicados em Diário da República

Confirma-se que a abstenção atingiu o valor mais elevado de sempre em eleições: 66,3%. Pouco mais de três milhões e duzentos mil eleitores foram às urnas.

Decididas por um voto, eleições em Santo Tirso vão ser avaliadas pela juridição nacional do PS
Foto
Comissão alerta para as respostas que permitam leituras políticas sobre preferência do entrevistado Daniel Rocha

Os resultados oficiais das eleições portugueses para o Parlamento Europeu, a 25 de Maio passado, nas quais foram eleitos 21 mandatos, e a relação dos deputados eleitos, foram publicados esta terça-feira em Diário da República.

A abstenção nas eleições para o Parlamento Europeu registou um novo recorde em Portugal, com um valor de 66,3%, o mais elevado de sempre em Portugal, só ultrapassado pela registada no referendo de 1998.

De acordo com os dados da Comissão Nacional de Eleições, a distribuição dos 21 mandatos deu-se através dos votos de 3.284.452 pessoas, de um universo de 9.753.568 eleitores inscritos, o que equivale a 33,67% de votação.
A percentagem de votos em branco rondou os 4,38% (143.957), enquanto os nulos foram 3,04% (99.724).

A CDU conseguiu um dos seus melhores resultados de sempre - passando a ter três eurodeputados -, enquanto o BE caiu para menos de metade em relação a 2009, sendo a surpresa da noite das eleições o resultado do MPT, com a eleição do cabeça-de-lista, António Marinho e Pinto, e do número dois José Inácio Faria.

Votaram na CDU (Coligação Democrática Unitária -- PCP, PEV) 416.925 eleitores, correspondendo a 12,69%. Já o Movimento Partido da Terra (MPT) teve 7,15% dos votos, o que representa 234.788 votantes.

O PS surge como o partido mais votado, com 31,49%, através do voto de 1.034.249 pessoas, resultado com que elegeu oito mandatos, enquanto na Aliança Portugal (PPD/PSD, CDS-PP) votaram 910.647 eleitores, o equivalente a 27,73% e sete mandatos.

A Nova Democracia (PND) obteve 0,70% dos votos (23.082), o Movimento Alternativa Socialista (MAS) 0,38% (12.497), o Partido pelos Animais e pela Natureza (PAN) 1,72% (56.431), o Partido Operário de Unidade Socialista (POUS) 0,11% (3.666), o Partido Trabalhista Português (PTP) 0,69% (22.542), o LIVRE 2,18% (71.495) , o Bloco de Esquerda 4,56%, (149.764), que lhe valeram um mandato.

Já o Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) conseguiu 1,67% dos votos (54.708) , o Portugal pro Vida (PPV) 0,37% (12.008), o Partido Democrático do Atlântico (PDA) 0,16% (5.298), o Partido Nacional Renovador (P.N.R.) 0,45% (14.887) e o Partido Popular Monárquico (PPM) 0,54% (17.785).

Pelo PS foram eleitos os deputados Francisco Assis, Maria João Fernandes Rodrigues, José Carlos Zorrinho, Elisa Ferreira, Ricardo Serrão Santos, Ana Gomes, Pedro Silva Pereira e Liliana Góis.

Já pela Aliança Portugal, foram escolhidos Paulo Rangel, Fernando Ruas, Sofia Ribeiro, João Nuno de Melo, Carlos Coelho, Cláudia de Aguiar e José Manuel Ferreira Fernandes.

João Ferreira, Inês Zuber e Miguel Viegas foram os deputados eleitos pela CDU - Coligação Democrática Unitária, enquanto António Marinho e Pinto e José Antunes de Faria foram eleitos pelo Partido da Terra. Marisa Matias será a única representante portuguesa no Parlamento Europeu do Bloco de Esquerda.