Quatro em cada dez deputados vão estrear-se na votação da eutanásia

Nova redacção da legalização da morte medicamente assistida tem aprovação praticamente garantida nesta quinta-feira, apesar dos pareceres contra das ordens profissionais.

Foto
Imagem do plenário numa das votações da eutanásia Nuno Ferreira Santos

Quatro em cada dez deputados vão estrear-se nesta quinta-feira na votação da legalização da morte medicamente assistida: para além dos 72 deputados que foram eleitos pela primeira vez nesta legislatura e assumiram o mandato, há também mais duas dezenas e meia de deputados que não eram parlamentares quando a eutanásia foi discutida e votada no Parlamento em 2018, 2020 e 2021 – como os socialistas Tiago Brandão Rodrigues, João Pedro Matos Fernandes, Berta Nunes ou Augusto Santos Silva que estavam no Governo. Desta vez, estão em cima da mesa quatro projectos de lei do PS, IL, BE e PAN, e a proposta de referendo do Chega. Será a quarta vez que em quatro anos o tema vai a plenário para uma votação na generalidade.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários