A democracia está viva

Fazendo a retrospectiva das últimas semanas, ou avaliando o que se disse com sentido para o futuro, a campanha correu melhor do que o esperado.

A poucos dias das eleições, ninguém sabe quem vai ganhar e isso é bom para a democracia. A incerteza estimula o debate e o debate instiga a participação. O que parecia um exercício previsível e inútil por estar condenado a repetir os resultados de 2019 deu lugar a uma campanha viva, com mudanças na correlação de forças entre partidos e áreas ideológicas, com novidades nos temas em discussão, com personagens desconhecidas a revelarem-se, com líderes inseguros a afirmarem-se e com governantes confiantes a terem de fazer pela vida. A campanha escapou à condenação do fatalismo – ver-se-á se escapa ao receio do tempo perdido.

Sugerir correcção
Ler 34 comentários