Presidente fica ao comando e sai reforçado com dissolução do Parlamento

Mesmo sem demissão, o Governo fica com poderes diminuídos e o Presidente fiscaliza sozinho o executivo. E apesar dos prazos constitucionais, tem carta branca para marcar eleições para quando entender.

Foto
Marcelo Rebelo de Sousa vai ficar sozinho na sala de controlo do sistema político Nuno Ferreira Santos

Com a anunciada dissolução do Parlamento, todos os caminhos políticos dos próximos meses passam por Belém. Marcelo fica sozinho na vigilância do sistema político: o Presidente passa a ser a única instância de controlo do poder legislativo e político do Governo, passa a ter a última palavra nos diplomas que ainda possam sair da Assembleia da República e até pode condicionar os calendários políticos, em particular dos partidos da direita em fase de eleições internas. Durante cerca de três meses ou um pouco mais, o comando é seu.