Rita Marrafa de Carvalho: “Nenhum de nós concebe conseguir matar alguém”

Em Depois do Crime, a jornalista revisita os crimes de sangue mais mediáticos dos últimos 30 anos em Portugal. A história do padre Frederico Cunha foi a que mais a marcou, confessa, em entrevista ao PÚBLICO.

rtp,televisao,entrevista,livros,crime,justica,
Fotogaleria
Rita Marrafa de Carvalho é jornalista da RTP desde 2000 Raquel P. Fonseca
rtp,televisao,entrevista,livros,crime,justica,
Fotogaleria
"Depois do Crime" é apresentado esta quinta-feira, 28 de Outubro DR

O “Monstro de Fortaleza”, o padre Frederico, a Maria das Dores, o “Mata-Sete”, o cabo Costa, o “Monstro de Beja”, Tó Jó e Manuel “Palito” — são estes os oito autores dos crimes de sangue que chocaram Portugal nos últimos 30 anos. Depois de uma série documental na RTP, a jornalista Rita Marrafa de Carvalho conta, em livro, o que aconteceu a estes assassinos, às suas famílias e aos familiares das vítimas depois de o impacto mediático ter esmorecido. A apresentação de Depois do Crime, a cargo da magistrada Maria José Morgado, acontece esta quinta-feira, 28 de Outubro, na Sala do Âmbito Cultural no El Corte Inglés, em Lisboa, às 18h30.

Sugerir correcção
Comentar