No festival Paragem não há férias no Algarve para ninguém

Em Lagoa, Algarve, durante dois fins-de-semana, criadores como Sara & André, Sónia Baptista, Jonas & Lander ou Vânia Rovisco não terão tempo para férias, mas haverá muitas intervenções artísticas para interrogar a ideia de férias. Começa esta quinta-feira.

Foto
Uma, projecto fotográfico de Filipa Brito & Maria Inês Brito

Houve uma edição zero em 2019, depois em 2020, apesar do contexto difícil da pandemia, o festival Paragem não parou, e agora em 2021, aí está ele de novo, arrancando esta quinta-feira e prolongando-se até 18 de Setembro. Ou seja, serão dois fins-de-semana, repletos de práticas artísticas interdisciplinares, maioritariamente ao ar livre, em espaços e locais não convencionais, de praias, adegas a estações de serviço, em Lagoa, Algarve.

Segundo a Associação Bóia, a entidade organizadora, haverá uma série de actividades artístico-culturais nas áreas da música, teatro, dança, artes visuais ou literatura, apontando-se para uma combinação de criadores reconhecidos e outros mais emergentes. O lema, ou o desafio endereçado aos muitos participantes, remete para o questionamento da ideia de férias no Algarve, estimulando ou acrescentando novos sentidos a essa concepção.

Foto
On-est-ici, conferência-performance de Sara Vaz & Marco Balesteros

Esta quinta-feira, por exemplo, ao final da tarde, haverá várias performances a decorrer em espaços como o anfiteatro da Nossa Senhora da Encarnação, no Carvoeiro, onde Júlia Salem & Elizabete Francisca apresentarão Partilha elástica, ou Nelson Guerreiro, Discurso de Circunstância. Já no passadiço da Praia do Carvoeiro, a performer e bailarina Vânia Rovisco mostrará Tableau-Vivant e a dupla Electro-Domésticas (Filipa Brito e Lara Morais), As Argilosas. Esta sexta-feira, pelas 17h, haverá um passeio de comboio turístico com paragens inesperadas — e muitas intervenções artísticas pelo caminho, de Sara Vaz & Marco Balesteros ou Sónia Baptista — com ponto de encontro no largo da praia do Carvoeiro. As paragens não serão propriamente pontos de interesse turístico, mas, por exemplo, um campo de ténis dos anos 1970 desactivado. No sábado, a dupla de artistas Sara & André, na praia do Carvoeiro, pelas 15h, também responderá ao desafio balnear endereçado com a performance A Collection and the Means for its Display, enquanto a artista Susana Mendes Silva, a partir de um workshop, apresentará um projecto de podcast feito com várias alunas do território.

Na próxima semana, na quinta-feira, dia 17, no farol da Alfanzina, Von Calhau e a coreógrafa Tânia Carvalho farão uma apresentação de Orifício Distante, mesclando música, artes visuais e movimento. No dia 18, destaque para João Ferro Martins na companhia da Banda Filarmónica de Silves, ou para a performance de Nuno Gil, apropriadamente intitulada Campismo Selvagem. O duo de coreógrafos Jonas & Lander entrará em acção no dia 18 com Coin Operated, no Anfiteatro da Nossa Senhora da Encarnação, o mesmo local onde o artista Vasco Araújo mostrará o vídeo Se Eu Começasse de Novo.

Mas muito mais haverá. Durante alguns dias, em Lagoa, o Algarve costeiro, do sol, da praia, do marisco e das festas ao pôr-do-sol, será também o da criação artística contemporânea, pensada para público local ou sazonal.