Algarvensis: entre a serra e o Barrocal, escondem-se mares e fósseis com milhões de anos

Descemos ao miolo da Terra para descobrir uma mina de sal-gema e subimos à Rocha da Pena para encontrar mares antigos e salamandras gigantes. No aspirante Geoparque Algarvensis contam-se 350 milhões de anos gravados a pedra e fósseis, mas também aldeias dinâmicas e um programa cultural.

fugas,algarve,turismo,ambiente,paleontologia-,geologia,
Fotogaleria
Junto ao Penedo Grande, em São Bartolomeu de Messines Duarte Drago
fugas,algarve,turismo,ambiente,paleontologia-,geologia,
Fotogaleria
Foi a descoberta de uma nova espécie, o Metoposaurus Algarvensis, que impulsionou a criação do geoparque Duarte Drago
fugas,algarve,turismo,ambiente,paleontologia-,geologia,
Fotogaleria
Vestígios arqueológicos no Castelo de Silves Duarte Drago
fugas,algarve,turismo,ambiente,paleontologia-,geologia,
Fotogaleria
O Castelo de Paderne fica próximo do Planalto do Escarpão, um dos geossítios identificados Duarte Drago
fugas,algarve,turismo,ambiente,paleontologia-,geologia,
Fotogaleria
A aldeia da Penina vai ser palco da maior festa do Geopalcos Duarte Drago
fugas,algarve,turismo,ambiente,paleontologia-,geologia,
Fotogaleria
A freguesia de Paderne é a única do município de Albufeira no território do geoparque Duarte Drago
fugas,algarve,turismo,ambiente,paleontologia-,geologia,
Fotogaleria
No Penedo Grande, em São Bartolomeu de Messines Duarte Drago
fugas,algarve,turismo,ambiente,paleontologia-,geologia,
Fotogaleria
Foi junto à Rocha da Pena que foram encontrados os fósseis de metoposauros Duarte Drago

Quando se soube que ia haver festa na aldeia, Fábio Padinha decidiu criar o Jornal dos Peneireiros, seis páginas onde a edição inaugural já dá conta da limpeza e arranjos nas ruas da Penina, feitas pela população da aldeia, assim como os falecidos e aniversariantes de Abril, entre poemas e curiosidades. “Há muitas pessoas de idade aqui e como estavam a surgir notícias sobre o GeoPalcos, ele pensou fazer um jornal para ser só entregue aqui na aldeia para pôr os mais velhos a par do que se passa”, vai contando Manoli Ortis de la Torre, espanhola crescida na Bélgica e que há 20 anos mora nesta pequena localidade do concelho de Loulé, aos pés da Rocha da Pena.