O debate que a nação viu foi mais sobre o orçamento e menos sobre o estado dela

A direita vê o Governo “cansado e desgastado” e apontou a porta da rua a Eduardo Cabrita. O primeiro-ministro acentuou a tónica de uma oposição que só fala de “casos e casinhos”.

Foto
António Costa abriu o debate que Augusto Santos Silva encerrou LUSA/ANTÓNIO COTRIM

Mais do que em modo de avaliação do estado da nação, os partidos da esquerda parecem já estar em modo de orçamento — e isso condicionou o debate de quatro horas e meia em que, apesar de haver um país mergulhado numa crise pandémica há ano e meio, não se ouviram as críticas acesas nem as respostas ásperas de outros anos. Empurrando para o fim do mês de Julho o início das reuniões sobre o Orçamento do Estado para 2022, o Governo conseguiu ter como interlocutores quatro partidos expectantes e cuidadosos que regularam as intervenções quase com pés de lã. A direita fez o diagnóstico do estado do executivo, desgastado, cansado, sem mão para reerguer o país e insistiu na remodelação do ministro Eduardo Cabrita​. Houve também quem recuperasse o termo “narrativa”, lembrando fantasmas antigos.