Israel ataca instalação do Hamas em Gaza em resposta a balões incendiários

O exército de Israel garantiu que responderá “com firmeza” às “iniciativas terroristas de Gaza”, referindo-se ao lançamento de balões incendiários, que caíram perto de quatro cidades israelitas junto à fronteira sul.

Foto
A Faixa de Gaza foi palco dos confrontos que duraram 11 dias entre Israel e Hamas, em Maio MOHAMMED SABER/LUSA

Israel atacou uma instalação do Hamas durante a noite de quinta-feira, em resposta ao lançamento de balões incendiários desde a Faixa de Gaza, quebrando a calma de mais de duas semanas desde o último confronto.

“Em resposta aos balões incendiários lançados desde Gaza na direcção de Israel, aviões de combate das Forças de Defesa de Israel atingiram esta noite uma fábrica de arma que pertencia ao Hamas”, confirmou o exército na sua página oficial do Twitter.

O exército israelita partilhou imagens do ataque aéreo ao local e garantiu que responderá “com firmeza” às “iniciativas terroristas de Gaza”, referindo-se aos balões incendiários. O Hamas ainda não comentou o sucedido. 

Os balões provocaram quatro incêndios perto de quatro cidades israelitas na fronteira a Sul. No entanto, não foram registados danos de maior, porque as chamas causadas foram “pequenas e não perigosas”, indicaram os bombeiros israelitas.

Do lado de Gaza, até ao momento não foram confirmadas vítimas do ataque aéreo ao enclave palestiniano, segundo o Times of Israel.

O ataque quebrou a calma que durou duas semanas desde os últimos ataques entre Israel e Hamas, que ocorreram em meados de Junho na sequência da Marcha das Bandeiras, uma manifestação sionista que desfilou em Jerusalém.

Inicialmente, estava previsto que a marcha tivesse lugar no dia 10 de Maio, mas foi suspensa depois dos ataques aéreos do Hamas, que responderam à repressão contra os manifestantes que protestavam contra a evacuação de palestinianos no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém, e a irrupção das forças de segurança israelitas na mesquita de Al-Aqsa.

Os incidentes resultaram num violento confronto de 11 dias na Faixa de Gaza, onde morreram mais de 250 palestinianos e 12 pessoas em Israel.