Quando ela nasceu, nada ficou como estava

O poeta Sebastião da Gama que nos perdoe por contrariar o seu “Quando eu nasci, ficou tudo como estava”. Nunca fica.

ilustracao,criancas,amor,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Maria Remédio
ilustracao,criancas,amor,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Maria Remédio
ilustracao,criancas,amor,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Maria Remédio
ilustracao,criancas,amor,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Capa de “Tão Pequenina, tão Grande ”, edição da Máquina de Voar Maria Remédio

Um livro pensado e escrito por uma mãe (pela primeira vez) em licença de maternidade, a viver aqueles “meses cansativos” iniciais, mas cheios de “maravilhas”. Diz a autora do texto, Maria João Lopes: “Enquanto andava à volta da mesa da sala, em círculos, a adormecê-la, ia pensando na mudança tão grande que estava a acontecer, uma mudança tão grande e ela tão pequenina ao meu colo.”

A história, que é sobretudo um relato de emoções e não uma narrativa no sentido clássico do termo, começa assim: “Quando saí da barriga da minha mãe, era muito pequenina, mas tudo o que fazia era em grande.”

Pela voz da criança acabada de nascer, é-nos dado conta de todas as mudanças que a chegada de alguém ao mundo impõe. “Longas madrugadas”, “olheiras bem profundas e escuras”, “caminhadas sem fim, comigo ao colo, pela casa”. Mas também canções cantadas ao ouvido, visitas de toda a família, ofertas de roupa e conselhos infinitos (e cansativos) sobre como cuidar da menina.

Brincar com as escalas

Maria João Lopes, jornalista do PÚBLICO, mas que em breve deixará de o ser (em Setembro, iniciará um projecto de investigação em literatura infanto-juvenil na Universidade de Aveiro, como bolseira de doutoramento), brincou com a ideia de escalas: “Entre o tão pequenino e o tão grande, na alteração de rotinas, no cansaço, nas pequenas transformações do quotidiano, no colo, nos mimos, no amor e no espanto que eu e o pai sentimos ao vê-la crescer.” Afinal, “ela era tão pequenina, mas capaz de mudanças dignas de gigante” e a própria mãe se sentiu, aqui e ali, também “pequenina”.

Foto
Maria Remédio

Depois, contou ainda: “Quando ela adormecia, punha-me a tentar dar forma à ideia com palavras. Já não me recordo bem de todas as fases de escrita do texto, sei que a primeira versão aconteceu nessa altura e que, mais tarde, voltei ao texto, fiz algumas alterações, mudei certas palavras, acrescentei algo, embora tivesse mantido o essencial. E o essencial, para mim, foi também tentar captar os desníveis dessa fase tão particular.”

Tesoura em vez de lápis

A ilustradora, Maria Remédio, recorreu às suas memórias de maternidade para ilustrar o texto. “Inspirei-me em situações e objectos da minha própria maternidade e também da maternidade da Maria João, a quem pedi fotografias e também uma lista das primeiras palavras da sua filha”, contou ao PÚBLICO.

Disse ainda, com expressividade: “A tesoura é o meu lápis na altura de criar as ilustrações. Recorto as formas livremente e vou colando os pedaços de papel à medida que se ajustam à imagem que quero fazer nascer.”

Foto
Maria Remédio

Utilizou a técnica da colagem de uma forma diferente da que costuma usar. “Escolhi a paleta de cores que queria usar para as ilustrações e a partir daí criei bancos de cor e texturas: pintei papéis de diferentes tamanhos e feitios, de tinta e aguarelas e com diferentes tipos de pincéis.”

Depois, desenhou um storyboard para os planos do livro. “E percebi como queria mostrar o bebé da história, em que situações apareceriam os seus pais e como tornaria em imagem determinados sentimentos.”

O trabalho nasceu em situação de confinamento, recorda Maria Remédio: “Fui viver para o campo com a minha família e lá montei o meu espaço de trabalho, rodeada de tintas e papéis e um texto à espera de ser transformado em livro.”

A ilustradora revela ainda: “Guardo todos os papéis em várias caixas, todos mesmo, até os mais pequenos. As guardas foram a última coisa a fazer. Acabei por desenhar folhas de papel no início do livro, ainda vazias e como que ainda dentro da barriga da mãe. Nas guardas do final do livro, também linhas, mas já imersas em paisagens e caminhos que se vão fazendo à medida que se cresce.”

Um livro que emociona, mas que talvez toque mais os adultos (sobretudo os pais recentes) do que propriamente as crianças. No entanto, estas ficarão a pensar no tamanho da sua importância e no que significa um amor sem fim.

Mais artigos Letra Pequena e blogue Letra Pequena