Regresso aos treinos: aumentam as lesões na mão e punho?

As lesões do punho e mão no desporto são ocorrências comuns, quer no desporto amador, quer no profissional.

Foto
FRANCISCO ROMAO PEREIRA/Arquivo

O Verão já chegou e a procura pela prática de exercício físico tem vindo a aumentar, o que consequentemente poderá aumentar o risco de lesões. O retornar da prática desportiva mais regular, e de um maior número de pessoas, pode originar, precisamente, mais lesões no punho e mão.

As lesões do punho e mão no desporto são ocorrências comuns, quer no desporto amador, quer no profissional.

O punho e mão são áreas expostas no nosso corpo que são afectadas no desporto por quedas, traumatismos pelo contacto físico na prática desportiva e pelo uso exagerado ou repetitivo do membro superior. Desta forma, estas lesões dividem-se em lesões traumáticas agudas e lesões decorrentes do overuse e muitas são específicas de cada desporto.

Alguns dos desportos que se associam a lesões da mão e punho são o hóquei, ciclismo, basquetebol, vólei, padel, entre outros. A prática de cross-fit, muito em voga neste momento, origina lesões osteomusculares, pelo uso de cargas acentuadas sem uma preparação músculo-esquelética adequada e progressiva.

No remo, por exemplo, são frequentes as tendinites dos tendões que esticam o punho e dedos, com cerca de 73% dos atletas a reportar lesões pelos movimentos repetitivos em carga que este desporto implica.

Nos desportos de raquete, é frequente a patologia do bordo interno do punho que pode incluir tendinites, lesões intra-articulares da fibrocartilagem (disco cartilagíneo interno no punho) que podem limitar o desempenho dos atletas.

As lesões traumáticas mais frequentes incluem a fractura do punho e dos ossos que se articulam com o punho, nomeadamente o escafóide, que é o osso mais frequentemente fracturado do carpo. Estas fracturas ocorrem por queda sobre o punho e ocasionam dor e incapacidade para usar o punho, devendo o atleta procurar assistência médica imediata.

Determinadas fracturas podem não ser diagnosticadas inicialmente porque, por um lado, o atleta não procura ajuda médica porque tem uma dor ligeira, e por outro pelo facto de estas lesões poderem permanecer ocultas no raio-X, sendo importante realizar estudo por TAC ou Ressonância Magnética (RM).

Desta forma, os traumatismos do punho no desporto não devem ser desvalorizados, sob pena de trazer complicações e originar, por exemplo, uma artrose do punho.

Na mão são frequentes as fracturas e luxações nas articulações dos dedos principalmente nos desportos com bola. O tratamento rápido é essencial para permitir um bom resultado clínico, já que a união das fracturas da mão ocorre geralmente em três semanas. O atraso na procura de tratamento médico adequado pode limitar definitivamente a mobilidade digital e impedir um retorno rápido à competição.

Então, o que fazer se sofrer uma lesão?

Caso o atleta sofra uma lesão desportiva deve procurar ajuda médica rapidamente. No caso de dor aguda e deformidade evidente do punho ou mão devem dirigir-se imediatamente a um atendimento permanente onde a lesão pode ser diagnosticada e imediatamente tratada.

A presença de inchaço, equimose (nódoa negra) no local traumatizado devem ser sinais de alarme para procurar o médico ortopedista mesmo em traumatismos menores.

O diagnóstico e tratamento exigem um elevado grau de diferenciação pelo que estas lesões devem ser avaliadas e tratadas por um médico especializado no tratamento do punho e mão.

Normalmente o tratamento do atleta implica uma abordagem imediata no diagnóstico e tratamento com o uso de estudo radiológico avançado (TAC e RM) e técnicas cirúrgicas que permitam um retorno mais rápido à competição profissional ou amadora. Por isso, em caso de lesão não deve adiar a procura de um especialista!

Bons treinos!