Parte 2: O sono da mãe

Claro que eu conhecia a teoria do “a mãe tem de dormir quando o bebé dorme”, o problema é que, nesta frase cheia de sabedoria, ninguém encaixou a possibilidade dessa mãe ter em casa uma criança de ano e meio que, durante o dia, nas longas sestas do irmão, estava acordado e a precisar de atenção.

Fui internada três dias antes do nascimento do meu filho mais novo para realizar a maturação pulmonar exigida pela cesariana que, às trinta e sete semanas, se revelou urgente. A minha diabetes gestacional, de muito difícil controlo mesmo com recurso à insulina, estava a começar a provocar no João algumas alterações cardíacas que, apesar de quase sempre reversíveis no pós-parto, não podíamos deixar avançar.