Monchique faz-se aos caminhos das águas e estreia Festival de Caminhadas

A serra de Monchique está prestes a fazer-se ao caminho: de 10 a 13 de Junho, é tempo de redescobrir um território repleto de maravilhas naturais, mas também frequentemente atacado pelos incêndios, e, também por isso, a penar a desertificação. Para já, há passatempo com oferta de estada para dois.

Foto
Visit Algarve

Das Caldas de Monchique à Picota, pela Rota dos Moinhos, pelo Cerro de Alferce ou as Cascatas de Monchique (e atenção à Cascata de Cristal), às voltas da Fóia e do Petrol, pela Bica Boa e pelas árvores monumentais, caminhadas ao raiar do sol e nocturnas... É ao gosto do caminhante. Sob o signo da água, basta juntar a estas caminhadas alguns workshops com bons ensinamentos, banhos de floresta e ioga, espectáculos de rua, boas comidas, boas gentes e boas paisagens. Bate-se bem e está servido o 1.º Festival de Caminhadas de Monchique, marcado para Junho.

 "A água corre nas veias da serra de Monchique. Aqui, na montanha sagrada, água é também alimento para a vida do homem e deste ecossistema tão especial.” É este o mote do evento, que se realiza de 10 a 13 de Junho. Numa serra célebre pelas suas águas (e Caldas), tantas vezes atacada por incêndios devastadores, foi este o elemento escolhido para mostrar que, por aqui, há muito e bom caminho para andar. 

No interior do Algarve, o festival quer ser “uma lufada de ar fresco para arrancar com a programação a nível local”, passando a integrar-se no calendário anual do AWS - Algarve Walking Season, uma rede de festivais de caminhadas no Algarve com eventos ao longo do ano: Festival de Caminhadas de Alcoutim, o Walking Festival Ameixial — anualmente na Primavera — e o Barão de S. João Walk & Art Fest (Lagos; confirmado para o próximo Novembro).

Como exemplos das caminhadas no menu, temos logo a iniciática Caminho das Caldas – Picota: são 18km, cerca de 5h30 previstas, a subir e a descer até chegar a altaneiras vistas de tirar o fôlego (as caldas estão a pouco mais de 200m de altitude na encosta sul da serra da Picota, que por sua vez atinge os 774 m de altitude).

Há várias caminhadas mais curtas, como a Rota dos Moinhos (10km), que começa no centro de Monchique e vai pela “densa vegetação da serra”, passando por plátano centenário e velhos moinhos, até à ribeira de Seixe (a que irá desaguar na praia de Odeceixe, concelho de Aljezur). Esta caminhada esgotou, entretanto, como algumas das mais chamativas anunciadas pela autarquia. São efeitos da pandemia: “número mínimo de participantes: 5; número máximo de participantes:15”.

Entre as muitas disponíveis (e a receber inscrições à altura de publicação deste artigo), encontra-se o Percurso pelas Árvores Monumentais (15km), por entre “sobreiros, castanheiros, eucaliptos e algumas árvores centenárias como plátanos e araucárias”. 

Noutras actividades, podia ainda escolher-se entre vários workshops (entre estes, Caminhada com bastões, Preparação física para caminhadas, Material para caminhadas), ou uma eco-oficina: Feltragem com lã natural.

Já no dia 12 de Junho, há A Fonte, um “espectáculo multidisciplinar, onde através de diferentes técnicas de teatro de marionetas, máscara e teatro físico” se aborda "a história da vida do planeta com intensidade e humor”. Será no Parque Urbano (anfiteatro à beira da ribeira), com entrada gratuita.

Em cada dia, o programa integra as propostas de caminhadas, mas também eventos e lazer. Todas as actividades "requerem inscrição prévia obrigatória até ao dia 2 de Junho” — infos@cm-monchique.pt ou 282 910 200 / 205. No caso das actividades que são pagas, as inscrições devem ser feitas directamente ao organizador das mesmas. Todas as informações estão disponíveis no micro site dedicado ao Festival de Caminhadas de Monchique.

Promovido pela autarquia local, faz também parte do Projecto Revitalizar Monchique - Turismo como catalisador, financiado pelo Turismo de Portugal, contando com o apoio da Região de Turismo do Algarve, Associação de Turismo do Algarve e Associação Almargem.